Mal-entendido com 40 anos. Afinal, a infame tribo egoísta do Uganda não é egoísta

Cathryn Townsend

O povo Ik de Uganda é uma pequena comunidade montanhosa com uma grande – e má – reputação. No entanto, agora, investigadores acreditam que a sua reputação é totalmente injusta.

Na década de 1960, um proeminente antropólogo chamado Colin Turnbull publicou um livro que descrevia o povo Ik como extraordinariamente “hostil”, “pouco caridoso” e “mesquinho”, tendo mesmo descrito o povo como “as pessoas sem amor”. Agora, uma nova investigação sugere que este pequeno grupo étnico não é mais egoísta do que qualquer outra comunidade que enfrente a fome.

De acordo com o novo estudo, publicado em maio na revista científica Evolutionary Human Sciences, os Ik são normalmente generosos e cooperativos. Porém, Turnbull apanhou-os no momento em que os seus recursos estavam perigosamente baixos.

“A alegação de Turnbull de que os Ik têm uma cultura de egoísmo pode ser rejeitada”, escrevem os autores. “As normas cooperativas são resilientes e o consenso entre os estudiosos de que os seres humanos são notavelmente cooperativos e de que a cooperação humana é apoiada pela cultura pode permanecer intacto”.

Com recurso a um jogo experimental que testa a generosidade de uma pessoa, os investigadores da Rutgers University-New Brunswick descobriram que o povo Ik não é, em média, menos magnânimo do que as centenas de outras pessoas ao redor do mundo que jogaram o mesmo jogo.

Quando a antropóloga Cathryn Townsend viveu entre a tribo em 2016, encontrou muitos atos de generosidade. Uma das suas frases favoritas é “tomora marang”, que significa “é bom partilhar”.  Na cultura Ik, existe um espírito chamado kíʝáwika, que monitoriza e pune o comportamento egoísta.

Usando o “jogo do ditador”, no qual um jogador pode distribuir dinheiro a outro jogador sob um conjunto de parâmetros variáveis, Townsend descobriu que os Ik são “razoavelmente normais” no que distribuem em comparação com outras sociedades. Mesmo durante a temporada de fome, quando os seus campos são improdutivos por falta de chuva, os Ik continuam a partilhar alimentos armazenados.

“Uma implicação do trabalho de Townsend é que devemos sempre considerar a possibilidade de que outros fatores além da cultura, incluindo mas não limitados à fome, também possam moldar o comportamento humano”, disse Lee Cronk, antropólogo da Rutgers University-New Brunswick, em comunicado divulgado pelo EurekAlert. “Outra implicação é que não podemos usar o Ik como exemplo de uma sociedade que adotou o egoísmo”.

Na investigação sobre a comunidade entre 1964 e 1967, Colin Turnbull escreveu que os Ik tinham “cultivado o individualismo até ao ápice”, abandonando crianças e roubando comida dos idosos.

Turnbull queria que o povo fosse disperso no Uganda para destruir a sua cultura e idioma, mas nunca o conseguiu. Porém, a reputação que criou continuou a atormentar o povo Ik durante décadas.

“O erro mais fundamental de Turnbull pode ter sido assumir que todo o comportamento o povo Ik, juntamente com todo o comportamento humano de forma mais ampla, é melhor explicado com referência à cultura”, argumentam os autores.

A explicação mais provável é que o comportamento que Turnbull observou foi um subproduto da fome – e não uma adaptação cultural à escassez.

Desde a fome dos anos 60, os Ik passaram por outros períodos de fome, além de uma epidemia de cólera. A resiliência a essas dificuldades extremas é um testemunho contínuo da cultura Ik.

Esta não é a primeira vez que os escritos de Turnbull sobre o povo Ik enfrentam críticas. Ao longo dos anos, muitos estudiosos começaram a contestar a ideia de que estas pessoas eram seres humanos adúlteros e insensíveis, totalmente despreocupados com a família e entes queridos.

“O relato de Turnbull sobre a cultura Ik acabou por divergir da maioria das observações que fizémos – na medida em que às vezes eu estava sob a impressão que estava a lidar com pessoas totalmente diferentes”, escreveu o antropólogo Bernd Heine, que foi morar entre os Ik na década de 1980.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. “Razoavelmente normais” é uma expressão bem infeliz usada por quem pretende razoavelmente obedecer à objetividade científica. Dentro dos parâmetros utilizados por Cathryn Townsend, como se classificariam as populações das sociedades consumistas ocidentais? Ou será que é nestas sociedades que ela vai buscar o seu conceito de “razoavelmente normal”?

  2. Aqui está um bom esclarecimento, antes que viesse aí alguma vaga de que tal opinião se tratava simplesmente de uma afirmação racista, assim tudo fica bem, tudo gente boa e culta, como em toda a parte.

RESPONDER

PayPal resiste à pandemia. Volume de pagamentos cresce 30% no segundo trimestre

O volume de pagamentos através do PayPal cresceu 30% no segundo trimestre. A empresa parece resistir à pandemia de covid-19, que abalou o setor das viagens, cujos pagamentos estão muitas vezes associados a meios eletrónicos. …

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de beberem desinfetante para as mãos

Quatro pessoas morreram nos Estados Unidos depois de ingerirem desinfetante para as mãos à base de álcool, revelou um relatório do Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) do país esta quarta-feira publicado. De …

Jim Hackett deixa a Ford após três anos de liderança

Ao fim de três anos como CEO da Ford, Jim Hackett será substituído por Jim Farley. Um mandato que fica marcado por problemas financeiros, de produção e pela morte dos três volumes e utilitários. O mandato …

Covid-19: Portugal tem mais 186 casos e quatro pessoas morreram desde sexta-feira

Portugal regista hoje mais quatro mortos e 186 novos casos de infeção por covid-19 em relação a sexta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o relatório da DGS sobre a situação …

Versão americana da Eurovisão chega em 2021

O Festival Eurovisão da Canção — o maior espetáculo de entretenimento televisivo do mundo — vai chegar aos Estados Unidos no final do próximo ano. A novidade foi divulgada, esta sexta-feira (7), em comunicado oficial. A …

Contratações na TVI após apoios financeiros "suscitam preocupação"

O professor universitário e ex-ministro Miguel Poiares Maduro manifestou "preocupação" relativamente às contratações na TVI, da Media Capital, grupo que beneficia do apoio do Estado, através da compra antecipada de publicidade institucional. Em entrevista à Lusa, …

Invocando Sá Carneiro, Miguel Albuquerque também defende diálogo entre PSD e Chega

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu que o PSD deve dialogar com vários partidos, incluindo o Chega de André Ventura. Depois de Rui Rio admitir em entrevista à RTP que poderá vir …

Sobe para 18 o número de mortos no acidente de avião na Índia

As autoridades indianas atualizara para 18 o número de mortes no acidente com o avião da Air India Express, que voava do Dubai para Kozhikode, no sul da Índia, e que se partiu em dois …

Luz verde para reabertura de centros de dia. DGS sugere dois metros de distância entre idosos

Os centros de dia vão poder reabrir a partir de 15 de agosto, mas de forma faseada e condicionados a uma avaliação prévia da Segurança Social e entidade de saúde local sempre que funcionem juntamente …

Vacina russa para a covid-19 preocupa cientistas. País pode estar a saltar etapas

Países de todo o mundo continuam na corrida por uma vacina contra a covid-19. A Rússia diz estar prestes a anunciar a vacina, deixando preocupada a comunidade científica, ao passo que Itália avança para os …