/

Em 15 anos, Marte nunca esteve tão brilhante e tão perto da Terra

Marte vai brilhar mais intensamente no céu noturno nas próximas seis semanas do que brilhou nos últimos 15 anos. O planeta vermelho estará assim no ponto mais próximo da Terra desde 2003, durante de junho e julho, quando o nosso planeta passar entre Marte e o Sol.

No dia 31 de julho, quando Marte estiver no auge do seu brilho, encontrar-se-á a 35,8 milhões de quilómetros da Terra, de acordo com o The Weather Channel.

Assim, o planeta ficará facilmente visível a olho nu ao longo do mês de julho, superando todas as estrelas mais brilhantes à medida que se aproxima do ponto mais próximo da Terra.

Este fenómeno – chamado de oposição periélica – ocorre quando a Terra passa diretamente entre Marte e o Sol. No mês passado, Júpiter estava em oposição ao nosso planeta, balançando cerca de 409 milhões de quilómetros da Terra.

A oposição de Marte acontece a cada dois anos, tendo o último sido registado em maio de 2016. No entanto, o fenómeno deste ano é especial pois, a algumas semanas da oposição, o planeta vermelho também atingirá o ponto mais próximo do Sol na sua órbita – periélio é o nome atribuído a este ponto.

De acordo com a NASA, a oposição periquélica ocorre apenas uma vez a cada 15 ou 17 anos, quando as órbitas da Terra e de Marte se alinham, tornando-os mais próximos.

No entanto, e apesar de Marte parecer muito brilhante e bonito a partir dos nossos quintais, a realidade do planeta é muito menos amigável. Atualmente, uma tempestade de areia está a assolar o planeta, cobrindo cerca de 10 mil milhões de acres da superfície do planeta vermelho.

“É uma das mais intensas tempesteadas já observadas no planeta vermelho”, disse a NASA num comunicado de imprensa.

A NASA colocou o rover Opportunity – que é movido a luz solar – em modo de suspensão para enfrentar a tempestade mas, ainda não é certo que o dispositivo sobreviva após a tempestade. A imagem abaixo apresentada mostra uma série de imagens que a agência espacial simulou a partir do posicionamento do robô.

JPL Caltech/TAMUNASA

Prespetiva do robô Opportunity sobre a tempestade de areia que “apagou o sol”

Nestas imagens, são mostradas simulações de como parceria o sol e o céu a partir da superfície de Marte, na sua hora mais brilhante do dia, e à medida que a tempestade de areia piorava. Na simulação do extremo direito da imagem, o sol é totalmente apagado para o rover Opportunity.

O mais recente sonda da NASA, a Curiosity, funciona através de energia nuclear e está localizado numa área menos afetada pela tempestade de areia e, por isso, não parece ter sido tão afetado. Esta animação, também disponibilizada pela NASA, mostra a propagação da tempestade a partir do posicionamento de ambos os robôs.

Animation of a fierce dust storm is kicking up on Mars

O robô Opportunity encontra-se em Marte desde 2004. Inicialmente, foi concebido para durar apenas 3 meses, mas continuou a operar durante quase 15 anos.

  ZAP // Science Alert

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE