/

Derretimento do gelo criou mais de 1.000 lagos glaciares nos Alpes suíços

As mudanças climáticas estão a ter grande impacto na paisagem dos Alpes suíços. O derretimento do gelo na região criou mais de mil novos lagos nas montanhas, revela um novo estudo.

De acordo com um novo estudo, publicado pelo Instituto Federal Suíço de Ciência e Tecnologia Aquática (Eawag), formaram-se quase 1.200 novos lagos em regiões que anteriormente eram cobertas por gelo. O fenómeno ocorre nos Alpes Suíços desde 1850.

Os autores indicam que atualmente ainda existem cerca de 1.000 lagos – o que acabou por ser surpreendente, pois não esperavam encontrar mais do que umas centenas.

“Ficamos surpreendidos com os números absolutos”, referiu Daniel Odermatt, investigador envolvido na pesquisa, em comunicado.

O cientista afirmou que a “acentuada aceleração da formação” também deixou a equipa perplexa, destacando que 180 dos mais de mil lagos “foram formados apenas na última década”.

A pesquisa de Eawag mostrou que houve um pico inicial na formação de lagos glaciares nos Alpes suíços entre 1946 e 1973, quando quase oito novos lagos surgiram, em média, a cada ano.

Após um breve declínio, a taxa de formação dos lagos aumentou entre 2006 e 2016, com 18 novos lagos a aparecer, em média, a cada ano, enquanto a superfície da água aumentava mais de 400 metros quadrados anualmente.

Na pesquisa, escreve o Phys, os investigadores basearam-se em dados de sete períodos entre 1850 e 2016.

Para cada um dos 1.200 lagos formados desde 1850, os cientistas registaram a localização, elevação, forma e área do lago em diferentes momentos, bem como o tipo de material da barragem e drenagem superficial.

Com base nessas informações, os investigadores puderam estimar os perigos, incluindo o risco de um esvaziamento repentino no caso de rompimento de uma barragem. O estudo alerta que o número crescente de lagos glaciares aumenta o risco de erupções.

O gelo nos Alpes suíços está em declínio constante, o que faz com que a região tenha perdido cerca de 2% do seu volume apenas no ano passado, de acordo com um estudo anual publicado pela Academia de Ciências da Suíça.

Mesmo que o mundo adotasse intrinsecamente todas as medidas previstas no Acordo de Paris, dois terços dos glaciares iriam ser perdidos, refere um estudo de 2019 realizado pela Universidade Técnica (ETH), em Zurique.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.