Jornalista baleado na cabeça numa rua em Amesterdão. Está em estado grave

2

Marcel Van Hoorn / EPA

O jornalista holandês Peter R. de Vries

Um jornalista holandês que cobre crime organizado foi baleado na cabeça no meio de uma rua em Amesterdão, nos Países Baixos, esta terça-feira, encontrando-se hospitalizado em estado grave.

O ataque a Peter R. De Vries, de 64 anos, ocorreu na Lange Leidsedwarsstraat, uma rua no centro de Amesterdão, havendo já várias imagens a circular nas redes sociais que mostram o jornalista caído no chão com ferimentos na cabeça.

A polícia holandesa indicou que foram disparados vários tiros e andava à procura de um homem caucasiano e de constituição magra, que vestia um casaco de camuflagem verde-escuro e um boné preto, que será o presumível autor do tiroteio.

De acordo com a agência Reuters, que cita a polícia local, já três pessoas foram detidas, entre as quais o possível autor dos disparos. As autoridades já isolaram o local do tiroteio, estando agora a recolher imagens de vídeo, depoimentos de testemunhas e provas forenses.

Peter R. De Vries é um jornalista conhecido nos Países Baixos devido às suas investigações sobre crimes e questões de crime organizado, tendo já atuado como informador em casos mediáticos no país, como o caso Marengo, que envolve assassínios e tráfico de droga.

Quando se soube que estava na lista negra do traficante de droga e líder da máfia holandesa Ridouan Taghi (que está em fuga), em 2019, e após receber ameaças de morte, De Vries passou a ser protegido pela polícia.

“Ficou gravemente ferido e está a lutar pela vida. É um herói nacional para todos nós. Um jornalista raro e corajoso que procurou incansavelmente a justiça”, disse, em conferência de imprensa, a presidente da Câmara de Amesterdão, Femke Halsema, citada pela agência noticiosa.

O tiroteio desta terça-feira provocou comoção nos Países Baixos. O líder da extrema-direita, Geer Wilders, segundo a EFE, considerou o ato como “terrível”, enquanto o secretário-geral da Associação de Jornalistas dos Países Baixos, Thomas Bruning, chamou-o “soco no jornalismo”.

  ZAP // Lusa

2 Comments

  1. Pessoas como este jornalista são os meus herois. Gente que arrisca a vida para expor a podridão e sabe que pode ser assassinada a qualquer momento mas, segue em frente por uma questão de princípio. Gente que morre por aquilo em que acredita e pelo bem comum… Para mim são os grandes herois deste mundo! Salvem-me esta vida!

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.