Jihadista de Aveiro alega que foi tramado por três marroquinos “mentirosos”

cv ISIS

Conhecido como o “jihadista de Aveiro”, o marroquino Abdessalam Tazi está detido em Monsanto, sob suspeita de recrutamento de jovens para o Daesh. Numa carta enviada ao Expresso, este ex-polícia assegura que foi alvo de “uma cilada” de três conterrâneos que o denunciaram.

Abdessalam Tazi, de 63 anos, está em prisão preventiva na cadeia de alta segurança de Monsanto, desde Março deste ano. E foi de lá que escreveu uma carta ao Expresso a negar a versão oficial das autoridades, que levou à sua detenção, sob suspeitas de recrutamento de jovens para as fileiras do grupo terrorista Estado Islâmico.

Este ex-polícia marroquino alega, conforme relata o Expresso, que foi alvo de “uma cilada” de três marroquinos, com quem divida apartamento em Aveiro, que o denunciaram às autoridades. “Queriam que guardasse droga em minha casa em Aveiro”, refere Tazi na carta.

“Não sei como se chama isto em português: ajuste de contas, chantagem, vingança ou represálias. Estou aqui só por culpa de três mentirosos marroquinos“, escreve, ainda, o homem de 63 anos, alegando que só está preso por não ter aceite guardar a droga no apartamento.

O Expresso apurou junto de “fontes próximas da investigação” que Tazi foi, de facto, denunciado por três cidadãos marroquinos, um dos quais será o irmão mais velho do jihadista Hicham El Hanafi, que foi detido em França, em Novembro de 2016, por estar envolvido nos planos para um ataque terrorista em Marselha. Hanafi também morou com Tazi em Aveiro.

As autoridades não dão relevância às alegações de Tazi e a sua advogada oficiosa, Alzira Coutinho, lamenta no Expresso, que a investigação está assente apenas nos depoimentos dos três cidadãos marroquinos que denunciaram o seu cliente, e em “papéis escritos em árabe” que diz que “podem nem pertencer” ao seu cliente.

Ex-polícia terá radicalizado vários jovens em Aveiro

O Expresso nota que Tazi chegou a Portugal em Outubro de 2013, viajando no mesmo voo de Hicham El Hanafi. Ambos apresentaram passaportes falsos e solicitaram asilo, alegando perseguições por se oporem ao regime marroquino.

Tazi alega que não conhecia Hanafi antes de ambos terem ficado alojados no centro de acolhimento para refugiados, em Lisboa. Diz que ficaram amigos neste espaço, onde as autoridades acreditam que começou o trabalho do ex-polícia no recrutamento de jovens para o Daesh. Terá continuado essa actividade em Aveiro, mantendo contactos com outras células do grupo terrorista em vários países europeus.

As autoridades têm nota de “vários jovens, todos de nacionalidade marroquina” que terão sido “radicalizados pelo ex-polícia e que já não se encontram em Portugal”, refere o Expresso. Os que ficaram em Aveiro são “os espertos, os que rejeitaram a lavagem” cerebral, garantem fontes da investigação ao semanário.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Não há qualquer desculpa aceitável, com a informação diariamente difundida, para aderir ao jihadismo e vir com a treta de ter sido enganado.
    Prisão com eles, e por uma dezena de anos, para ficarem espertos.
    Era ainda útil saber que crimes cometeu nas fileiras do Daesh…

RESPONDER

Nobel da Física diz que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra

Didier Queloz disse, este sábado, estar convencido de que o ser humano não está concebido para viver fora da Terra, razão pela qual está "zangado" com alguns argumentos do cofundador da Tesla, Elon Musk. Os suíços …

Ford está a reciclar palha de café do McDonald's. Quer transformá-la em peças de carro

https://vimeo.com/377768195 A Ford está a fabricar peças de carro através de palha de café reciclada do McDonald's. A iniciativa contribui para a redução da pegada ecológica e do desperdício alimentar. O combate às alterações climáticas cabe um …

Comité da ONU preocupado com condições das prisões em Portugal

As condições de detenção, a sobrelotação das prisões, o alegado uso da força e outros abusos contra pessoas pertencentes a grupos raciais e étnicos são as principais preocupações do Comité da ONU contra a Tortura …

Cientistas identificaram organismo que prospera ao comer meteoritos

O micróbio Metallosphaera sedula tem uma propensão para comer minerais. E não estamos a falar de granito ou giz, mas de rochas muito mais especiais como meteoritos. Segundo o Science Alert, uma equipa internacional de cientistas …

Médicos estrangeiros em Portugal atingem o valor mais alto da última década

O número de médicos estrangeiros registados em Portugal atingiu, em 2019, o valor mais elevado da última década, situando-se em 4192, mais 9,1% face a 2009, revelam dados da Ordem dos Médicos (OM). A maioria dos …

O único carro-avião do mundo vai ser vendido em leilão

O Taylor Aerocar, aquele que é o único carro-avião legalizado em todo o mundo, vai a leilão no início do próximo ano. Este modelo da marca data do ano de 1954. Se é um apaixonado por …

Marcha pelo Clima. Polícia espanhola deteve duas pessoas com facas e martelos

A Polícia Nacional de Espanha deteve, na sexta-feira, duas pessoas que pretendiam perturbar a manifestação pelo clima em Madrid, tendo apreendido vários materiais, como facas e martelos. Um homem e uma mulher foram detidos e enviados …

Reflexão, ritual ou mundo idealizado. Um Natal sem filmes, não é Natal

Se é daquelas pessoas que passa a noite da Natal com uma chávena na mão, meias nos pés e um filme na televisão, saiba que não está sozinho. Nesta altura do ano, os filmes tornam-se …

Musk ilibado depois de ter chamado "pedófilo" a mergulhador no resgate da gruta da Tailândia

O magnata fundador da Tesla, Elon Musk, foi absolvido na sexta-feira no processo por difamação movido pelo espeleólogo britânico Vernon Unsworth, que alegava ter sido chamado de pedófilo. Após cerca de uma hora de deliberações, o …

Luzes nas redes de pesca? Os golfinhos e as tartarugas agradecem

A implementação de luzes nas redes de pesca reduz a probabilidade de tartarugas marinhas e de golfinhos serem apanhados por acidente. Luzes LED nas redes de pesca eliminariam a "captura acidental" de tartarugas marinhas em mais …