Metrópole no Camboja medieval. Estudo mostra quantas pessoas viveram no Império de Angkor

Tom Chandler e Micheal Lim / Monash University

Reconstrução de um povoado medieval e um santuário de aldeia no sul de Angkor.

Um novo estudo arqueológico mostra quantas pessoas viveram no antigo Império de Angkor ao longo do tempo. A população era comparável à da Roma antiga.

Quão grandes eram as antigas cidades? No seu auge, há cerca de 5.000 anos, a primeira cidade do mundo, Uruk, pode ter tido cerca de 40.000 habitantes. Na era medieval, Londres pode ter tido uma população de cerca de um quarto de milhão de pessoas, crescendo para aproximadamente 600.000 no início do século XVII.

Uma das maiores e mais antigas cidades do mundo ficava nas selvas do sudeste da Ásia, na grande região de Angkor, localizada no Camboja contemporâneo. Este local medieval foi o lar do Império de Angkor ou Khmer do século IX ao XV, cujo templo de Angkor Wat é um dos maiores monumentos religiosos do mundo.

Mas a maioria das pessoas não percebe que Angkor Wat é apenas um dos mais de mil templos na grande região de Angkor. Um novo estudo sugere que esse assentamento pode ter abrigado entre 700.000 e 900.000 pessoas no seu auge no século XIII.

Isto significa que a população de Angkor era aproximadamente comparável às quase 1 milhão de pessoas que viveram no auge da Roma antiga.

Nos últimos 30 anos, arqueólogos têm explorado as selvas e os campos de arroz do Camboja, documentando milhares de características medievais que permanecem inscritas na paisagem.

O nosso conhecimento da região entrou numa nova era em 2012, quando investigadores do Khmer Archaeological Lidar Consortium organizaram uma missão em todo este local de Património Mundial. Chamada de LIDAR, a tecnologia usada foi capaz de em poucos dias analisar e processar meses, senão anos de trabalho de arqueólogos.

Desta forma, os investigadores foram capazes de mapear dezenas de milhares de características arqueológicas em Angkor. Como o povo angkoriano construiu as suas casas com materiais orgânicos e em postes de madeira, essas estruturas há muito desapareceram e não são visíveis na paisagem. Contudo, o LIDAR revelou uma paisagem urbana complexa.

O novo estudo publicado na revista Science Advances criou um banco de dados abrangente que une o trabalho de mapeamento LIDAR, de 2012, com um enorme conjunto de dados arqueológicos adquiridos por uma equipa internacional de cientistas nos últimos 30 anos.

O objetivo era combinar todos os dados disponíveis numa estrutura para que se pudesse entender quais edifícios existiram em vários pontos no tempo e, de seguida, atribuir o número certo de pessoas a cada estrutura, a fim de chegar a estimativas de população.

A parte da paisagem de Angkor com a qual a maioria das pessoas está familiarizada é o que chamamos de centro cívico-cerimonial. Essas áreas são semelhantes ao que se pode considerar o “centro da cidade”.

Os investigadores sugerem que muitas das pessoas que vivam aqui apoiaram o funcionamento dos templos e do governo estadual como artesãos, dançarinos, padres ou professores. Estas pessoas teriam contado com o excedente de arroz gerado pelos agricultores, embora estudos recentes sugiram que também cuidavam de pequenas hortas domésticas.

As pessoas que habitavam os montes e campos de arroz na área metropolitana de Angkor tinham um estilo de vida diferente. Estas pessoas eram predominantemente agricultores e passariam os dias a plantar e colher arroz.

A terceira área de ocupação era nas margens de estradas e canais. Alguns autores pensam que as pessoas viviam nestas áreas e se teriam envolvido no comércio.

Colocar as pessoas numa linha temporal

Combinando os dados LIDAR que mostram a localização dos montes e os dados sobre a paisagem, os autores foram capazes de estimar o crescimento da população ao longo do tempo nessas áreas. Mas foi complicado e exigirá algum trabalho adicional para confirmar este modelo.

Os autores sugerem que as casas no centro cívico-cerimonial de Angkor e nas margens tinham aproximadamente 600 metros quadrados. Os dados etnográficos sugerem que pode ter havido cinco pessoas a morar numa casa deste tamanho.

