Jornalista afegã e defensora dos direitos das mulheres foi morta a tiro em Cabul

Ariana TV

Mena Mangal era apresentadora da Ariana TV há dez anos

Mena Mangal, uma das jornalistas mais conhecidas do Afeganistão, foi morta a tiro este sábado, em Cabul. A ativista, conhecida pelo seu trabalho na televisão, denunciava casamentos forçados contra a vontade das mulheres e defendia os seus direitos ao trabalho e à educação.

A jornalista foi alvejada num mercado cerca das 07:30, hora local. Antes de dispararem, dois homens que seguiam de mota atiraram quatro vezes para o ar. Mena Mangal trabalhava agora como assessora na câmara baixa do parlamento afegão – Wolesi Jirga – e esperava pelo carro que a levaria para o emprego, noticiou o Sábado.

Em 2017, a defensora dos direitos das mulheres tornou-se famosa por escrever acerca do seu próprio casamento forçado e o processo de divórcio que se seguiu – e que terminou este mês. No Facebook, Mena Mangal tinha denunciado a 03 de maio que estava a ser alvo de ameaças de morte, mas não foi colocada sob proteção.

Os assassinos de Mena Mangal continuam a ser procurados pelas autoridades, depois de terem conseguido escapar. A mãe da jornalista afirmou que, no passado, a filha tinha sido raptada, mas que os criminosos tinham subornado as autoridades após serem detidos e estavam em liberdade.

A polícia de Cabul ainda não tem suspeitos, nem revela se há motivações terroristas no assassinato, que não foi reivindicado. As autoridades disseram ainda que uma força policial especial irá investigar o crime.

Ativistas dos direitos das mulheres expressaram o seu pesar pela morte de Mena Mangal, alegando que a mesma não recebeu a devida proteção por parte das autoridades.

“Porque é tão fácil nesta sociedade [os homens] poderem continuar a matar as mulheres com que não concordam?”, perguntou Wazhma Frogh, uma advogada dedicada aos direitos humanos no Afeganistão, citada pelo Independent. “Esta mulher já havia partilhado que a sua vida estava em perigo. Por que nada aconteceu? Precisamos de respostas”.

De acordo com o Repórteres sem Fronteiras, 2018 foi o ano mais letal para jornalistas desde a queda do regime talibã em 2001, quando 15 jornalistas foram mortos.

A Amnistia Internacional classificou o país como o pior lugar do mundo para se ser mulher, podendo estas ser atacadas por irem à escola ou ao trabalho. O Afeganistão tem também altos níveis de violação e de violência doméstica, além de abuso físico e sexual por forças do Estado, casamento forçado e infantil e mortes por honra.

Os direitos das mulheres afegãs foram reprimidos quando o regime talibã se encontrava no poder. O país assistiu a vários assassinatos de mulheres em cargos públicos nas últimas duas décadas, incluindo polícias, políticos, educadoras, estudantes e jornalistas.

Alguns desses atos foram classificados como crimes de honra, realizados por familiares ou membros da comunidade. Outras foram assassinadas por insurgentes que se opõem às mulheres que têm um papel na vida pública ou que falam sobre os seus direitos.

Em 2012, Malala Yousafzai, na altura com 15 anos, foi baleada na cabeça por talibãs no Paquistão, devido ao facto de falar sobre o direito das raparigas em receberem educação.

A jornalista era conhecida por uma carreira de mais de dez anos como apresentadora em canais de televisão locais como a LEMAR TV, Shamshad News e Ariana TV.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já é possível ouvir a Via Láctea. NASA transforma dados de corpos celestes em música

A NASA converteu dados de astronomia em sons, permitindo ouvir composições musicais derivadas da própria estrutura do Universo. Especialistas da NASA transformaram dados da Via Láctea em sons graças a um processo conhecido como sonificação. …

Federer acusado de manobrar a tabela ATP

Contas da associação de tenistas foram alteradas por causa do coronavírus. Roger Federer está no quinto lugar mas só disputou um torneio ao longo de 2020. Em ano anormal, contas anormais: a tabela oficial da Associação …

Astrónomo do Instituto SETI garante que vamos encontrar extraterrestres até 2036

Seth Shostak, astrónomo e astrofísico do Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) está convencido de que os humanos vão encontrar uma civilização extraterrestre inteligente até 2036. “O SETI duplica a velocidade aproximadamente a cada dois anos …

Mais leve e elegante. Assim é a nova e-bike que vai chegar às ruas da Europa

A startup Urban Cycles Oy, com sede em Helsínquia, demarcou uma espécie de lacuna no mercado europeu de bicicletas elétricas e por isso quis preenchê-la. O objetivo era produzir uma bicicleta elegante e mais leve. Um …

Incêndio reduz a maior ilha de areia do mundo a metade. É Património da Humanidade

Quase metade de Fraser, a maior ilha de areia do mundo, que se situa no nordeste da Austrália e foi classificada como Património da Humanidade pela UNESCO, foi destruída por um incêndio florestal. O incêndio queimou …

"Toca de bruxaria" permaneceu até agora numa casa do século XVI. Encontrados crânios de cavalo e veneno

Uma casa cheia de objetos ocultos foi recentemente alvo de grande interesse. O espaço estava localizado dentro de numa casa do século XVI no País de Gales, e encontrava-se repleto de objetos ocultos, incluindo crânios …

Em 1843, o primeiro cartão de Natal foi considerado "escandaloso" (agora vai ser leiloado pela Christie)

Um exemplar do primeiro cartão de Natal impresso comercialmente, em 1843, que retratava uma cena da era vitoriana que escandalizou a população, vai ser posto à venda esta sexta-feira e é considerado um item raríssimo. Este …

Marcelo quer alívio de restrições no Natal sem pôr em xeque janeiro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta sexta-feira esperar que a "possível exceção" no Natal ao quadro de restrições para conter a covid-19 "seja bem entendida e bem vivida" e não provoque …

Bill Gates diz que o mundo estará de volta à normalidade já na primavera de 2021

Bill Gates, que desde 2015 tinha vindo a lançar alguns alertas sobre uma possível pandemia, deixou agora uma mensagem de esperança ao dizer que acredita que os EUA irão voltar ao normal na primavera de …

Mais um passo na hegemonia. China constrói aldeia nos Himalaias, em zona também disputada pela Índia e pelo Butão

Novas imagens de satélite mostram que a China construiu uma aldeia nos Himalaias, ao longo de uma fronteira que também é disputada pela Índia e pelo Butão, e que foi palco de um impasse agressivo …