Cientistas perto de provar que microgravidade inibe crescimento de tumores

nasa2explore / Flickr

O astronauta canadiano Chris A. Hadfield, em 2001, em actividade extra-veicular (EVA) num voo do vaivém Endeavour, da NASA

Cientistas já testaram com sucesso em laboratório que a microgravidade inibe o crescimento de tumores. Agora, os investigadores querem testar em órbita.

Onde quer que esteja, Stephen Hawking permanece presente na ciência, e os seus mais recentes conselhos devem render uma descoberta para lá de impressionante (e revolucionária). Em conversa com um investigador australiano, Hawking falou sobre como nada no universo é capaz de desafiar a gravidade.

Depois do diagnóstico de um amigo com cancro, Joshua Choi, professor na Universidade de Sydney, relembrou a conversa e questionou-se: “O que aconteceria com as células cancerígenas se as tirássemos da gravidade?”.

Agora, a sua equipa vai enviar células cancerígenas para dar uma ‘voltinha’ pela órbita da Terra, na tentativa de comprovar que elas não se desenvolvem na microgravidade — como já demonstraram em testes feitos em laboratório.

Viagens espaciais acarretam uma série de riscos. Afinal de contas, o astronauta é exposto, de maneira mais intensa, à radiação solar e aos raios cósmicos, além dos efeitos que a microgravidade pode causar no corpo humano — que vão desde degeneração muscular e óssea, passando pela diminuição da função dos órgãos, da visão e até alterações a nível genético.

Curiosamente, há alguns benefícios médicos potenciais da microgravidade. Para entender o funcionamento das células cancerígenas, Choi e a sua equipa de investigação vão levar a sua experiência para a Estação Espacial Internacional (ISS) para testar como é que tumores se desenvolvem fora da gravidade terrestre.

Em investigações iniciais, Choi percebeu que o ambiente espacial afeta a compreensão da biologia celular e a progressão de doenças. Aliás, já testou em laboratório os efeitos da microgravidade em células cancerígenas.

Choi, descobriu que, “quando colocadas num ambiente de microgravidade, 80% a 90% das células nos quatro tipos diferentes de cancro testados — ovário, mama, nariz e pulmão — foram desativadas.” Isto significa que as células morrem porque não conseguiram sobreviver à gravidade mínima. Além disso, estes quatro tipos de cancro testados são alguns dos mais difíceis de controlar.

O mais impressionante dos resultados iniciais é o facto de que foram obtidos apenas ao alterar as forças gravitacionais, sem a ajuda de medicamentos. Quando submetidas a condições de microgravidade, as células cancerígenas tinham muita dificuldade em unir-se e não conseguiram desenvolver tumores.

No início de 2020, a equipa iniciará uma nova etapa dos estudos e vai enviar células cancerígenas para a ISS durante 7 dias. No fim, as células serão congeladas para a viagem de volta à Terra, para os investigadores analisarem o material à procura de alterações genéticas.

Caso os resultados confirmem a tese de que as células cancerígenas não se multiplicam na microgravidade, Choi espera desenvolver novos tratamentos que possam ter o mesmo efeito de neutralizar a capacidade de se conectarem.

Longe de uma cura, as novas terapias poderiam auxiliar os tratamentos médicos contra o cancro existentes. Combinada com a medicação atual e a quimioterapia, a investigação poderá reduzir com bastante êxito a propagação do cancro no corpo humano.

ZAP // Canaltech

PARTILHAR

RESPONDER

A Terra teve um campo magnético primitivo (e é mais forte do que se pensava)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, encontrou evidências que sugerem que o campo magnético primitivo que se formou à volta da Terra é mais forte do que os especialistas pensavam. …

Cientistas estão a criar oxigénio a partir de uma imitação de poeira lunar

Uma equipa de investigadores está a trabalhar num sistema capaz de produzir oxigénio respirável a partir de amostras de uma imitação de poeira lunar. A procura de um novo mundo habitável é uma das grandes aspirações …

Porto eleito uma das melhores cidades pequenas do mundo pela Monocle

O Porto foi considerada a nona melhor cidade pequena do mundo para se viver pela revista Monocle. O centro histórico, a gastronomia e as praias foram características destacadas. A revista Monocle elegeu o Porto como uma …

Teoria sugere que os OVNIs são pilotados por humanos que viajam no tempo

https://vimeo.com/386497718 Objetos voadores não identificados (OVNIs) capturaram a atenção do público ao longo das décadas. Uma teoria defende que os pilotos dos OVNIs podem ser os descendentes dos humanos que viajam para o passado para estudar …

Vitória SC 1-2 FC Porto | "Dragão" vence com final louco

O FC Porto venceu o Vitória de Guimarães na Pedreira por 2-1 e é finalista da Taça da Liga portuguesa, marcando encontro com o Sporting de Braga (que venceu o Sporting na terça-feira) na final …

Empresa norte-americana quer recuperar o transmissor do Titanic que lançou as chamadas de socorro

A empresa privada norte-americana RMS Titanic Inc quer remover o equipamento de rádio da empresa Marconi que está entre os destroços do Titanic. A empresa pretende levar a cabo a "remoção cirúrgica" dos aparelhos de …

Luigi di Maio deixa liderança do Movimento 5 Estrelas

O líder do Movimento 5 Estrelas (M5S) demitiu-se da liderança, esta quarta-feira, e apelou a uma refundação do partido italiano, que atravessa uma crise interna e uma série de maus resultados em eleições regionais. Luigi Di …

Nova técnica combina injeções geladas e salgadas para combater a gordura

Uma equipa de cientistas, da Universidade de Harvard e do Hospital Geral de Massachusetts, testou um novo tratamento que derrete a gordura da barriga. A nova técnica, desenvolvida por investigadores da Universidade de Harvard e do Hospital …

Jogadores "imploraram pela vida" em Alcochete

O lateral esquerdo Lumor e o guarda-redes Salin foram ouvidos, esta quarta-feira, na 21.ª sessão do julgamento da invasão à academia leonina. Lumor, que está emprestado pelo Sporting ao Maiorca, de Espanha, foi ouvido através do …

Mais de metade dos jovens escolhe os mesmos empregos

Mais de metade dos adolescentes portugueses querem ter os mesmos empregos e, a nível internacional, muitos jovens escolhem carreiras que exigem qualificações académicas, mas para as quais não pretendem estudar. O maior inquérito que avalia o …