Estimar a população nos campos de arroz ao redor do centro cívico-cerimonial foi mais difícil. No entanto, dispersos entre os campos de arroz estavam os templos, que provavelmente eram a base social para estas comunidades.

Estas áreas são semelhantes às comunidades agrícolas dos EUA, onde as pessoas se envolvem principalmente na agricultura, mas se reúnem nos seus locais de culto. Os dados etnográficos sugerem que cada um destes pequenos templos pode ter servido a cerca de 100 famílias ou 500 pessoas.

Nos estágios iniciais do crescimento de Angkor, os arqueólogos encontraram uma população razoavelmente igual no centro cívico-cerimonial e na área metropolitana de Angkor, mas depois a população no campo explodiu quando a cidade começou a crescer.

Em contraste, a população do centro cívico-cerimonial cresceu mais lentamente até ao final do século XII. As densidades também aumentaram tanto na área metropolitana de Angkor quanto no centro cívico-cerimonial, que fornece pistas sobre como os níveis populacionais e os padrões de uso da terra evoluíram ao longo da vida da cidade.

PARTILHAR

RESPONDER

O Hawaii quer remover a sua "escadaria para o paraíso" - e a culpa é dos turistas

Em causa estão preocupações com a segurança e vandalismo, que têm aumentado com a explosão de popularidade da escadaria Ha‘ikū nas redes sociais. É caso para dizer que a Stairway to Heaven vai para o inferno …

Inventou o ZX Spectrum e mudou o mundo. Morreu Clive Sinclair

O empresário britânico e inventor do computador doméstico ZX Spectrum, Clive Sinclair, morreu hoje aos 81 anos na sua casa, em Londres (Reino Unido), devido a doença prolongada, informou a filha ao jornal “The Guardian”. Morreu …

Esta torre construída na Suécia não é gigante em altura, mas em sustentabilidade

Para além de ser feito de um material sustentável — fornecido por florestas locais com gestão consciente e transformado por uma serração nas proximidades, o Centro Cultural dispõe de múltiplas tecnologias que fazem dele mais …

Empresa canadiana debaixo de fogo por publicar anúncios de emprego destinados a não vacinados

Uma empresa de canoagem, sediada no Canadá, está debaixo de fogo depois de ter colocado anúncios de emprego destinados, exclusivamente, a pessoas não vacinadas contra a covid-19. "Por favor, NÃO se candidate se tiver tomado quaisquer …

Disparam ataques a jornalistas. Bruxelas insta países da UE a aumentar proteção

Os países da União Europeia (UE) foram instados por Bruxelas a tomar medidas para proteger os jornalistas, após um aumento no número de ataques a membros da imprensa. A Comissão Europeia exortou os governos a criarem …

Facebook e Google criticados por anúncios de "reversão do aborto"

O Facebook já veiculou anúncios de "reversão do aborto" 18,4 milhões de vezes desde janeiro de 2020, de acordo com um relatório do Center for Countering Digital Hate (CCDH), promovendo um procedimento "não comprovado, antiético" …

Líder militar dos EUA temeu que Trump iniciasse guerra nuclear com a China - e chegou a ligar aos chineses

As revelações aparecem em Peril, o novo livro de Bob Woodward e Robert Costa sobre os bastidores da Casa Branca. Trump já respondeu. O General Mark Milley, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, …

França suspende 3.000 profissionais de saúde que recusaram vacina contra covid-19

A França suspendeu 3.000 profissionais de saúde sem remuneração por se recusarem a tomar a vacina contra a covid-19, revelou o ministro responsável pela pasta, Olivier Véran. Segundo Véran, citado esta quinta-feira pelo Guardian, "várias dezenas" …

Austrália, Reino Unido e EUA assinam pacto de defesa para conter China

A Austrália, os Estados Unidos (EUA) e o Reino Unido anunciaram o "Pacto de Aukus", que visa frente às pretensões territoriais da China no Indo-Pacífico e envolverá a construção de uma frota de submarinos com …

Governo tem margem de 1600 milhões de euros nas negociações do Orçamento

Os dados são de um relatório do Conselho das Finanças Públicas, que deixa alertas para que o executivo não se estique muito no aumento da despesa e no corte à receita. Segundo escreve o Público, o …