Investigação revela onde estão sepultados prisioneiros portugueses da I Guerra Mundial

Descendentes de cerca de 200 prisioneiros portugueses da primeira Guerra Mundial (1914-1918) já podem saber onde se encontram sepultados estes expedicionários, através de um trabalho de investigação publicado em livro.

A investigadora Maria José Oliveira reuniu dados de vários arquivos e conseguiu elaborar uma lista inédita de 259 prisioneiros onde é revelado além do nome, data de nascimento e morte, a causa do falecimento e, em 178 casos, o local da sepultura.

O trabalho foi publicado este mês na obra “Prisioneiros Portugueses da Primeira Guerra Mundial, Frente Europeia – 1917/1918”, da editora Saída de Emergência.

Segundo a autora, estes prisioneiros, com menos de 30 anos, morreram em campos de internamento e de trabalhos forçados na Alemanha, França, Bélgica e Polónia, tendo a grande maioria sido trasladada para o cemitério militar português da localidade francesa de Richebourg L’Avoué, onde se encontram sepultados 1.831 soldados.

Além deste cemitério, existem ainda portugueses sepultados noutros locais de França como Loisne, Fresnes, Pont du Hem ou os cemitérios militares de Vieille Chapelle e Sainghin-en-Mélantois.

Também foi encontrado um português em Gadenstedt e outro em Fort Blucher, na Alemanha, e um outro em Ninove, na Bélgica. Alguns ficaram sepultados nos próprios campos onde foram feitos prisioneiros.

Através da lista de nomes publicada no livro, o jornal Notícias de Vouzela publicou a 16 de março que encontrou um “filho da terra” que tinha sido prisioneiro na primeira Guerra Mundial.

A informação de que o soldado de infantaria Adelino Tavares Ribeiro da Costa, nascido em 25 de julho de 1892, em Arcozelo das Maias, concelho de Oliveira de Frades, morreu no dia 20 de maio de 1918 no lazareto de Séchin, França, e que está sepultado em Richebourg, permitiu, segundo o jornal, “saber o seu paradeiro final”.

O soldado morreu por ferimentos num braço, adianta a autora.

Além de identificar o expedicionário e nos casos possíveis o local da sepultura, a autora revela ainda as causas das mortes, muitas delas de tuberculose pulmonar, de gripe pneumónica ou ferimentos.

Entre 1917 e 1919, mais de sete mil militares do Corpo Expedicionário Português estiveram presos em 81 campos de internamento e de trabalhos forçados na Alemanha, França, Bélgica e Polónia.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …