Moções de censura contra Governo de Macron chumbadas

Yoan Valat / EPA

Emmanuel Macron, novo presidente da França

A Assembleia Nacional francesa chumbou, esta terça-feira, as duas moções de censura contra o Governo apresentadas na sequência do “caso Benalla”, que envolve o ex-chefe da segurança do Presidente Emmanuel Macron.

A primeira moção de censura a ser rejeitada foi a lançada pelos conservadores franceses e principal força da oposição, Os Republicanos, de centro-direita. Como era esperado, o partido de Emmanuel Macron, a República em Marcha (LREM) e que detém a maioria na câmara baixa do Parlamento francês, derrubou a moção de censura, a primeira do Executivo de Paris desde que tomou posse em junho de 2017.

Os 143 votos favoráveis da oposição conservadora, do movimento França Insubmissa (esquerda) e dos comunistas franceses não foram suficientes para alcançar a maioria absoluta necessária (289 deputados) e a passagem da moção de censura. Entre estes 143 votos favoráveis também figurou o voto da líder da União Nacional (extrema-direita), Marine Le Pen, que manifestou apoio à moção dos conservadores.

A par desta moção lançada pela força política de centro-direita, a câmara baixa do Parlamento francês votou também hoje uma segunda moção de censura apresentada por três grupos parlamentares da esquerda francesa: socialistas, esquerda alternativa e comunistas. A moção de censura apresentada pela esquerda francesa, que tinha remotas possibilidades de passar, só conseguiu 74 votos favoráveis.

Os socialistas, um dos proponentes da segunda moção de censura, não apoiaram a iniciativa dos conservadores, que também optaram por não votar na proposta assinada pelo partido socialista francês.

Estas moções de censura surgem na sequência do escândalo que envolveu o ex-chefe da segurança do Presidente francês Alexandre Benalla. Em meados de julho, o Le Monde noticiou que o funcionário agrediu manifestantes durante protestos numa manifestação do Dia do Trabalhador, a 1 de maio, fazendo passar-se por um elemento das forças policiais. A justiça francesa abriu uma investigação e Benalla foi demitido pela Presidência e detido.

A 26 de julho, numa entrevista ao jornal francês, Benalla admitiu que “cometeu uma falha”, tendo denunciado nas mesmas declarações que houve uma “vontade de atingir” o Presidente francês. “Sinto que fiz uma grande asneira. Cometi uma falha (…) Eu nunca deveria ter ido a essa manifestação a não ser como observador, e deveria ter ficado atrás”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

PS adia negociações com partidos de esquerda

Os socialistas vão adiar todas as reuniões com os partidos sobre as medidas para o Orçamento do Estado. O encontro com o BE estava marcado para amanhã e foi cancelado. O mesmo acontecerá com o …

Protestos continuam em Londres. Ativistas invadem centro financeiro

Centenas de ativistas pelo clima do grupo Extinction Rebellion invadiram esta segunda-feira o centro financeiro de Londres para manifestarem repúdio por as grandes corporações financiarem os combustíveis fósseis. Muitos manifestantes, protegidos da intensa chuva com lonas …

"Tenho muitas dívidas, muito financiamento por pagar"

Isabel dos Santos explicou em entrevista à Lusa a origem dos seus investimentos, salientando serem totalmente privados, o que a levou a criar muitas dívidas. Disse ainda que os empresários têm dificuldade em trabalhar e …

Estados Unidos autorizados a aplicar taxas sobre produtos europeus

A Organização Mundial do Comércio (OMC) autorizou oficialmente esta segunda-feira os Estados Unidos a aplicar taxas alfandegárias sobre 7500 milhões de dólares de importações oriunda da União Europeia devido aos subsídios dados à Airbus. A OMC …

Tribunal rejeita providência cautelar requerida pela Ordem dos Enfermeiros contra ministério

O Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa rejeitou a providência cautelar pedida pela Ordem dos Enfermeiros (OE) contra o Ministério da Saúde no processo de sindicância à OE, anunciou esta segunda-feira o Governo. Em comunicado, o …

Paraísos fiscais. Portugal transferiu 672 milhões em 2018

Os bancos a operar em Portugal transferiram 672 milhões de euros no ano passado para territórios que constavam das listas de offshores problemáticos da União Europeia. Em 2018, os bancos a operar em Portugal transferiram 672 …

Discurso da Rainha. Entre crime, saúde e imigração, o Brexit foi destaque

Várias propostas de lei relacionadas com o Brexit destacam-se no programa do governo britânico para os próximos meses apresentado esta segunda-feira pela rainha Isabel II no parlamento, o qual inclui a implementação de um eventual …

Conservadores polacos vencem legislativas com maioria absoluta

Os conservadores nacionalistas no poder na Polónia venceram as eleições legislativas com 45,16% dos votos, de acordo com os resultados oficiais que se referem à contagem de 82,79% das circunscrições. O partido conservador eurocético Lei e …

Ambulâncias rejeitadas no Hospital de Setúbal por sobrelotação das urgências

Ambulâncias que chegavam ao Hospital de São Bernardo, em Setúbal, durante a tarde de domingo, foram encaminhadas para outros hospitais. As urgências do centro hospitalar estavam sobrelotadas. Entre as 12h e as 16h30 deste domingo, o …

Professores regressam à greve ao trabalho extraordinário

A paralisação poderá comprometer as avaliações intercalares dos alunos, alertam os sindicatos que pedem o cumprimento do horário de 35 horas semanais. A greve dos professores ao trabalho extraordinário regressa esta segunda-feira às escolas, sem data …