Estudo sugere que modernização reduz importância da religião na felicidade das pessoas

echiner1 / Flickr

Em países mais desenvolvidos e em que há uma maior perceção de liberdade, a religião desempenha um papel menos importante na felicidade das pessoas.

Um novo estudo sugere que em países em que a felicidade das pessoas está mais associada à conformidade religiosa, esta tende a estar menos ligada à liberdade subjetiva e vice-versa. A investigação foi publicada este mês na revista científica Journal of Happiness Studies.

Assim sendo, as conclusões do estudo apontam que a “evolução cultural” associada à modernização reduz “a importância da fé religiosa para a felicidade das pessoas, enquanto aumenta a importância da liberdade subjetiva”.

“Como pessoa que cresceu num regime comunista, sempre olhei para a religião da mesma maneira que o comunismo: um instrumento de manipulação, usado principalmente nas sociedades opressivas pelas elites locais, a fim de obter submissão e manter os seus privilégios sem serem desafiadas”, disse o autor do estudo, Michael Minkov.

Num questionário online feito a mais de 40 mil pessoas de 43 países diferentes, foram recolhidos dados da felicidade das pessoas, adesão às regras religiosas e da perceção de liberdade que têm.

A equipa de investigadores descobriu que a relação entre felicidade e conformidade religiosa era mais forte em países mais coletivistas com menos desenvolvimento económico. Por outro lado, a relação entre felicidade e liberdade subjetiva era mais fraco neste países.

Pelo contrário, em países mais desenvolvidos economicamente e mais individualistas, as associações verificadas eram contrárias. Assim sendo, quanto maior a liberdade subjetiva, mais felizes as pessoas eram. Contudo, a conformidade religiosa acabava por não influenciar muito a felicidade das pessoas.

Minkov confessou não estar surpreendido com os resultados, explicando que percebe que a religião traga mais felicidade às pessoas em países com mais dificuldades. No entanto, ficou surpreendido ao notar que os Estados Unidos tinham um padrão semelhante apesar de serem muito desenvolvidos economicamente.

“Os Estados Unidos são um país rico, mas têm muita desigualdade e muitos dos seus cidadãos sentem-se desprivilegiados. Aparentemente, a religião ajuda-os a lidar com as dificuldades”, disse Minkov ao PsyPost.

O antropólogo conclui que o conformismo religioso tem um efeito negativo na capacidade de uma nação em inovar.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 500 detidos nos protestos contra Lukashenko. Segue-se a greve geral

A greve geral anunciada pela líder da oposição bielorrussa no exílio para exigir a saída do Presidente começou, esta segunda-feira, com protestos tímidos e detenções em todo o país. "O prazo para cumprir as exigências do …

Polacos protestam contra acórdão que torna o aborto quase impossível

Milhares de polacos têm-se manifestado, nos últimos dias, contra a proibição quase total do aborto, quando as leis do país estavam já entre as mais restritivas da União Europeia. Na última quinta-feira, o Tribunal Constitucional polaco …

Japão promete "uma sociedade neutra em termos de carbono" até 2050

O Japão quer alcançar a neutralidade de carbono até 2050, disse hoje o primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga, um caminho que se afigura complicado, devido à dependência do país do carvão. Numa altura em que cada vez …

"Nada nos vai fazer recuar". Macron desperta a raiva do mundo muçulmano (e enfurece Erdogan)

Emmanuel Macron, presidente de França, assumiu posições muito claras na defesa da liberdade de exibir as caricaturas de Maomé, no âmbito da homenagem ao professor decapitado na semana passada, suscitando protestos em vários países muçulmanos. "Nada …

Merkel avisa Alemanha que os próximos meses vão ser “muito difíceis”

A chanceler alemã, Angela Merkel, avisou a Alemanha de que os próximos meses vão ser "muito difíceis", já que o número de infeções por covid-19 continua a crescer diariamente, tendo-se registado 8.685 nas últimas …

Portugal acusado de bloquear lei europeia contra evasão fiscal pelas multinacionais

Os governos português e sueco estão a ser acusados de bloquear, no Conselho da União Europeia (UE), a deliberação de uma lei contra a evasão fiscal por parte de grandes empresas multinacionais digitais. Segundo anunciou esta …

Consumo de antibióticos desce 22% durante a pandemia. Menos 1,1 milhões de embalagens vendidas

O consumo de antibióticos registou uma descida na ordem dos 22% nos primeiros oito meses deste ano. Venderam-se menos 1,1 milhões de embalagens, quando comparado com igual período do ano passado. Entre janeiro e agosto deste …

Portugal regista mais 2.447 casos e 27 mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 2.447 casos positivos e 27 mortes por covid-19. A informação foi divulgada, esta segunda-feira, no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico divulgado hoje revela que …

Testes rápidos devem ser aplicados em surtos em escolas ou lares

A Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, hoje publicada, determina que em situações de surto em escolas, lares ou outras instituições devem ser utilizados preferencialmente testes rápidos no sentido de aplicar "rapidamente as medidas adequadas …

Em Berlim, Marta Temido defende reforma e reforço de poder da OMS

A Organização Mundial de Saúde (OMS) deve ser alvo de uma reforma substancial que leve ao reforço do seu poder internacional na sequência da pandemia de Covid-19, defendeu esta segunda-feira a ministra da Saúde, Marta …