Líder da Birmânia, Suu Kyi, vai a Haia defender o país de acusação de genocídio

A líder birmanesa Aung San Suu Kyi decidiu comparecer perante o Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) para defender o seu país da acusação de genocídio contra a minoria muçulmana rohingya, durante uma audiência de três dias que inicia esta terça-feira.

Segundo noticiou o Público, as alegações contra a Birmânia têm como base um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre uma campanha do exército do país que levou à fuga de mais de 750 mil rohingya, que incluiu violações em massa, assassínios e destruição de casas. A ONU diz que estas ações tiveram “intenção genocida”.

“É algo totalmente sem precedentes, um líder político de topo como Aung San Suu Kyi ter um papel de relevo num processo legal no TIJ”, comentou à estação de televisão Al-Jazira o comissário da Comissão Internacional de Juristas Reed Brody, que participou na acusação contra o antigo Presidente do Chade, Hissene Habre.

Esta decisão “pode ser contraproducente em termos legais, já que parece que [Suu Kyi] está a politizar o caso”, acrescentou.

No TJI são julgados Estados e não indivíduos. O caso contra a Birmânia foi apresentado pela Gâmbia, em nome da Organização para a Cooperação Islâmica. Entretanto, também o Tribunal Penal Internacional (TPI) avançou para um potencial processo.

Em novembro, a procuradora Fatou Bensouda aprovou uma investigação sobre “o que poderão ser crimes contra a humanidade de deportação ao longo da fronteira Birmânia-Bangladesh e perseguição por motivos de etnia e/ou religião contra a população rohingya”.

Um terceiro caso foi interposto há pouco menos de um mês contra Suu Kyi e outros responsáveis birmaneses, na Argentina, baseado no princípio de jurisdição universal, no qual os crimes considerados “contra todos” podem ser julgados por tribunais nacionais mesmo se forem cometidos noutros países, relatou o Público.

Ao comparecer no TIJ, a líder birmanesa dá apoio às ações do regime, continuou o jornal diário. Aung San Suu Kyi esteve em prisão domiciliária entre 1989 e 2010, tornando-se um ícone de resistência pacífica a um regime militar opressor, tendo recebido, em 1991, o Prémio Nobel da Paz.

Mas depois de se tornar líder, em 2016, e ter realizado ações semelhantes ao regime contra o qual lutou, os prémios foram sendo retirados. Em 2018, a Amnistia Internacional justificou a retirada do título que lhe dera pela “aparente indiferença” em relação às atrocidades contra os rohingya e intolerância em relação à liberdade de expressão.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Entre Rui Rio e Luís Montenegro, há quem vote no regresso de Passos Coelho

O presidente do PSD, Rui Rio, e o antigo líder parlamentar Luís Montenegro voltam hoje a disputar eleições directas, numa inédita segunda volta em que podem votar 40.604 militantes com as quotas em dia. Nos …

Vírus detetado na China pode já ter infetado mais de mil pessoas

O número de pessoas infetadas com um vírus que matou duas pessoas na China ultrapassa provavelmente o milhar de casos e é muito superior àquele avançado pelas autoridades locais, segundo investigadores britânicos. Num artigo publicado, esta …

Joacine Katar Moreira não vai renunciar ao cargo de deputada

O IX Congresso para eleger os novos órgãos do Livre começa, este sábado, em Lisboa. A única deputada do partido na Assembleia da República já disse que não vai renunciar ao cargo. À chegada ao IX …

Cabeceamentos no futebol podem ser proibidos ou limitados. O problema é o risco de demência

A Federação escocesa de futebol prepara-se para proibir os cabeceamentos nos escalões com menores de 12 anos.  Em Inglaterra, fala-se em limitar este gesto futebolístico que foi associado a doenças neuro-degenerativas em vários estudos científicos. …

Fenómeno cerebral desvenda enigma sobre as casas do Neolítico

O comportamento humano está influenciado por aspetos inconscientes. Um deles é um fenómeno da perceção conhecido entre psicólogos como a negligência espacial cerebral. Este fenómeno refere-se à observação de que as pessoas saudáveis preferem o seu …

Justiça do Mónaco investiga José Eduardo dos Santos e Isabel dos Santos

As autoridades do Mónaco estarão a investigar a empresária angolana, assim como o seu pai e o seu marido, pelo crime de branqueamento de capitais. De acordo com o semanário Expresso, as autoridades judiciais do Mónaco …

Depressão Glória atinge Portugal continental com vento forte

A depressão Glória está a caminho. Segundo o Instituto Português do Mar e Atmosfera, no domingo, esperam-se rajadas de vento que podem atingir os 110 quilómetros por hora nas terras altas. A depressão Glória vai passar …

Governo não renova PPP do Hospital de Loures

O Estado não vai renovar a atual parceria público-privada (PPP) do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, que é gerido pelo grupo Luz Saúde, anunciou a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo …

Cientistas podem ter descoberto por que Beethoven ficou surdo

Ludwig van Beethoven começou a notar dificuldades de audição em 1798, com 28 anos. Com 44 ou 45, estava totalmente surdo. Aos 56 anos, o músico morreu e, até hoje, ainda não se sabe …

Tochas em Alvalade. Liga pede reunião de urgência ao MAI

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) solicitou, esta sexta-feira, uma reunião de urgência ao ministro da Administração Interna, na sequência dos incidentes no encontro entre Sporting e Benfica. "A Liga Portugal lamenta profundamente …