Mistério de sinais bizarros que chegam à Terra solucionado 50 anos depois

SRI / wikimedia

-

De vez em quando, os cientistas detetam sinais misteriosos que chegam à Terra, sem conseguir identificar a sua fonte. Agora, investigadores finalmente resolveram um desses mistérios: um sinal bizarro identificado há 50 anos.

Um novo estudo publicado na Geophysical Research Letters reivindica ter solucionado o enigma dos chamados “ecos de 150 quilómetros”.

Todos os dias, ao amanhecer e entardecer, o fenómeno surge: sinais de radar inicialmente enviados para o espaço por cientistas refletem de volta para o chão, como ecos.

Durante o nascer do sol, algo a uma altura de 150 quilómetros age como um espelho para estes sinais. Já ao meio-dia, o espelho “baixa-se” a uma altura de 20 a 30 quilómetros. O espelho sobe novamente com o pôr do sol, onde desaparece na noite.

As sondas enviadas para a atmosfera durante o nascer e o pôr do sol não conseguiram identificar qualquer fonte potencial para tal efeito de reflexão.

Espelho de iões

Investigadores da Universidade de Boston, nos EUA, liderados pelo astrónomo Meers Oppenheim, decidiram tentar identificar este espelho de uma vez por todas.

Os cientistas observaram que a fonte dos ecos se tornava mais poderosa durante as explosões solares e consideravelmente mais fraca durante os eclipses, e notaram ainda que o aumento da profundidade do sinal durante o dia combinava com o ângulo da radiação solar.

Estas provas circunstanciais pareciam apontar para a nossa estrela mãe como a culpada, mas era improvável que o sinal fosse proveniente do próprio sol.

Oppenheim and Dimant / Jorge Chau / GRL

Os ecos, acompanhados ao longo do dia, em altitudes variadas

Os ecos, acompanhados ao longo do dia, em altitudes variadas

A luz ultravioleta do sol arranca eletrões das moléculas de oxigénio e azoto na atmosfera superior, e lança esses eletrões a altas velocidades, com energias consideráveis.

As interações destes eletrões com as moléculas ionizadas e outras partículas podem fazer com que os iões vibrem em massa.

Os cientistas sugerem, assim, que esta vibração poderia gerar ondas energéticas suficientemente fortes para refletir os sinais de radar que vêm a partir do solo.

Usando simulações de computador para reproduzir este mecanismo, os investigadores mostraram que, de facto, a energia da radiação solar é suficiente para produzir iões que reflitam os sinais.

À medida que o sol nasce e se move no céu ao longo do dia, o ângulo de radiação solar muda, e os iões vibrantes movem-se mais para baixo no céu. No pôr do sol, o ângulo diminui, e o “espelho” move-se de volta para cima.

Durante as erupções solares energéticas, por sua vez, mais iões podem ser produzidos – e o espelho torna-se ainda mais poderoso.

HypeScience

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá, ZAP! Obrigado pela notícia. Queria fazer um reparo. Não há moléculas sem electrões, dado que eles são essenciais para formar moléculas (isto é, átomos ligados entre si). Tampouco essa é a definição de ião. Ião é um átomo cuja carga electrónica foi alterada, seja pela adição, seja pela remoção de electrões. Há moléculas formadas por iões, por exemplo o sal comum (cloreto de sódio). Obrigado. 🙂

    • Caro BGM,
      Obrigado pelo seu reparo. A expressão “moléculas sem electrões” pretendia na realidade significar “moléculas com electrões a menos”.
      O parágrafo foi reescrito para corrigir o erro e clarificar o seu conteúdo.

RESPONDER

Sousa Cintra nomeado presidente da SAD do Sporting

O antigo presidente do Sporting José Sousa Cintra foi nomeado para a presidência da SAD do clube, em substituição de Bruno de Carvalho, anunciou hoje a Comissão de Gestão do clube. O presidente da Comissão de …

Descoberta a primeira obra de Da Vinci (ou talvez não)

O primeiro trabalho pictórico do génio do Renascimento Leonardo da Vinci terá sido um azulejo datado de 1471, no qual está representado o Arcanjo Gabriel, anunciou esta quinta-feira o especialista de arte Ernesto Solari, que …

Deus é um estúpido filho da mãe, diz Duterte

Rodrigo Duterte, o presidente das Filipinas – país em que 86% da população é católica – referiu-se a Deus como um "estúpido filho da mãe" durante uma cimeira na cidade de Davao. Referindo-se ao conceito católico …

32 anos depois, a genealogia genética tramou o assassino de Michella

O mistério da agressão sexual seguida de homicídio de uma adolescente americana em 1986 foi resolvido, 32 anos depois graças a uma técnica inovadora da genealogia genética, anunciaram este domingo as autoridades do estado de …

Estrelas massivas podem obrigar-nos a rever toda a história do Universo

Para entender os padrões que deram forma às galáxias, é necessário estudar estrelas. Ao estudá-las, astrónomos e cientistas conseguem analisar as suas massas, nascimentos e mortes para melhor compreender a história do universo. O Observatório Europeu …

Bruno deixa de ser sócio (e adepto) do Sporting

O presidente do Sporting, destituído em assembleia-geral (AG) no sábado, Bruno de Carvalho, prometeu hoje deixar de ser sócio do clube na sequência daquilo que diz ter sido uma “golpada” que colocou de novo no …

Milhares em Londres pedem um segundo referendo ao brexit

O centro de Londres encheu-se este sábado de milhares de pessoas que se manifestaram  por um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. “Queremos ter a palavra sobre o ‘brexit’”, gritou-se. Dois …

Para muitos, ir ao Rock in Rio é para "viver a experiência"

Há quem gaste 200 euros, quem não dispense um brinde e quem espere à sombra até ao concerto desejado. Para muitos dos espetadores, a ideia é viver “a experiência” do Rock in Rio Lisboa, que …

Francesa esteve detida 2 semanas por atravessar por engano fronteira EUA-Canadá

A francesa Cedella Roman, de 19 anos, passou o "maior susto da sua vida": foi detida pelo serviço de imigração norte-americano e esteve presa durante duas semanas num centro de imigrantes por ter atravessado acidentalmente …

Os buracos negros podem ser dois wormholes que colidiram

Quando dois wormholes colidem, são criadas ondulações no espaço-tempo. Esses ecos gravitacionais poderiam ser detetados por instrumentos futuros, fornecendo evidências de que essa hipotética colisão através do espaço-tempo existe mesmo. O Observatório de Ondas Gravitacionais por …