Medicamentos são mais baratos nos supermercados

Os medicamentos não sujeitos a receita médica continuam a ser mais baratos nos hipermercados do que nas farmácias, com preços 13% mais reduzidos num conjunto de 24 fármacos analisados pela associação de defesa do consumidor DECO.

A DECO/Proteste analisou o preço de 24 medicamentos não sujeitos a receita médica em farmácias e nos espaços saúde dos hipermercados, comparando preços de analgésicos, xaropes para a tosse ou antigripais e anti-histamínicos.

Conclui que o conjunto desses 24 medicamentos é 13% mais barato nos hipermercados do que nas farmácias, segundo o estudo que vai ser publicado na próxima edição da revista Teste Saúde e a que a agência Lusa teve acesso.

Apesar de serem mais baratos nos hipermercados, as farmácias continuam a ser as preferidas dos consumidores e detêm uma fatia de quase 80% das vendas dos remédios não sujeitos a receita.

“Desde que a venda de medicamentos não sujeitos a receita foi permitida fora das farmácias, em 2005, e o seu preço deixou de ser fixado pelo Estado, os nossos estudos têm demonstrado, de forma consistente, que as farmácias têm o preço médio mais elevado”, refere a DECO.

Do grupo dos medicamentos mais vendidos desde 2005, só 11 se mantiveram mas o preço aumentou quase 40%, ao contrário dos fármacos sujeitos a receita, cujos preços têm vindo a diminuir.

O conjunto dos 24 medicamentos analisado custa, em média, 118,50 euros nos hipermercados, 134,17 euros nas parafarmácias e 134,37 nas farmácias.

As farmácias são os espaços que apresentam, segundo a DECO, maior variação de preços para o mesmo medicamento: em muitos casos foram encontrados nas farmácias os preços mais baixos e os preços mais altos.

A DECO analisou também preços de 10 produtos para cuidados pessoais ou de dermocosmética, como creme após muda de fraldas ou produtos contra os piolhos. Também aqui os hipermercados surgem como os que praticam o preço médio mais baixo, mas a diferença percentual em relação às farmácias é de apenas 4%.

Em termos regionais, Viseu apresentou o valor médio mais baixo quer nos medicamentos analisados quer nos produtos de higiene pessoal.

Lisboa exibiu o valor mais elevado no caso dos medicamentos e Coimbra o mais alto no conjunto dos 10 produtos de higiene ou dermocosmética.

Os preços foram recolhidos pela DECO entre junho e julho deste ano num total de 206 farmácias, 92 parafarmácias e 69 lojas de hipermercados que responderam. No total foram recolhidos 8.935 preços em 308 estabelecimentos.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais 3.960 casos e 24 mortes. É o pior dia desde o início da pandemia

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 3.960 casos positivos e 24 mortes por covid-19. Os dados foram divulgados no mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este foi o pior dia desde o …

Reconhecimento para cuidadores informais vai ser mais fácil e rápido

O pedido de estatuto de cuidador informal fica, a partir de hoje, mais fácil, deixando de ser necessário apresentar atestado médico e permitindo que documentos que impliquem atos médicos possam ser apresentados posteriormente. De acordo com …

OE2021 ainda não foi votado, mas já se espera um aumento da despesa em mais de 300 milhões

Entre a entrega da proposta e a votação, o Governo voltou a negociar com os partidos, mostrando abertura para medidas na especialidade que deverão custar pelo menos mais 300 milhões de euros. O Orçamento do Estado …

Portugal é dos 10 países com melhores políticas de integração de migrantes

Portugal está no grupo dos dez países com melhores políticas de integração de migrantes, segundo uma avaliação de 52 estados que destaca o combate à discriminação ou a reunificação familiar como pontos fortes. Segundo o Índice …

Lukashenko classifica grevistas e manifestantes como terroristas. Mais de 600 pessoas foram detidas

O Presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, comparou com terrorismo a atitude de manifestantes e grevistas que participaram na greve nacional convocada pela oposição e nos protestos de cidadãos para exigir a sua renúncia. "Estamos a começar …

"Não acredito que cumpra as nossas leis". Trump diz que voto por correspondência é "inapropriado"

O Presidente dos Estados Unidos (EUA) disse que é "inapropriado" os estados levarem vários dias a contar os votos por correspondência, defendendo que o vencedor deve ser declarado na noite das eleições. "Seria muito, muito apropriado …

Reservas de sangue O+ e A+ com níveis críticos. Federação apela à dádiva

A Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue (FEPODABES) alertou, esta terça-feira, que as reservas nacionais estão com níveis críticos dos tipos O+ e A+, apelando aos portugueses para darem sangue. Em comunicado, a FEPODABES refere …

Madeira quer visitantes infetados a ajudar nas despesas da estadia. "É aquilo que é justo"

O presidente do Governo madeirense anunciou esta terça-feira que decorrem diligências para encontrar mais uma unidade hoteleira para acolher doentes com covid-19, defendendo que os visitantes infetados devem ajudar a custear as despesas da sua …

Filhos de pais separados não podem circular entre concelhos no fim-de-semana

Os filhos de pais separados não poderão deslocar-se entre concelhos para efetuar trocas de residência entre os progenitores entre 30 de outubro a 3 de novembro, o próximo fim-de-semana que abrange o Dia de Todos …

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões arrastada pela quebra do IVA e IRC

A receita fiscal do subsetor Estado registou uma redução de 2.822,7 milhões de euros até setembro, recuando 8,3% face ao mesmo período de 2019, refletindo os efeitos da pandemia, segundo a Síntese de Execução Orçamental. “No …