/

Há um “inseto assassino” que usa os cadáveres das suas vítimas para se camuflar

O Acanthaspis petax, conhecido como “inseto-assassino” e nativo da Malásia, é famoso por sugar o sangue e a carne das suas vítimas. Além disso, usa os cadáveres como meio de camuflagem.

De acordo com o IFLScience, a sinistra alcunha do inseto-assassino é dada devido à sua técnica de caça letal. 

A Smithsonian Magazine explica que o inseto-assassino caça a sua presa perfurando-a com a “tromba”, injetando saliva que induz a paralisia e uma enzima que dissolve o tecido e, em seguida, sugando as vísceras.

Porém, ao contrário de outros insetos, este percevejo transforma exoesqueletos de formigas em roupas protetoras. O inseto pode carregar até 20 formigas mortas de cada vez e une-as com uma excreção pegajosa num aglomerado (que pode ser maior do que o seu próprio corpo).

Durante anos, os cientistas debateram sobre a razão pela qual Acanthaspis petax se envolvia nesse comportamento incomum, visto que o inseto caça vários tipos diferentes de presas, mas parece empilhar apenas corpos de formigas nas costas.

Alguns sugeriram que os cadáveres das formigas podem fornecer camuflagem olfativa durante a caça, enquanto outros pensaram que o monte de corpos pode ser usado como uma distração visual para criaturas maiores que estão a caçar o inseto-assassino.

Em 2007, uma equipa de investigadores da Nova Zelândia realizou um estudo para avaliar se a estratégia de carregar o cadáver do inseto realmente ajudava a protegê-lo da predação.

No estudo, insetos-assassinos foram postos em gaiolas de vidro com várias espécies de aranhas saltadoras – os seus predadores naturais. Alguns dos insetos carregavam carcaças de formigas nas costas, enquanto outros estavam “nus”.

Como as aranhas saltadoras têm uma visão excelente, mas um olfato pobre, a experiência indicaria se os corpos das formigas serviam como camuflagem visual ou não.

As aranhas atacaram os insetos “nus” quase dez vezes mais do que os “mascarados”.

Os cientistas repetiram a experiência com insetos-assassinos mortos preservados para controlar os efeitos do movimento e do comportamento – e os resultados permaneceram os mesmos.

Os investigadores especulam que o grande monte de cadáveres muda a forma visual do inseto a ponto de as aranhas não conseguirem reconhecê-lo como presa.

Mas porque é os insetos-assassinos não usam outros insetos da mesma forma? Os cientistas sugerem que a Acanthaspis petax pode contar com a relutância inerente das aranhas em atacar formigas. Tendo em conta que as formigas têm tendência a formar um enxame e que podem ter armas químicas, as aranhas normalmente não as caçam.

  Maria Campos, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.