Astrónomos criam o mais preciso mapa do passado do Universo

Pablo Carlos Budassi / Wikimedia

Conceito artístico do aspecto de todo o Universo conhecido / observável numa única imagem radial logarítmica, por Pablo Carlos Budassi

Este mês, uma equipa de astrónomos apresentou aquele que é considerado o maior mapa 3D da evolução do universo.

A imagem foi divulgada no European Week of Astronomy and Space Science, em Liverpool, na Inglaterra, e foi criada por um trabalho colaborativo entre várias instituições do mundo.

Uma equipa liderada pelo Dr. David Sobral, da Lancaster University, fez o gráfico usando o telescópio Subaru, no Havai, e o telescópio Isaac Newton, nas Ilhas Canárias.

“Olhando para trás no tempo para 16 diferentes épocas entre 11 e 13 mil milhões de anos atrás, os investigadores descobriram quase 4.000 galáxias antigas, muitas das quais evoluíram para galáxias como a nossa própria Via Láctea”, explica o anúncio oficial.

O mapa é representado por um cubo que mostra a distância das galáxias em anos-luz em relação à Terra. A posição de todas as galáxias vistas aparecem na imagem pelos círculos. Quanto mais voltado ao vermelho, mais perto da Terra as galáxias estão, enquanto, quanto mais para o azul, mais longe se posicionam em relação ao nosso planeta.

“A luz das galáxias mais distantes leva milhares de milhões de anos para chegar até nós. Isso significa que os telescópios funcionam como máquinas do tempo, permitindo que os astrónomos vejam galáxias no passado distante”, explica o documento.

Cientistas conseguem ter uma noção de posicionameneto das galáxias pela cor emitida

Segundo os cientistas, a luz dessas galáxias também é esticada pela expansão do Universo, aumentando o seu comprimento de onda para torná-lo mais vermelho. Este chamado efeito redshift está relacionado com a distância da galáxia.

Ao medir o desvio para o vermelho de uma galáxia, os astrónomos conseguem deduzir a sua distância e quanto tempo a sua luz levou para chegar até nós.

Segundo um dos membros do projeto, Sergio Santos, da Universidade de Lancaster, foram usadas imagens de 16 câmaras com filtros especiais para dividir o universo nestes pontos. Já Sobral explica que apenas entre 20% a 27% das galáxias encontradas podem ser caracterizadas como atuais. “O resto é proveniente de luz vinda do passado e que chegou somente agora até nós”, diz o cientista.

“A maior parte das galáxias distantes que encontramos tem apenas cerca de 3 mil anos-luz de diâmetro, enquanto a Via Láctea é cerca de 30 vezes maior. A sua compactação provavelmente explica muitas das suas excitantes propriedades físicas que eram comuns no início do Universo ”, comenta outra pesquisadora Ana Paulino-Afonso, aluna de doutorado em Lancaster e Lisboa.

“Algumas dessas galáxias deveriam ter evoluído para se tornarem como as nossas e, portanto, podemos constatar que nossa galáxia pode ter parecido há 11 a 13 mil milhões de anos”, informa.

O trabalho foi feito com a colaboração de estudantes de Leida, na Holanda; Lisboa, em Portugal; e Califórnia, nos Estados Unidos.

ZAP // Ciberia / CanalTech / EWASS

 

PARTILHAR

RESPONDER

Raios cósmicos galácticos afetam a atmosfera de Titã

Raios cósmicos oriundos do exterior do Sistema Solar afetam as reações químicas que ocorrem na superfície de Titã, a maior lua de Saturno. Recorrendo a dados do telescópio ALMA (Atacama Large Millimeter Array), uma equipa de …

Impactos antigos revelam que Marte levou mais tempo a formar-se do que pensávamos

O Sistema Solar primitivo era um lugar caótico, com evidências indicando que Marte provavelmente foi atingido por planetesimais, pequenos protoplanetas com até 1900 km em diâmetro, no início da sua história. Cientistas do SwRI (Southwest Research …

Para ouvir a nova música dos Pearl Jam tem de apontar o telemóvel para a Lua

A banda de rock norte-americana Pearl Jam está empenhada em usar as tecnologias ao serviço da criatividade e da promoção do novo disco, que vai ser lançado no dia 27 de março. Uma semana antes do …

Roedor gigante pré-histórico tinha um cérebro de apenas 113 gramas

O crânio de um roedor que viveu há dez milhões de anos, na América do Sul, indica que, apesar de este animal ter sido grande e pesado, o seu cérebro era totalmente o oposto. De acordo …

"Estrela da Morte". Trump tem máquina de desinformação de mil milhões de dólares para ser reeleito

Face às eleições presidenciais dos EUA que se realizem este ano, Donald Trump montou uma máquina de desinformação, conhecida por "Estrela da Morte", avaliada em 1 mil milhão de dólares. Enquanto se desenrolam as primárias democratas …

Procura mundial de petróleo pode alcançar o seu nível mais baixo numa década por causa do coronavírus

O surto de coronavírus afetará de forma "significativa" a procura global por petróleo, podendo esta atingir o seu nível de procura mais baixo numa década, alerta a Agência Internacional de Energia (IEA). Com a desaceleração da …

Vitória SC 1-2 Porto | “Dragão” cola-se à liderança

A Liga NOS está ao rubro. O FC Porto foi a Guimarães vencer o Vitória SC por 2-1 e está a apenas um ponto da liderança do campeonato, na sequência da derrota do Benfica no …

Ventura não faz "fretes". Chega não viabilizará Governo do PSD se não houver cedências

Para governar com a direita, o PSD precisa do recém-eleito Chega. No entanto, há características que separam os partidos: enquanto que os sociais-democratas se querem estabelecer ao centro, André Ventura estabelece linhas vermelhas e não …

Egito atinge 100 milhões de habitantes (mas não há grandes motivos para celebrar)

A população do Egito atingiu os 100 milhões de habitantes, tornando-se no país árabe mais populoso e o terceiro em África atrás da Etiópia e da Nigéria, anunciaram ontem as autoridades. O calculador eletrónico instalado no …

Coronavírus: Há mais dois casos suspeitos em Portugal

Há mais dois casos suspeitos de infeção por coronavírus em Portugal. Os doentes, que vieram da China, já foram encaminhados para o Hospital Curry Cabral, em Lisboa, e para o Hospital de São João, no …