Le Pen quer imposto sobre os contratos de trabalho com estrangeiros

A candidata da extrema-direita às presidenciais francesas defendeu a criação de um imposto para os contratos de trabalho com estrangeiros.

A receita gerada por esse imposto poderia ser utilizada para indemnizar os desempregados, explicou Marine Le Pen numa entrevista publicada esta quinta-feira pelo Le Monde.

A proposta insere-se no que a líder da Frente Nacional designa como “prioridade nacional” e quer aplicar se for eleita nas presidenciais de abril e maio.

No mesmo sentido, Le Pen disse ao jornal francês que pretende taxar as importações de bens e serviços com uma “contribuição social” de 3%, imposto com o qual prevê recolher “no mínimo 15 mil milhões de euros” e que, assegurou, não terá impacto significativo no poder de aquisição dos consumidores.

A base de tudo isto é o patriotismo, ou seja, cada medida e cada euro gasto têm como vocação defender o interesse dos franceses”, disse a candidata do partido de extrema-direita, que as sondagens dão como certa na segunda volta.

Le Pen defendeu “um protecionismo inteligente”, de “luta contra as deslocalizações selvagens”, e congratulou-se com a declaração do novo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no discurso de tomada de posse, da “morte do ultraliberalismo”.

“Trump foi eleito por promessas que está a aplicar. Esse respeito pelos eleitores devia ser um modelo para todos os políticos”, disse Le Pen, frisando contudo não ter como referência nem estar “fascinada” pelos EUA, como não o está pela Alemanha ou pela Rússia.

Sobre o seu programa eleitoral, que vai apresentar este fim de semana em Lyon, a líder da extrema-direita repetiu que quer tirar França da União Europeia.

“Irei imediatamente a Bruxelas para negociar o regresso das quatro soberanias: monetária, legislativa, orçamental e territorial. E seis meses depois das eleições, organizarei um referendo sobre a saída da UE”, disse.

A candidata manifestou-se convicta de que essa sua medida vai desencadear “um movimento” a que se vão juntar vários países para “obter a anulação de regras e tratados que prejudicam a sua segurança ou a sua economia”.

Investigada por alegado uso indevido de 340 mil euros dos fundos que recebeu como eurodeputada, Le Pen assegurou que não se retira da corrida presidencial se vier a ser formalmente acusada.

“Um juiz decidir quem é e quem não é candidato é o fim da democracia”, disse.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. É a tal esperteza saloia.
    O Trump e agora esta “madame” querem proteger a sua industria, “patrioticamente”, para isso querem aplicar (se ela ganhar vai fazer o mesmo) um imposto adicional aos produtos importados. Tá boa! Então e se todos os outros decidirem fazer o mesmo? Isto é, taxar com imposto extra produtos importados dos EUA e da França?
    O problema é estas criaturas pensarem que podem fazer o que lhes apetece e estão convencidos que ficam sem resposta dos outros países.

RESPONDER

Boris responsabiliza Irão por ataque a petrolífera saudita

Boris Johnson diz que o país atribui ao Irão, "com muito alto grau de probabilidade, os ataques à gigante petrolífera saudita". O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, acusou esta segunda-feira o Irão de ser, muito provavelmente, responsável …

41 países comprometem-se com iniciativa "Clima e Qualidade do Ar"

A iniciativa "Clima e Qualidade do Ar", apresentada na véspera da Cimeira da Ação Climática, propõe alcançar até 2030 uma qualidade do ar saudável e a harmonização das políticas de luta contra as alterações …

Reino Unido. Trabalhistas querem abolir ensino privado se forem Governo

O Partido Trabalhista britânico compromete-se a abolir o ensino privado no Reino Unido caso venha a formar Governo. O plano do partido liderado por Jeremy Corbyn implica nacionalizar e integrar no sistema educativo público todas …

Rio acusa PS de se comportar como "dono disto tudo" (e diz que também tem um "Centeno")

No último debate a dois antes das legislativas de 6 outubro, os líderes do PSD e PS trocaram esta segunda-feira críticas - em tom leve e cordial -, recordando telhados de vidro de cada força …

Em decisão histórica, partidos árabes recomendam Gantz como primeiro-ministro de Israel

O Presidente de Israel, Reuven Rivlin, iniciou este domingo as suas consultas para a formação de um novo Governo. A Lista Conjunta, uma coligação que reúne os principais partidos árabes do país (Balad, Hadash, Ta’al …

Tancos. Azeredo Lopes teve "exercício perverso" de funções públicas, diz Ministério Público

O Ministério Público (MP) já terá terminado a acusação do caso de Tancos, na qual sustenta que o antigo ministro da Defesa Azeredo Lopes soube de toda a encenação, tendo ainda tentado tirar louros políticos …

Salário de 273 mil euros brutos anuais para Varandas revolta accionistas do Sporting

Um grupo de acionistas do Sporting fez chegar ao presidente da Mesa da Assembleia Geral (AG) da Sporting SAD, Bernardo Ayala, um pedido em que exige a retirada da proposta de aumento salarial para o …

Eleições na Madeira. A noite em que quem perdeu ganhou e quem ganhou perdeu

Depois de 43 anos de poder absoluto, o PSD perdeu este domingo pela primeira vez a maioria do parlamento da Madeira. O PS, que atingiu um valor histórico na região, também reclamou louros de vitória. …

Jesus "nunca treinou um grande clube da Europa" e "nunca conquistou nada"

O treinador do Grémio, Renato Gaúcho, voltou a criticar Jorge Jesus, dizendo que o técnico português, aos 65 anos, nunca treinou um grande clube na Europa. "O Jorge Jesus ganhou 2/3 títulos portugueses. Saiu de Portugal …

Governo promove 5.000 militares antes das eleições

Quase 5.000 militares dos três ramos das Forças Armadas, Exército, Marinha e Força Aérea vão ser promovidos este ano. De acordo com o Correio da Manhã, o Ministério da Defesa enviou a lista dos 4.945 nomes …