Propostas sobre lei laboral não agradam “a gregos nem a troianos”

Pedro Nunes / Lusa

António Saraiva, presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal

As confederações patronais e as centrais sindicais manifestaram-se, por razões distintas, contra as propostas de alteração à legislação laboral apresentadas pelo Governo no sentido de limitar os contratos a termo e dinamizar a contratação coletiva.

À saída da reunião da Concertação Social, o presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, considerou que o conjunto de medidas apresentado pelo ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social “não agrada a gregos nem a troianos”.

Em causa estão medidas como a redução da duração máxima dos contratos a prazo de três para dois anos, a criação de uma taxa de rotatividade progressiva entre 1 e 2% para as empresas que abusem dos contratos a termo certo ou o fim do banco de horas individual, entre outras propostas.

As medidas “vêm contra o desenvolvimento económico e a normalidade das empresas”, defendeu António Saraiva, sublinhando que o emprego está a crescer e que 80% dos novos contratos são para os quadros.

Segundo o presidente da CIP, o banco de horas “não é nada de utilização selvagem” e tem vantagens tanto para as empresas como para os trabalhadores, que podem adaptar a sua vida pessoal à profissional.

Sobre a taxa de rotatividade que será aplicada às empresas que ultrapassarem a média setorial da contratação a termo, António Saraiva considerou que a medida “é complexa”, “sem rigor” e que “não está quantificada”.

“Não avaliaremos a medida isoladamente, mas num contexto de melhoria da competitividade”, disse o presidente da CIP, reafirmando que é necessária uma “proposta mais ampla” que integre propostas que beneficiem as empresas na área da fiscalidade, licenciamentos entre outras.

Também o presidente da Confederação do Comércio e Serviços (CCP), Vieira Lopes, voltou a defender que a legislação laboral não deve ser alterada e que as propostas do Governo “vão complicar a vida às empresas”.

A CCP quer saber “em que áreas é que o Governo está disposto a contribuir para facilitar a vida às empresas”, frisou Vieira Lopes, reafirmando que é preciso discutir as matérias “num pacote mais alargado” que integre a área fiscal ou da energia.

“Se assim não for, não vamos entrar nessa discussão”, salientou o presidente da CCP.

Em resposta a estas críticas, o ministro disse que já nas próximas reuniões irá abordar temas mais próximos dessas preocupações, admitindo que, se for necessário, haverá uma discussão setor a setor.

“Se existirem outras áreas a incluir para dar um sinal de concertação” não será o Governo a travar, disse, mas Vieira da Silva considerou que já se fez “um trabalho longo” não fazendo assim sentido “eternizar essa discussão”.

Já o presidente da Confederação do Turismo de Portugal (CTP), Francisco Calheiros, considerou “extemporâneo” mexer na legislação laboral quando a economia e o emprego estão a crescer. “É um sinal errado que se dá ao mercado“, afirmou Calheiros, lembrando que o turismo é um setor com “grande sazonalidade”.

Do lado das centrais sindicais, o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, considerou que as propostas do Governo “visam perpetuar o modelo de baixos salários e de trabalho precário”.

“O Governo está a ficar condicionado quer com a pressão dos partidos da direita quer com a pressão do grande patronato”, defendeu o líder da intersindical, para quem as propostas “mistificam” o problema da precariedade.

Sobre a taxa de rotatividade, Arménio Carlos disse que a medida não resolve o problema da precariedade e que as empresas poderão fazer repercutir o seu efeito no salário oferecido ao trabalhador.

“Quando eu era pequenino, ouvia dizer que no período da Páscoa não se podia comer carne, mas se pagássemos a bula já podíamos comer, ou seja, as empresas podem continuar a contratar trabalhador com vínculos precários, mas se pagarem a taxa já não há problema”, ironizou o líder da CGTP.

Arménio Carlos disse que a CGTP está disponível para negociar e chegar a um entendimento, mas disse que não dará “apoio a propostas que minimizam o problema, estando a salvar o modelo de baixos salários e precariedade”.

Também o dirigente da UGT, Sérgio Monte, considerou as propostas insuficientes na área da contratação coletiva, sendo “do agrado” da central sindical as que visam reduzir a contratação a prazo.

As alterações à norma da caducidade são “pouca coisa”, disse Sérgio Monte, lembrando que a UGT quer regulamentar os motivos que justificam a norma, pois atualmente “a denúncia da convenção coletiva pode ser feita por qualquer das partes e sem qualquer motivo”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse. Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do …

Para proteger o fundo do mar, novo sistema permite atracar vários barcos com uma só "âncora"

Quando vários barcos se amontoam numa enseada durante a noite, cada um deles lança uma âncora que pode potencialmente danificar os corais e a vida marinha no fundo do mar. O sistema Seafloat foi criado …

Japão e Estados Unidos assinam acordo de cooperação para exploração da Lua

O Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão e a agência espacial dos Estados Unidos (NASA) assinaram um acordo de colaboração entre os dois países no programa Artemis, para a exploração da …

Washington Redskins mudam de nome por ser considerado racista

A equipa de futebol americano, até aqui denominada de Washington Redskins, vai abandonar essa designação, considerada de teor racista, para designar nativos da América do Norte. Em comunicado, a equipa de Washington explicou que, depois de uma …

Flores precisaram de cerca de 50 milhões de anos para se tornarem o que são hoje

As plantas com flor evoluíram há cerca de 100 milhões de anos, mas precisaram de outros 50 milhões de anos para diversificar e tornarem-se aquilo que são hoje, sugere uma equipa de investigadores. Os cientistas documentaram …

Estudo sugere que imunidade à covid-19 pode desaparecer em poucos meses

A imunidade adquirida por anticorpos após a cura da covid-19 pode desaparecer em alguns meses, o que poderá complicar o desenvolvimento de uma vacina eficaz a longo prazo, sugere um estudo britânico divulgado esta segunda-feira. "Este …

60 anos depois, já se sabe o que aconteceu aos 9 russos que desapareceram na Montanha da Morte

Passados 61 anos, o mistério da morte de nove esquiadores russos que faziam uma caminhada pelos Montes Urais, perto da chamada Montanha da Morte, foi finalmente resolvido. Em 1959, nove viajantes russos que faziam uma caminhada …

Médicos Sem Fronteiras é "institucionalmente racista", acusam atuais e ex-colaboradores

Uma declaração assinada por mil atuais e ex-funcionários revela que a Organização Não Governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF) é "institucionalmente racista" e reforça o colonialismo e a supremacia branca no trabalho humanitário que pratica. Na …

Empresa culpada pela crise de opioides fez contribuições políticas após declarar falência

A Purdue Pharma, empresa culpada pela crise de opioides nos Estados Unidos, fez contribuições políticas após ter sido processada e declarado falência. Os opioides são usados para aliviar a dor, mas também provocam uma sensação exagerada …

Norte-americano morre após ir a festa para provar que a covid-19 é uma farsa

Um norte-americano de 30 anos, de San Antonio, no estado do Texas, morreu de covid-19 depois de ir a uma festa para provar que a doença era uma farsa, informou a media local. O homem foi …