Cientistas perto de provar que microgravidade inibe crescimento de tumores

nasa2explore / Flickr

O astronauta canadiano Chris A. Hadfield, em 2001, em actividade extra-veicular (EVA) num voo do vaivém Endeavour, da NASA

Cientistas já testaram com sucesso em laboratório que a microgravidade inibe o crescimento de tumores. Agora, os investigadores querem testar em órbita.

Onde quer que esteja, Stephen Hawking permanece presente na ciência, e os seus mais recentes conselhos devem render uma descoberta para lá de impressionante (e revolucionária). Em conversa com um investigador australiano, Hawking falou sobre como nada no universo é capaz de desafiar a gravidade.

Depois do diagnóstico de um amigo com cancro, Joshua Choi, professor na Universidade de Sydney, relembrou a conversa e questionou-se: “O que aconteceria com as células cancerígenas se as tirássemos da gravidade?”.

Agora, a sua equipa vai enviar células cancerígenas para dar uma ‘voltinha’ pela órbita da Terra, na tentativa de comprovar que elas não se desenvolvem na microgravidade — como já demonstraram em testes feitos em laboratório.

Viagens espaciais acarretam uma série de riscos. Afinal de contas, o astronauta é exposto, de maneira mais intensa, à radiação solar e aos raios cósmicos, além dos efeitos que a microgravidade pode causar no corpo humano — que vão desde degeneração muscular e óssea, passando pela diminuição da função dos órgãos, da visão e até alterações a nível genético.

Curiosamente, há alguns benefícios médicos potenciais da microgravidade. Para entender o funcionamento das células cancerígenas, Choi e a sua equipa de investigação vão levar a sua experiência para a Estação Espacial Internacional (ISS) para testar como é que tumores se desenvolvem fora da gravidade terrestre.

Em investigações iniciais, Choi percebeu que o ambiente espacial afeta a compreensão da biologia celular e a progressão de doenças. Aliás, já testou em laboratório os efeitos da microgravidade em células cancerígenas.

Choi, descobriu que, “quando colocadas num ambiente de microgravidade, 80% a 90% das células nos quatro tipos diferentes de cancro testados — ovário, mama, nariz e pulmão — foram desativadas.” Isto significa que as células morrem porque não conseguiram sobreviver à gravidade mínima. Além disso, estes quatro tipos de cancro testados são alguns dos mais difíceis de controlar.

O mais impressionante dos resultados iniciais é o facto de que foram obtidos apenas ao alterar as forças gravitacionais, sem a ajuda de medicamentos. Quando submetidas a condições de microgravidade, as células cancerígenas tinham muita dificuldade em unir-se e não conseguiram desenvolver tumores.

No início de 2020, a equipa iniciará uma nova etapa dos estudos e vai enviar células cancerígenas para a ISS durante 7 dias. No fim, as células serão congeladas para a viagem de volta à Terra, para os investigadores analisarem o material à procura de alterações genéticas.

Caso os resultados confirmem a tese de que as células cancerígenas não se multiplicam na microgravidade, Choi espera desenvolver novos tratamentos que possam ter o mesmo efeito de neutralizar a capacidade de se conectarem.

Longe de uma cura, as novas terapias poderiam auxiliar os tratamentos médicos contra o cancro existentes. Combinada com a medicação atual e a quimioterapia, a investigação poderá reduzir com bastante êxito a propagação do cancro no corpo humano.

ZAP // Canaltech

PARTILHAR

RESPONDER

O mar interno da misteriosa Encélado "grita" habitabilidade

Uma equipa de especialistas desenvolveu um novo modelo geoquímico que revela que o dióxido de carbono do interior de Encélado, lua de Saturno que abriga um oceano, pode ser controlado através de reações químicas no …

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …

Amazon quer que os clientes paguem com as mãos

A gigante tecnológica Amazon quer que os  clientes comprem e efetuem o pagamento com um aceno da mão em vez de passar um cartão numa máquina. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes …