Mais lâmpadas LED e menos tempo iluminados. Assim serão os mercados de Natal em contexto de crise energética

Homeaway

Mercado de Natal de Magdeburg, Alemanha

Os mercados europeus de Natal e as iluminações de rua viram as suas dimensões diminuírem devido à crise energética e climática, ditando o fim das pistas de gelo e as iluminações ligadas durante todo o período noturno. De facto, quando muitas das atrações forem inauguradas esta semana, em países como França e na Alemanha, é expectável que se apaguem mais cedo do que o habitual.

Ainda assim, os políticos locais fazem questão de realçar que ainda têm de oferecer algum tipo de espírito festivo para acabarem com o que chamam de clima mais sombrio no decorrer da guerra na Ucrânia e ao aumento do custo de vida.

Por exemplo, a cidade francesa de Tours vai substituir a sua popular pista de gelo de Natal ao por um espaço de patinagem. Manter o rinque a temperaturas adequadas teria custado 15.000 euros em 2020, e 7.500 euros no ano passado, depois de o seu tamanho ter sido reduzido.

“Parecia um pouco bizarro ter uma pista de patinagem ao ar livre quando a temperatura aqui no Natal é de 10-15C há vários anos”, disse Martin Cohen, o vice-presidente do município responsável pela energia e ambiente. “Não parece fazer sentido manter o gelo, custe o que custar, apenas para manter uma sensação de Natal”.

O responsável disse que com o aquecimento global, as cidades em França “têm de aceitar que o Natal já não corresponde a uma imagem de neve, de gelo e de grandes árvores de Natal“. Vamos manter o que pudermos porque precisamos do lado mágico e festivo do Natal, mas alguns elementos têm de evoluir“, disse, citado pelo The Guardian.

Mulhouse, no leste da França, citou a diretiva do governo francês para reduzir o consumo de energia, a fim de evitar interrupções no fornecimento da mesma este inverno. A sua árvore de Natal costumava ser acesa todos os dias a partir das 10 da manhã “para criar uma atmosfera natalícia”. Agora a árvore e as luzes de Natal da cidade serão ligadas às 17 horas como um “evento” diário. A redução do número e do horário das luzes irá resultar num consumo 35% menor de energia.

“É um dever cívico das autoridades locais garantir um momento especial no Natal, mas fizemos ajustamentos”, disse Philippe Trimaille, o número dois da autarquia e responsável pela pasta do comércio.

Estrasburgo, conhecida como a “capital de Natal” da França, tem o maior mercado de Natal do país. Apesar de todas as luzes serem LED de baixo consumo, o número foi reduzido este ano e as iluminações irão variar de modo que nem todas as luzes se acendam ao mesmo tempo. Simultaneamente, serão testados copos reutilizáveis sem plástico estão a ser testados. “As pessoas querem a magia do Natal, por isso estamos à procura de um equilíbrio responsável“, disse Guillaume Libsig, o vice-presidente responsável pelos eventos da cidade.

Cidades alemãs como Regensburg, Munique e Bamberg — onde os mercados de Natal funcionam como ímanes para os turistas — encurtaram os tempos diários em que serão iluminados. A época natalícia de Bremen, que normalmente decorre entre o final de outubro e o final de fevereiro, decorrerá este ano entre 20 de novembro e 31 de janeiro. Em Dusseldorf, as luzes também estarão acesas durante cinco horas por dia em vez de 15.

Os titulares do mercado de Natal foram encorajados a repensar a iluminação, com menos gelados iluminados ou correntes de luzes de fadas e mais lanternas LED.

Em linha com o decidido em Tours, muitas cidades alemãs estão a evitar completamente as pistas de gelo. Bad Neuenah, gravemente atingida pelas inundações no Verão de 2021, terá o seu primeiro mercado de Natal desde o desastre, introduzindo no lugar da pista de gelo uma pista de patinagem.

“Houve um longo debate na Alemanha sobre se os mercados de Natal deveriam ou não acontecer este ano”, disse Frank Hakelberg, da Associação Alemã de Trabalhadores de Feiras de Diversões. “No final, ganhámos o argumento porque conseguimos mostrar que a utilização per capita de eletricidade num mercado de Natal é menor do que se as pessoas ficassem em casa”. Pode ser uma tese um pouco atrevida, mas de certa forma os mercados natalícios são consumidores de energia”.

O mesmo representante explicou que a maioria dos mercados de Natal alemães tinham sido iluminados durante anos com luzes LED, que requerem cerca de 90% menos eletricidade do que as lâmpadas incandescentes convencionais. No entanto, Hakelberg acrescentou que muitos mercados este ano só acenderiam as suas luzes após o anoitecer, em vez de quando os mercados abrem à tarde. Alguns, tais como o mercado de Natal na cidade central de Fulda, permanecerão fechados todas as segundas-feiras e só abrirão ao meio-dia, mais tarde do que nos anos anteriores.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.