Matemáticos querem provar a teoria dos universos paralelos

A existência de universos paralelos pode parecer algo inventado por escritores de ficção científica, com pouca relevância para a física teórica moderna. Mas matemáticos e físicos estão agora na corrida para provar a sua existência.

A ideia de que vivemos num multiverso, composto por um número infinito de universos paralelos, tem sido considerada uma possibilidade científica – embora seja uma questão de debate vigoroso entre os físicos e matemáticos.

Mas os cientistas de ambas as áreas estão na corrida para encontrar uma forma de testar essa hipótese – incluindo procurar nos céus sinais de colisões com outros universos.

A visão de um multiverso não é exactamente uma teoria – é na realidade uma consequência da nossa compreensão actual da física teórica.

E essa distinção é crucial.

Os cientistas não acordaram simplesmente numa manhã mais criativa e resolveram gritar “Que se faça um multiverso”.

Pelo contrário, a ideia de que o universo em que vivemos talvez seja apenas um dos infinitos outros existentes é derivada de outras teorias actuais – como a mecânica quântica e a teoria das cordas.

O ponto de vista da Teoria das Cordas

A Teoria das Cordas é um dos mais promissores caminhos para unificar a mecânica quântica e a gravidade – razão pela qual há tantos físicos teóricos entusiasmados com ela.

Esta unificação, contudo, é notoriamente difícil, porque a força gravitacional é complicada de ser descrita nas escalas pequenas (átomos e partículas subatómicas) – justamente a área da mecânica quântica.

Mas a Teoria das Cordas, que afirma que todas as partículas fundamentais são feitas de cordas unidimensionais, pretende descrever todas as forças conhecidas da natureza de uma só vez: gravidade, eletro-magnetismo e forças nucleares.

Mas para a teoria funcionar matematicamente, são necessárias pelo menos dez dimensões físicas.

Esse é definitivamente um problema, uma vez que só podemos observar quatro dimensões: três espaciais – altura, largura, profundidade – e uma temporal, o tempo.

As dimensões adicionais da Teoria das Cordas, se a teoria estiver correcta, devem portanto estar de alguma forma ocultas.

Para ser capaz de usar a teoria para explicar os fenómenos físicos que vemos com nossos próprios olhos, estas dimensões adicionais teriam que ser “compactadas” de tal forma que seriam absurdamente pequenas para serem vistas.

Segundo a Teoria das Cordas, há muitas formas de fazer essa compactação de dimensões –  mais precisamente 10.500 formas.

Cada uma destas compactações resultaria num universo com leis físicas diferentes – como diferentes massas dos átomos, e diferentes constantes de gravidade.

No entanto, alguns cientistas levantaram objecções fortes à metodologia proposta para estas compactações, pelo que o problema não foi dado como resolvido.

Testando a teoria do multiverso

Antes do Big Bang, o universo passou por um período de “expansão acelerada”.

Esta expansão foi invocada originalmente para explicar por que o universo que observamos actualmente é quase uniforme em termos de temperatura.

No entanto, a teoria também previu um espectro de variações de temperatura próximo desse equilíbrio, que foi posteriormente confirmado por sondas espaciais.

Embora os detalhes exactos da teoria ainda estejam a ser debatidos, a ideia de expansão acelerada é amplamente aceite pelos físicos.

No entanto, uma consequência dessa teoria é que deve haver outras partes do universo que ainda estão a crescer aceleradamente.

Só que devido às flutuações quânticas do espaço-tempo, algumas partes do universo nunca realmente atingiram o fim da inflação.

Isto significa que o universo é, de acordo com a nossa compreensão actual, eternamente expansível.

Algumas partes podem, portanto, acabar por se tornar outros universos, que poderiam tornar-se outros universos, e outros, e outros e assim por diante.

Este mecanismo gera um número infinito de universos.

Se combinarmos este cenário com a teoria das cordas, há a possibilidade de que cada um desses universos possua uma compactação diferente das outras seis dimensões e, consequentemente, leis físicas diferentes.

Os universos previstos pela teoria das cordas e a expansão no mesmo espaço físico, ao contrário dos muitos universos da mecânica quântica que vivem num espaço matemático, poderiam sobrepor-se ou colidirem.

Na verdade, eles vão inevitavelmente colidir, e deixar possíveis pistas dessas colisões no céu cósmico, que podemos tentar procurar.

Estas pistas vão desde a procura de pontos quentes ou frios na radiação cósmica de fundo, ou anomalias na distribuição de galáxias, até pistas indirectas, como a existência de ondas gravitacionais – oscilações no espaço-tempo provocadas pela passagem de objectos maciços.

Identificar a ocorrência destas ondas, por exemplo, permitiria provar directamente a existência da expansão acelerada, e seria indirectamente um apoio à teoria do multiverso.

E são essas inúmeras pistas que estão agora a ser vorazmente perseguidas pelos cientistas.

Se algum dia vamos conseguir provar a existência de um multiverso, é difícil de prever.

Mas talvez, num outro universo, a teoria até já tenha sido provada.

ZAP / HypeScience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Um texto muito bonito traduzido sem qualquer sentido crítico.

    A teoria das cordas não prevê 10.500 universos mas sim 10^500 universos. Um 1 seguido de 500 zeros. Got the picture?

RESPONDER

Selfies estão a destruir muralha romana considerada Património Mundial da UNESCO

Uma parte da antiga Muralha de Adriano, no Reino Unido, está a colapsar por causa dos turistas que procuram o local para tirar selfies. O monumento, que em 1987 foi considerado Património Mundial da UNESCO, inspirou …

Carros vão mudar mais numa década do que aquilo que mudaram num século

Embora a aparência dos carros tenha mudado nos últimos cem anos, a maneira como os conduzimos pouco ou nada mudou. Contudo, acredita-se que na próxima década, além da forma como se movimentam ser diferente, também …

São Francisco lidera ranking das cidades onde se recebe melhor

O American Dream está claramente destacado no ranking das cidades onde se recebe melhor, mas há alguns "intrusos" no meio desta lista. Das dez cidades eleitas, há apenas quatro europeias. Apenas três continentes estão representados no …

Em 30 anos, Amazónia perdeu 953 mil hectares de áreas protegidas

Nos últimos 30 anos, a Amazónia perdeu 953 mil hectares em áreas pertencentes a unidades de conservação e terras indígenas que deveriam estar preservadas. A Amazónia brasileira perdeu 953 mil quilómetros em áreas que foram desflorestadas …

Mulheres e meninas norte-coreanas forçadas a prostituir-se e a casar-se na China

Mulheres e meninas norte-coreanas são coagidas, vendidas ou raptadas na China ou traficadas diretamente da Coreia do Norte, denuncia a Korea Future Initiative. As mulheres são forçadas a casar-se, violadas e sujeitas a outros tipos …

Trump corta financiamento para centros de investigação de saúde infantil

A administração de Trump está a terminar o financiamento para uma rede de centro de investigação focados em ameaças ambientais para crianças, colocando em risco vários estudos de longa data sobre os efeitos dos poluentes …

PJ detém ex-diretor da Santa Casa de Ponte de Sor

Um antigo diretor e contabilista de uma Santa Casa da Misericórdia do distrito de Portalegre foi esta quarta-feira detido pela Polícia Judiciária (PJ) por suspeitas dos crimes de peculato e participação económica em negócio, foi …

Costa diz que só soube do memorando de Tancos no dia da demissão de Azeredo

O primeiro-ministro, António Costa, diz que só soube do memorando da Polícia Judiciária Militar (PJM) sobre o assalto a Tancos no dia em que o então ministro da Defesa, Azeredo Lopes, apresentou a sua demissão. A …

Jasper Cillessen muito perto da baliza do Benfica

O guarda-redes do Barcelona Jasper Cillessen está muito perto de reforçar a baliza do Benfica, escreve o jornal Record esta quarta-feira. De acordo com o desportivo, o negócio ronda os 20 milhões de euros. O Benfica …

Brexit. Demissão no Governo deixa Theresa May por um fio

A ministra dos Assuntos Parlamentares britânica, Andrea Leadsom, anunciou esta quarta-feira a demissão do Governo em desacordo com o plano da primeira-ministra, Theresa May, para tentar aplicar o ‘Brexit'. "Não acreditamos que sejamos um Reino Unido …