Missouri pode transformar-se no primeiro estado sem clínicas de aborto

Fibonacci Blue / Flickr

Planned Parenthood

Depois de ter sido aprovada na semana passada uma nova lei no Missouri que restringe o período em que é permitido interromper a gravidez, há a expectativa de que o departamento de saúde do estado norte-americano não renove a licença que permite à única clínica onde se fazem abortos continuar a fazê-los.

A possibilidade foi avançada pelo Planned Parenthood, um grupo de defesa dos direitos civis nos Estados Unidos (EUA), cuja presidente, Bonyen Lee-Gilmore, descreveu a situação, num comunicado citado pela CNN, como uma “verdadeira crise de saúde pública”, noticiou o Expresso na terça-feira.

“Esta semana, o Missouri poderá transformar-se no primeiro estado do país sem uma única clínica que faça abortos de forma segura e legal, negando o acesso a este procedimento médico a mais de um milhão de mulheres em idade reprodutiva”, acrescentou.

A porta-voz do grupo de defesa dos direitos civis explicou que a licença expira a 31 de maio mas que isso não significa que a clínica vá encerrar, continuando a disponibilizar métodos de controlo de natalidade e a realizar exames a doenças sexualmente transmissíveis, cancro e outras enfermidades.

As autoridades estaduais ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Na sexta-feira da semana passada, o governador do Missouri, o republicano Mike Parson, assinou uma nova lei que proíbe o aborto a partir das oito semanas de gestação, sem exceções para casos de violação ou de incesto, que entra em vigor a 28 de agosto (as únicas exceções são em situações de risco de morte ou de lesões físicas permanentes).

Os médicos que realizarem o procedimento para lá do prazo estipulado podem vir a ser condenados a uma pena de cinco a 15 anos de prisão. “Ao aprovarmos esta lei, estamos a enviar um sinal à nação de que aqui no Missouri defendemos a vida e protegemos a saúde das mulheres”, afirmou na altura o governador. “Todas as vidas têm valor”, referiu.

A aprovação da lei colocou o Missouri ao lado de uma série de estados norte-americanos, liderados por republicanos, que têm vindo a aprovar legislação que limita o direito ao aborto, lê-se na notícia do Expresso.

É o caso do Alabama, cuja governadora, Kay Ivey, assinou a 15 de maio uma lei que proíbe o aborto em quase todas as circunstâncias, não havendo exceções nem sequer para vítimas de violação ou casos de incesto (também nessa altura a Planned Parenthood interveio para pedir que a lei fosse bloqueada) e é o caso dos estados de Georgia, Alabama e Mississippi, embora aqui a lei tenha sido bloqueada por um juiz federal.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal foi o país da Europa que mais pagou a agentes de futebol

Em 2019, Portugal foi o país da Europa que mais gastou em comissões a agentes nos processos de venda de jogadores de futebol. Os números são de um relatório FIFA, citado esta quinta-feira pelo Jornal de …

"Agregar, agregar, agregar". Se vencer, Pinto Luz conta com Rio e Montengro

O candidato à liderança do PSD Miguel Pinto Luz disse que caso vença as diretas de 11 de janeiro quer contar os seus adversários nesta corrida - o antigo líder parlamentar Luís Montenegro e o …

Açores são o único arquipélago do mundo com certificado de destino turístico sustentável

Os Açores são a primeira região do país certificada como destino turístico sustentável, distinção atribuída a apenas 13 regiões no mundo e entregue esta quinta-feira com a categoria de "prata" pela certificadora Earthcheck. "É com profundo …

Kendrick Lamar atua em data extra do Alive

O rapper norte-americano Kendrick Lamar vai atuar a 8 de julho, num dia extra do festival Alive, no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras. Esta será a terceira vez que o rapper atua em Portugal, tendo …

Hugh Grant em campanha porta a porta contra Boris Johnson e o Brexit

Hugh Grant está em campanha contra o primeiro-ministro do seu país. O ator britânico decidiu juntar-se aos trabalhistas e liberais democratas para derrotar Boris Johnson e, nos últimos dias, tem participado em ações de campanha …

Sarah previu a vitória de Trump em 2016. Agora, alerta para o perigo das redes sociais

Sarah Kendzior, que previu a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016, diz que as redes sociais podem ser utilizadas como uma arma política. Quando quase todos menosprezavam a corrida eleitoral de Donald Trump …

Marcelo "afasta-se" do encontro entre Pompeo e Netanyahu

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu esta quinta-feira que o encontro, que decorre em Lisboa, entre o secretário de estado dos Estados Unidos e o primeiro ministro israelita "é uma realidade que …

Economia portuguesa cresce acima da média europeia

As economias da zona euro e da União Europeia (UE) mantiveram, no terceiro trimestre, o ritmo de crescimento do período homólogo, respetivamente 1,2% e 1,4%, com Portugal a avançar acima da média (1,9%). Segundo revelou o …

Atendimento a sem-abrigo passa a ser feito independentemente da morada

O atendimento de emergência a pessoas sem-abrigo passa a poder ser feito em qualquer centro distrital da Segurança Social, independentemente da morada em que a pessoa está registada ou da existência de um processo familiar, …

Catarina Martins presente na contra-cimeira do clima em Madrid

A coordenadora do BE integra a comitiva bloquista que, na sexta-feira, vai a Madrid para a manifestação da contra-cimeira do clima, enquanto decorre na capital espanhola a cimeira da Organização das Nações Unidas, a COP25. Em …