Islândia está a tentar trazer de volta árvores cortadas pelos Vikings

Rosino / Flickr

Mývatn, na Islândia.

Numa tentativa de reflorestar o país, a Islândia está a tentar trazer de volta as árvores derrubadas pelos Vikings no passado. É o país menos florestado da Europa.

As árvores na Islândia são tão raras e tão jovens, que as pessoas brincam com a situação, dizendo que caso uma pessoa se perder na floresta basta pôr-se de pé para encontrar o caminho. Mas o país nem sempre foi assim e, antes da chegada dos Vikings, tinha várias e vastas florestas que cobriam três quartos do território.

As florestas acabaram por ser dizimadas com a colonização destes guerreiros que no espaço de um século derrubaram cerca de 97% das árvores. Agora, a Islândia é o país menos florestado da Europa, mas está a fazer esforços para remediar a situação — apesar do clima severo e dos vulcões que destroem os solos.

Segundo o Raw Story, a falta de árvores significa que não há vegetação para proteger o solo da erosão e armazenar água. Isto leva o país a ficar cada vez mais desertificado, com apenas 0,5% do território a ser coberto por florestas, de acordo com dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura.

Em Hafnarsandur, uma das áreas mais afetadas, estão a ser feitos esforços governativos para a reflorestação da área com 6 mil hectares. Para tal, estão a usar um “potti-putki”, uma ferramenta que permite plantar pinheiros. Um dos objetivos é proteger a cidade vizinha de Thorlakshofn das tempestades de poeira que é vítima.

A única espécie nativa de árvores da Islândia é a bétula. No entanto, Adalsteinn Sigurgeirsson, vice-diretor do serviço florestal, diz que esta não é uma espécie muito produtiva.

“Por isso, se quisermos cumprir outros objetivos, como o armazenamento rápido de carbono ou a produção de madeira, precisamos de mais variedade do que apenas monoculturas de uma espécie nativa”, explicou.

Como um esforço para reflorestar o país, foram criados dezenas de viveiros. Só em Kvistar, a cem quilómetros da capital Reykjavik, são produzidos 900 mil pinheiros e choupos a cada ano. Originárias do Alaska, nos Estados Unidos, as suas sementes permitem agora plantar novas árvores.

No entanto, como o solo da Islândia é pobre em nitrogénio, o processo de maturação é lento e a taxa média de crescimento é de apenas um décimo da observada na floresta amazónica, explica o Raw Story.

“O que tem impedido principalmente o crescimento da floresta aqui têm sido as baixas temperaturas e a frescura dos verões, mas estamos a fazer mudanças por causa das alterações climáticas”, disse Sigurgeirsson

Curiosamente, a subida de temperatura causada pelas alterações climáticas está a fazer as árvores crescerem mais rápido — e consequentemente há um maior armazenamento de carbono.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Acesso à Internet deve ser considerado direito humano básico

Uma nova investigação, levada a cabo pela Universidade de Birmingham, no Reino Unido, concluiu que acesso à Internet deve ser um direito humano básico, pois significa a capacidade participar na vida pública. Merten Reglitz, professor de …

Fórmula 1 quer atingir emissões zero de CO2 até 2030

A Fórmula 1 pretende reduzir a zero as emissões de CO2 até 2030, com base num plano que pretende “pôr em marcha de imediato”, anunciou esta terça-feira a Federação Internacional do Automóvel (FIA). O plano divulgado …

A Tesla vai lançar a sua misteriosa pickup “cyberpunk” elétrica ainda este mês

A nova Tesla Cybetruck já tem data de lançamento após um longo tempo de espera. O fundador da empresa, Elon Musk, anunciou que a carrinha "pickup" será revelada no dia 21 de novembro. O anúncio foi …

Asteróide "potencialmente perigoso" aproxima-se da Terra esta quarta-feira

Um asteróide com 147 metros de diâmetro, caracterizado pela NASA como "potencialmente perigoso" vai aproximar-se da Terra esta quarta-feira. Em causa está o corpo rochoso UN12 2019, explica a agência espacial norte-americana, dando conta que o …

Encontrado submarino da II Guerra Mundial que esteve perdido durante 75 anos (devido a um erro de tradução)

Uma equipa de exploradores oceânicos privada encontrou na costa do Japão um submarino do exército norte-americano do tempo da II Guerra Mundial, que estava desaparecido há 75 anos por causa de um erro num dígito …

Uma casa esteve a afundar-se no Tamisa para alertar para a subida do nível dos oceanos

No passado domingo, quem passou junto ao rio Tamisa, em Londres, não deverá ter ficado indiferente à típica casa dos subúrbios ingleses que se afundava perto da Tower Bridge. Felizmente, de acordo com a agência Reuters, …

A defesa de Lage é a melhor do Benfica em quase 30 anos

A defesa de Bruno Lage leva apenas quatro golos sofridos em 11 jornadas, o que faz dela a melhor defesa do campeonato e a melhor do Benfica desde a temporada de 1990/1991, escreve o jornal …

OE2020. “Não vamos para negociar”, esclarece Jerónimo de Sousa

O PCP vai reunir esta quarta-feira com o Governo com vista ao Orçamento de Estado para 2020. Jerónimo de Sousa esclareceu esta terça-feira que os comunistas não vão para negociar, sendo "manifestamente exagerado dizer que …

Benjamin "morreu" enquanto cumpria pena de prisão perpétua. Agora está vivo e quer a liberdade

Um norte-americano, de 66 anos, que cumpre pena de prisão perpétua por ter espancado um homem até à morte em 1996, pretendia ser libertado, uma vez que o seu coração parou por breves instantes. Em 1996, …

“Máfia do Sangue”. Ministério Público deixa Octapharma fora da acusação

O Ministério Público (MP) deixou a farmacêutica Octapharma fora da acusação da operação "O Negativo" por considerar que o ex-administrador Lalanda e Castro montou um esquema de corrupção para a venda de plasma ao Serviço …