A violência na “Grande Marcha do Retorno” já matou 17 palestinianos

Abed Al Hashlamoun / EPA

Um palestiniano morreu após ter sido ferido na sexta-feira por tiros de soldados israelitas junto à fronteira, fazendo subir para 17 o número de palestinianos mortos naquelas manifestações fronteiriças.

Faris al-Raqib, de 29 anos, foi atingido no estômago quando participava no sul da faixa de Gaza numa marcha que reuniu dezenas de milhares de manifestantes palestinianos.

A passada sexta-feira foi o dia mais mortífero no enclave palestiniano desde a guerra de 2014 com Israel. Além dos 17 mortos, mais de 1.400 palestinianos ficaram feridos, 757 com tiros de balas reais, segundo o Ministério da Saúde.

Faris al-Raqib era membro da Jihad Islâmica mas, segundo este movimento radical, não estava armado quando foi ferido.

Cinco dos 17 manifestantes mortos eram membros do movimento radical Hamas, que participavam nas “manifestações populares ao lado do seu povo”, anunciou o braço armado desta organização islâmica que dirige a faixa de Gaza.

O exército israelita afirmou, por seu turno, que dez dos palestinianos mortos tinham “passados terroristas” no seio do Hamas e de outros grupos como a Jihad Islâmica.

O organismo militar israelita que gere os territórios palestinianos ocupados (COGAT) informou que decidiu reter os corpos de dois palestinianos que morreram porque “estavam armados com armas de fogo e a sua intenção era cometer um ataque terrorista em Israel”.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, e a alta-representante da diplomacia europeia, Federica Mogherini, exigiram um “inquérito independente” à utilização por Israel de balas reais, um pedido rapidamente rejeitado pelo Estado hebreu.

O ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman, qualificou como “hipócritas” os apelos para abrir uma investigação. “Não haverá comissão de inquérito. Não haverá tal coisa aqui, nem vamos cooperar com nenhuma comissão de inquérito”, disse o governante, em declarações à rádio pública israelita.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, também rejeitou todas as críticas e manifestou o seu apoio ao exército. “Bravo aos nossos soldados”, afirmou. “O exército mais ético do mundo não recebe lições de moral por parte daquele que bombardeia civis de forma indiscriminada há vários anos”, escreveu no Twitter, numa alusão ao Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que acusou, no sábado, as autoridades israelitas de terem cometido um “ataque desumano”.

Os EUA bloquearam no sábado um projeto de declaração do Conselho de Segurança da ONU apelando a “todas as partes à contenção e a evitarem qualquer nova escalada”, bem como a um inquérito sobre os confrontos.

Na última sexta-feira, dezenas de milhares de palestinianos concentraram-se junto da barreira de segurança que separa Israel da faixa de Gaza no primeiro dia da chamada “Grande Marcha do Retorno”.

O protesto, que deverá durar mais de seis semanas, visa exigir o “direito ao retorno” dos palestinianos, dos quais centenas de milhares foram expulsos das suas terras durante a guerra que se seguiu à criação de Israel, em 1948.

O fim do protesto está marcado para 15 de maio, o aniversário da criação de Israel, designado pelos palestinianos como ‘Nakba’ (catástrofe).

Um dia antes deverá ser inaugurada a embaixada dos EUA em Jerusalém, um sinal do reconhecimento norte-americano desta cidade como a capital de Israel, visto pelos palestinianos como a negação da sua reivindicação à parte oriental de Jerusalém, ocupada e anexada pelos israelitas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …