Cientistas criam método inovador para tratamento de lesões agudas da pele

Investigadores do Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) de Coimbra desenvolveram um método “inovador e sensível à luz”, que poderá ser útil no tratamento de lesões agudas da pele.

Um grupo de investigadores do CNC da Universidade de Coimbra (UC) “elaborou uma formulação inovadora para a entrega de moléculas que poderá ser bastante útil para o tratamento de lesões agudas da pele”, afirma a UC, numa nota enviada à agência Lusa.

“Nos últimos anos, têm surgido diversas estratégias de entrega de fármacos utilizando sequências de ARN não-codificantes” para o tratamento de várias doenças da pele, mas, sublinha a UC, estas “estratégias têm tido grandes dificuldades, atendendo ao caráter sensível destas moléculas e à dificuldade de entrada nas células da nossa pele”.

As sequências de ARN [ácido ribonucleico] não-codificantes são “pequenas sequências do código genético humano com papel regulador no organismo”.

Pretendia-se “desenvolver uma formulação que conseguisse entregar os ARN não-codificantes de maneira mais eficiente”, pois há “uma vasta classe de novas terapias que não têm resultado”, refere Josephine Blersch, investigadora do CNC e primeira autora do estudo.

As novas terapias não têm resultado porque, de acordo com a investigadora, há “enzimas na pele que degradam material genético externo”, pois “moléculas tão grandes como esta têm dificuldade em entrar nas células da pele e, para atuarem, têm de ser integradas nas células”, explica, citada pela UC, Josephine Blersch, destacando que é preciso “uma ferramenta para tornar esta entrega possível”.

Outras formulações já aprovadas “apresentam grande toxicidade e uma resposta imunológica forte”, refere a investigadora, considerando que, portanto, é necessário que “a ferramenta seja de rápida absorção e eficácia, sem provocar respostas indesejadas”.

A equipa de investigadores decidiu, assim, “desenvolver uma formulação cuja ação fosse sensível à luz, que permite controlo sobre localidade e tempo da entrega do seu princípio ativo”, acrescenta.

O estudo, publicado na revista científica alemã Angewandte Chemie International, demonstrou o desenvolvimento de uma plataforma inovadora (para a entrega destas sequências) melhor do que as existentes no mercado, para aplicação em doenças da pele.

Para isso, os investigadores procuraram “formulações baseadas em nanopartículas que fossem biodegradáveis, orgânicas, que causassem nenhuma ou pouca toxicidade” e que fossem ativáveis pela luz (isto é, que “libertassem o material que transportavam dentro das células, antes de serem expulsas pelas mesmas”), refere a UC.

“Identificámos cerca de 160 formulações, cuja ação fosse controlável pela luz. Observámos que seis destas formulações eram bastante mais rápidas e eficientes que grande parte das formulações comercialmente disponíveis”, relata Vítor Francisco, também investigador do CNC e autor do estudo.

Inicialmente, os cientistas testaram as diferentes formulações em células da pele e observaram uma rápida entrada e entrega da molécula de ARN que transportavam nas mesmas após estimulação com luz.

De seguida, com um ARN de princípio ativo inovador, observaram que, em modelos animais com lesões agudas na pele, promoviam uma aceleração da cicatrização, comparando com os animais controlo.

Futuramente, o grupo de investigadores quer testar as mesmas formulações noutros contextos de lesões de pele mais graves.

Este material “apresentou-se bastante promissor na aplicação local na pele, ou noutros tecidos que seja possível estimular com luz azul. Este tipo de formulações poderá ser bastante útil para o tratamento de lesões graves da pele, associadas a outro tipo de doenças com grande prevalência a nível mundial, como a diabetes do tipo II, psoríase, ou outras doenças do foro inflamatório”, afirma Blersch.

“Com este estudo, pretendíamos desenvolver formulações que consigamos controlar de modo a diminuir possíveis efeitos colaterais e que simultaneamente aumentem a eficácia intracelular do ARN libertado. É a grande vantagem deste sistema, não só libertamos o seu conteúdo, mas também controlamos esta libertação. Poderá ter um grande impacto no futuro”, conclui Vítor Francisco.

Além destes investigadores, participaram no estudo, coordenado por Lino Ferreira, líder de grupo no CNC da UC, Catarina Rebelo, Adrian Jiménez-Balsa, Helena Antunes, Sandra Pinto e Susana Simões, também investigadores daquele Centro.

O trabalho foi financiado pela Marie Curie Actions, através da rede internacional de treino (ITN) NanoDrug, projeto ERA Chair, pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pelo Fundo para o Desenvolvimento Regional (FEDER) através do projeto LIghtBRARY.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nicotina contribui para cancro do pulmão formar metástases no cérebro

A nicotina, uma substância não carcinogénica presente no tabaco, contribui para que o cancro no pulmão se dissemine no cérebro, formando metástases, concluiu um estudo publicado na revista Journal of Experimental Medicine. Uma equipa de investigadores …

Nas montanhas suíças, há quartos de hotel sem paredes nem teto

Dois artistas concetuais suíços criaram sete "quartos de hotel" ao ar livre, sem paredes nem teto, mas com vistas para as montanhas da Suíça e de Liechtenstein. A dupla suíça, os irmãos gémeos Frank e Patrik …

Risco de segunda vaga de covid-19 é alto em França

Um estudo publicado esta sexta-feira revela que a chamada "imunidade de grupo" está longe de ser alcançada em França. O risco de uma segunda vaga de covid-19 em França é "extremamente elevado", de acordo com um …

Desvendado mistério das cartas censuradas entre a rainha Maria Antonieta e o seu suposto amante

A natureza da relação entre a rainha Maria Antonieta e o conde sueco Axel de Fersen continua a intrigar os historiadores há mais de um século. Eram realmente amantes? Agora, graças a uma nova análise …

Ministra do Madagáscar afastada por querer gastar 1,8 milhões em rebuçados para disfarçar sabor de "Covid-Organics"

A ministra da Educação do Madagáscar foi destituída esta quinta-feira, depois de ter proposto gastar 1,8 milhões de euros em rebuçados, para distribuir em escolas e atenuar o sabor de uma infusão para a covid-19. A …

Santa Clara 3-2 SC Braga | Açorianos estreiam-se na nova casa com vitória sobre os minhotos

O Santa Clara venceu hoje o Sporting de Braga por 3-2, em jogo da 25.ª jornada da I Liga de futebol em que se assinalou também a estreia da Cidade do Futebol como palco de …

O maior e mais antigo monumento Maia já conhecido foi descoberto no México

O maior e mais antigo monumento já conhecido construído pela civilização Maia, batizado como Aguada Fénix, foi encontrado no sudeste do México. De acordo com o site New Scientist, o Aguada Fénix é uma enorme …

Twitter bloqueia vídeo de campanha de Donald Trump com tributo a George Floyd

O Twitter bloqueou um vídeo de tributo a George Floyd feito pela campanha de reeleição do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A rede social colocou um rótulo no vídeo da página da conta @TeamTrump, dizendo …

Depois da covid-19, poder haver uma outra doença respiratória à nossa espera

Com o desconfinamento, vamos gradualmente regressando ao normal, mas agora possivelmente com um novo inimigo. A doença dos legionários pode estar escondida nos edifícios que deixamos para trás. Surtos globais de coronavírus forçaram o encerramento de …

Apple está a seguir iPhones roubados das lojas durante os protestos nos EUA

Os iPhones que têm sido roubados das lojas da Apple durante os protestos contra a violência policial, nos Estados Unidos, foram desativados e estão a ser seguidos pela empresa. De acordo com a revista Newsweek, as …