Líder da Birmânia, Suu Kyi, vai a Haia defender o país de acusação de genocídio

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi decidiu comparecer perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para defender o seu país da acusação de genocídio contra a minoria muçulmana rohingya, durante uma audiência de três dias que inicia esta terça-feira.

Segundo noticiou o Público, as alegações contra a Birmânia têm como base um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre uma campanha do exército do país que levou à fuga de mais de 750 mil rohingya, que incluiu violações em massa, assassínios e destruição de casas. A ONU diz que estas ações tiveram “intenção genocida”.

“É algo totalmente sem precedentes, um líder político de topo como Aung San Suu Kyi ter um papel de relevo num processo legal no TIJ”, comentou à estação de televisão Al-Jazira o comissário da Comissão Internacional de Juristas Reed Brody, que participou na acusação contra o antigo Presidente do Chade, Hissene Habre.

Esta decisão “pode ser contraproducente em termos legais, já que parece que [Suu Kyi] está a politizar o caso”, acrescentou.

No TJI são julgados Estados e não indivíduos. O caso contra a Birmânia foi apresentado pela Gâmbia, em nome da Organização para a Cooperação Islâmica. Entretanto, também o Tribunal Penal Internacional (TPI) avançou para um potencial processo.

Em novembro, a procuradora Fatou Bensouda aprovou uma investigação sobre “o que poderão ser crimes contra a humanidade de deportação ao longo da fronteira Birmânia-Bangladesh e perseguição por motivos de etnia e/ou religião contra a população rohingya”.

Um terceiro caso foi interposto há pouco menos de um mês contra Suu Kyi e outros responsáveis birmaneses, na Argentina, baseado no princípio de jurisdição universal, no qual os crimes considerados “contra todos” podem ser julgados por tribunais nacionais mesmo se forem cometidos noutros países, relatou o Público.

Ao comparecer no TIJ, a líder birmanesa dá apoio às ações do regime, continuou o jornal diário. Aung San Suu Kyi esteve em prisão domiciliária entre 1989 e 2010, tornando-se um ícone de resistência pacífica a um regime militar opressor, tendo recebido, em 1991, o Prémio Nobel da Paz.

Mas depois de se tornar líder, em 2016, e ter realizado ações semelhantes ao regime contra o qual lutou, os prémios foram sendo retirados. Em 2018, a Amnistia Internacional justificou a retirada do título que lhe dera pela “aparente indiferença” em relação às atrocidades contra os rohingya e intolerância em relação à liberdade de expressão.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Exército norte-americano quer ter acesso à rede de satélites da SpaceX

O exército dos Estados Unidos está de olho na Starlink, a constelação de satélites da SpaceX, cujo CEO é o multimilionário Elon Musk e que tem como objetivo levar Internet de banda larga a todos …

Portugal tem cada vez menos água disponível

Portugal tem cada vez menos água disponível e nos próximos cem anos a precipitação em certas regiões do país, como o Algarve, pode sofrer uma redução de até 30%, alertou esta terça-feira a Associação Natureza …

Tel Aviv vai ter estradas elétricas que recarregam autocarros em movimento

Tel Aviv, em Israel, está a trabalhar na criação de estradas elétricas sem fios para carregar e fornecer energia aos transportes públicos da cidade. As estradas elétricas são parte de um programa piloto liderado pelo município …

Suicídio entre militares norte-americanos aumenta 20% em época de covid-19

Os suicídios entre os militares subiram 20% este ano em comparação com o mesmo período de 2019, registando-se um aumento nos incidentes de comportamento violento à medida que as tropas lutam contra a covid-19 e …

Turista apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma. Arrisca ser condenado a prisão

Um turista foi apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma, em Itália, e arrisca ser punido com um até um ano de prisão. De acordo com o diário italiano La Repubblica, o turista, …

Função Pública. Fesap exige subida de remuneração mínima para 693 euros

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) exige que a primeira posição da Tabela Remuneratória Única avance para 693,13 euros em 2021 e uma atualização do subsídio de refeição para seis euros. Estas duas medidas …

Escolas encerradas empurram milhões de crianças para o trabalho infantil

Milhões de crianças correm o risco de serem forçadas a fazer trabalho infantil, como resultado da pandemia do novo coronavírus. Isto poderá levar ao primeiro aumento no trabalho infantil, depois de 20 anos de progresso. De …

Oito anos depois, um Schumacher volta à F1

Mick Schumacher vai conduzir um Alfa Romeo em Nürburgring, na 1.ª sessão de treinos livres. Jovem piloto deverá ser campeão da Fórmula 2, já neste ano. Michael Schumacher esteve na Fórmula 1 em 19 épocas, não …

Restauração, cinema e alojamento com condições especiais nas moratórias

Restauração, transportes aéreo, ferroviário e marítimo, educação, atividades de saúde e desportivas, alojamento e cinema são alguns dos setores com condições especiais de pagamento nas moratórias bancárias, segundo diploma publicado. O decreto-lei, esta terça-feira publicado em …

Ex-diretor da agência Elite Models europeia investigado por violação e abuso sexual

Gérald Marie, ex-diretor de uma das maiores agências de modelos do mundo, está a ser investigado pelas autoridades francesas, por suspeitas de agressão sexual e violação, inclusivamente a uma menor. Segundo a Procuradoria-Geral da República francesa, …