Itália exige “respeito”: vai abrir fronteiras, mas excluir países que impõem restrições a italianos

Apesar de acredita “no espírito europeu”, o ministro dos Negócios Estrangeiros italiano sublinhou que o país está pronto “para fechar as fronteiras” àqueles que não o respeitem.

A Itália vai abrir as suas fronteiras internacionais a 3 de junho, mas alertou esta segunda-feira que vai mantê-las fechadas aos países que impõem restrições de entrada a cidadãos italianos, devido ao princípio da reciprocidade.

“Acreditamos no espírito europeu, mas estamos prontos para fechar as fronteiras àqueles que não nos respeitam”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luigi Di Maio. “As negociações serão abertas a 3 de junho, porque lidar com um Estado estrangeiro enquanto ainda temos regras restritivas é complicado.”

“Acreditamos na colaboração, mas também na reciprocidade. Será esse o espírito que levarei às minhas próximas viagens à Alemanha, Eslovénia e Grécia”, disse Di Maio em entrevista ao Corriere della Sera.

O ministro lembrou que a Itália “se distinguiu pela transparência” em relação aos dados da pandemia da covid-19 e que os atuais números “são muito reconfortantes”. ” Não queremos gerar polémica, mas se alguém planeia fechar-nos a porta, devido apenas aos seus próprios interesses, teremos de responder.”

Na sexta-feira, o Governo grego anunciou um primeiro grupo de 29 países cujos cidadãos poderão voar sem restrições para os aeroportos de Atenas e Salónica a partir de 15 de junho, entre os quais não se encontra a Itália nem Portugal.

Mais tarde foi esclarecido que, com base nas informações da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA), os cidadãos de áreas consideradas “de risco” podem visitar a Grécia, mas têm de ser submetidos a uma quarentena de sete ou 14 dias, dependendo se o teste der negativo ou positivo para a infeção do coronavírus.

Na Itália, as zonas que foram consideradas “de risco” são as regiões do norte da Emília-Romanha, Lombardia, Piemonte e Veneto. Os passageiros serão testados à chegada e, se mostrarem resultados negativos para a infeção, ficarão em quarentena por sete dias. Se o teste der positivo, a quarentena será de 14 dias.

A medida causou indignação em Veneto, uma região que, apesar de ser próxima das zonas mais afetadas pela pandemia no país, conseguiu conter com sucesso a propagação do coronavírus. “Parece-me uma loucura que a Grécia proíba [a entrada regular de cidadãos de] Veneto. Pergunto-me o que pensam os seus operadores já que os nossos turistas costumam ir para lá. Bem, eles não nos voltam a ver lá”, garantiu o presidente da região, Luca Zaia.

A Itália continua a reduzir o número de mortes e infeções diárias, embora já registe 33.415 mortes e 233.019 casos desde o início da crise.

As viagens entre as diferentes regiões italianas também serão reabertas a partir de quarta-feira, uma decisão que o ministro da Saúde, Roberto Speranza, alertou não ser isenta de riscos. “Está claro que corremos um risco porque o risco zero não existe atualmente e só existirá quando houver uma vacina.”

A decisão foi aplaudida por alguns presidentes das regiões, mas provocou perplexidade e até críticas noutros, que dirigem zonas onde a pandemia está praticamente controlada, principalmente no sul do país e na Sardenha.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Administração Trump notifica formalmente o Congresso sobre saída da OMS

O Governo norte-americano informou esta terça-feira o Congresso sobre a sua saída forma da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Administração Trump já notificou formalmente o Congresso norte-americano de que os Estados Unidos vão sair da …

“Não vou ser infetado e propagar a covid-19”. Burundi anuncia triagem maciça da população

O Governo do Burundi começou esta segunda-feira uma campanha de triagem maciça da covid-19, decisão que demonstra uma alteração das políticas implementadas pelo novo Presidente do país no sentido de combater mais assertivamente a propagação …

Despedida de Centeno e estreia de Leão. Eurogrupo elege presidente na quinta-feira

A eleição para a presidência do Eurogrupo, na quinta-feira, será a última reunião presidida por Mário Centeno e a estreia europeia de João Leão como ministro das Finanças. A eleição para a presidência do Eurogrupo é …

Governo está a preparar um programa específico de apoio ao Algarve

O Algarve terá um programa específico de apoio, que já está a ser preparado pelo Governo, avançou o ministro da Economia esta terça-feira. O ministro da Economia disse, esta terça-feira, que o Governo está a preparar …

OMS admite transmissão pelo ar e pede que se evitem espaços fechados

Depois do alerta de 239 especialistas, a Organização Mundial de Saúde diz que há novas provas de que o novo coronavírus se transmite pelo ar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu, esta terça-feira, haver novas …

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos (e reduzir novas aeronaves a metade)

Esta terça-feira, a Lufthansa anunciou novas medidas do seu plano de reestruturação que incluem uma redução de mil postos de trabalho nos serviços administrativos. A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou, esta terça-feira, que irá reduzir o …

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021. Em entrevista ao portal esquerda.net, divulgada esta terça-feira, Mariana Mortágua deixa claro …

Ferrari vai enfrentar problemas no Mundial de F1 "sem chorar"

O diretor-geral da Ferrari elogiu o talento de Leclerc e mostrou-se preocupado com os problemas que afetaram Sebastian Vettel. O diretor-geral da Ferrari, Louis Camilleri, reiterou esta terça-feira a confiança na equipa e assegurou que a …

Governo russo exige 1,8 mil milhões de euros a empresa mineira por poluição no Ártico

A agência russa de defesa do ambiente exigiu uma indemnização de 147,8 mil milhões de rublos (1,8 mil milhões de euros) ao conglomerado mineiro Norilsk Nickel, pela grave poluição do Ártico com hidrocarbonetos. Em comunicado, a …

Perda de habitat pode aumentar doenças que passam de animais para humanos, prevê ONU

Um novo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que podem surgir mais doenças que passam de animais para humanos, como a covid-19, à medida que os habitats são devastados pela exploração da vida …