Islândia está a tentar trazer de volta árvores cortadas pelos Vikings

Rosino / Flickr

Mývatn, na Islândia.

Numa tentativa de reflorestar o país, a Islândia está a tentar trazer de volta as árvores derrubadas pelos Vikings no passado. É o país menos florestado da Europa.

As árvores na Islândia são tão raras e tão jovens, que as pessoas brincam com a situação, dizendo que caso uma pessoa se perder na floresta basta pôr-se de pé para encontrar o caminho. Mas o país nem sempre foi assim e, antes da chegada dos Vikings, tinha várias e vastas florestas que cobriam três quartos do território.

As florestas acabaram por ser dizimadas com a colonização destes guerreiros que no espaço de um século derrubaram cerca de 97% das árvores. Agora, a Islândia é o país menos florestado da Europa, mas está a fazer esforços para remediar a situação — apesar do clima severo e dos vulcões que destroem os solos.

Segundo o Raw Story, a falta de árvores significa que não há vegetação para proteger o solo da erosão e armazenar água. Isto leva o país a ficar cada vez mais desertificado, com apenas 0,5% do território a ser coberto por florestas, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.

Em Hafnarsandur, uma das áreas mais afetadas, estão a ser feitos esforços governativos para a reflorestação da área com 6 mil hectares. Para tal, estão a usar um “potti-putki”, uma ferramenta que permite plantar pinheiros. Um dos objetivos é proteger a cidade vizinha de Thorlakshofn das tempestades de poeira que é vítima.

A única espécie nativa de árvores da Islândia é a bétula. No entanto, Adalsteinn Sigurgeirsson, vice-diretor do serviço florestal, diz que esta não é uma espécie muito produtiva.

“Por isso, se quisermos cumprir outros objetivos, como o armazenamento rápido de carbono ou a produção de madeira, precisamos de mais variedade do que apenas monoculturas de uma espécie nativa”, explicou.

Como um esforço para reflorestar o país, foram criados dezenas de viveiros. Só em Kvistar, a cem quilómetros da capital Reykjavik, são produzidos 900 mil pinheiros e choupos a cada ano. Originárias do Alaska, nos Estados Unidos, as suas sementes permitem agora plantar novas árvores.

No entanto, como o solo da Islândia é pobre em nitrogénio, o processo de maturação é lento e a taxa média de crescimento é de apenas um décimo da observada na floresta amazónica, explica o Raw Story.

“O que tem impedido principalmente o crescimento da floresta aqui têm sido as baixas temperaturas e a frescura dos verões, mas estamos a fazer mudanças por causa das alterações climáticas”, disse Sigurgeirsson

Curiosamente, a subida de temperatura causada pelas alterações climáticas está a fazer as árvores crescerem mais rápido — e consequentemente há um maior armazenamento de carbono.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …