Índia está prestes a lançar o maior programa de rendimento mínimo da História

O governo de Siquim, o menor estado indiano, anunciou um plano para implementar um rendimento mínimo universal para cada um dos seus 611 mil cidadãos, que visa substituir um conjunto “confuso” de bolsas de assistência social atribuídas atualmente.

Conhecido como ‘Universal Basic Income‘ (rendimento básico universal, em português) este apoio é um rendimento regular e garantido pelo governo a todos os cidadãos, de forma universal e incondicional.

Segundo informou o Washington Post, a 18 de janeiro, trata-se de um pagamento que visa substituir “o leque muitas vezes confuso de bolsas de assistência social” que os estados oferecem aos cidadãos, colocando “as decisões dos gastos nas mãos dos destinatários”.

Caso seja bem-sucedido, a iniciativa do estado de Siquim representará a maior experiência tendo por base o conceito da renda básica universal, que, segundo os seus defensores – como Elon Musk e Mark Zuckerberg -, pode fornecer uma rede de segurança, ajudar a aliviar a pobreza e enfrentar o desafio da automização de trabalho.

Os críticos deste conceito, contudo, acreditam que o mesmo é muito caro e reduz o incentivo para o trabalho. Já o economista Pranab Bardhan, professor na Universidade da Califórnia, em Berkeley (Estados Unidos), esclarece que a ideia, na Índia, é muito diferente do que seria em países desenvolvidos, “nos quais estas preocupações seriam plausíveis”.

“Nos países desenvolvidos, o principal objetivo é reestruturar ou economizar esquemas de bem-estar existentes, como benefícios para desempregados. Em países de baixa ou média renda, como a Índia, o raciocínio é combater a insegurança económica mínima de uma parcela maior da população, não apenas dos mais pobres, sem tocar as medidas anti-pobreza existentes”, explicou.

Embora o governo de Siquim já tenha avançado com uma data para o lançamento deste medida – 2022 -, ainda não são conhecidos os detalhes, como o valor que será recebido por cada residente e quanto custará o programa ao estado.

De acordo com o Washington Post, os setores de turismo e da energia serão utilizados como recurso financeiro. O turismo é uma importante fonte de receita no estado, com mais de 2,5 milhões de visitantes por ano. Além disso, como gerador excedente de energia, Siquim vende 90% da sua energia hidroelétrica.

“Em última análise, esta é uma questão de vontade política”, afirmou Prem Das Rai, o único membro do estado que faz parte do parlamento indiano. “Com o aumento da desigualdade global, queremos garantir que diminuamos essa lacuna”.

Siquim já tem um histórico ao nível do progresso: em 1998, foi um dos primeiros estados indianos a banir sacos de plástico – uma proibição que implementou com sucesso, contrariamente ao que aconteceu em muitos outros lugares.

Forneceu igualmente casas para todos os seus cidadãos, tornando-se, recentemente, o primeiro estado orgânico do país, ao eliminar o uso de pesticidas e fertilizantes.

A Índia já possui um mecanismo alargado de seguridade social: o governo federal, por exemplo, gasta 5% do PIB em 950 programas sociais, incluindo arroz gratuito e emprego garantido para alguns residentes de áreas rurais.

Mas a implementação ineficiente de tais programas e o desvio de fundos por causa da corrupção há muito afligem o sistema, levando alguns especialistas a proporem a renda básica universal como uma solução possível.

Os índices sociais no estado também se destacam do restante da Índia, com uma taxa de alfabetização de 98% e com apenas 8% da população a viver abaixo do limiar da pobreza, em comparação com quase 30% registado a nível nacional. A pequena área geográfica de Siquim e a sua baixa densidade populacional foram responsáveis, em parte, pelo seu sucesso.

O Washington Post indicou ainda que a implementação, em pequena escala, da renda básica universal noutros locais do mundo teve um “sucesso limitado”.

Em abril de 2017, o governo de Ontário (Canadá), anunciou um projeto-piloto, envolvendo quatro mil pessoas, que terá custado 150 milhões de dólares canadianos (99 milhões de euros). O projeto terminou abruptamente após um ano, com a mudança do governo local.

Na Finlândia, uma experiência do género finalizou em dezembro, depois de completar o período de testes de dois anos, não havendo, atualmente, planos para continuar o programa, que incluía um pagamento mensal de 630 dólares (554 euros) para dois mil cidadãos desempregados.

Enquanto isso, nos EUA, o conceito foi criado na cidade de Stockton, na Califórnia. No ano passado, o prefeito anunciou que 100 moradores receberiam 500 dólares (440 euros) por mês, durante 18 meses.

O conceito ‘Universal Basic Income’ encontrou apoiantes em Silicon Valley (EUA), com empresários como Zuckerberg e Elon Musk. No seu discurso de formatura em Harvard, em 2017, Zuckerberg falou da necessidade de um “novo contrato social”, com ideias como uma renda básica para fornecer um “colchão” para todos.

Elon Musk descreveu essa iniciativa como um passo “necessário”, já que a automatização nos locais de trabalho tem substituído a mão-de-obra humana.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Isso nunca chegará cá, porque a esquerda é pelo poder do Estado, o poder de decidir quem recebe subsidios ou não. Um rendimento “universal” não passaria pelo controlo do Estado a esquerda nunca apoiará tal medida. O presidente Ram Nath Kovind é do RSS um partido indiano de direita

RESPONDER

Google impediu acidentalmente a venda de uma antiguidade roubada

No início deste mês, uma tentativa de contrabandear uma antiga pedra esculpida foi frustrada por uma simples busca no Google. O funcionário da alfândega em Heathrow achou que a alegação era suspeita. O contrabandista escreveu num …

Exposição de Joana Vasconcelos em Bilbau foi a 13.ª mais vista no mundo em 2018

A mostra de Joana Vasconcelos, atualmente patente no Museu de Serralves, foi vista em Bilbao por cerca de 649 mil pessoas - uma média de 5.600 por dia. A exposição I'm Your Mirror, de Joana Vasconcelos, …

O melhor professor do mundo é queniano e doa 80% do seu salário

Peter Tabichi é queniano, tem 36 anos e doa 80% do salário para desenvolver a sua comunidade local, numa remota vila no Quénia. Este domingo foi eleito, no Dubai, o melhor professor do mundo. Em Pwani, …

Pentágono autoriza mil milhões de dólares para construção de muro de Trump

O secretário da Defesa interino norte-americano, Patrick Shanahan, anunciou na segunda-feira o desbloqueio de mil milhões de dólares para a construção de um muro na fronteira entre os Estados Unidos e o México. Shanahan “autorizou o …

Advogados de Rui Pinto recorrem da prisão preventiva

Os advogados de Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", confirmaram esta segunda-feira que vão recorrer da medida de prisão preventiva aplicada sexta-feira ao seu cliente pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa. A decisão de recorrer …

Se a corrida continuar a três, McLaren ameaça deixar a Fórmula 1

A McLaren, a segunda equipa mais antiga da Fórmula 1, ameaça desistir da modalidade caso os regulamentos elaborados para 2021 não a tornem numa competição justa. A visão da Fórmula 1, a modalidade de automobilismo mais …

México quer que rei da Espanha peça perdão pela conquista colonial

Obrador diz que esta é a única forma possível de obter a reconciliação plena entre os países. O pedido foi feito por carta. O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, anunciou ter enviado uma carta ao …

"O Vieira pediu-me para dar uma coça a Francisco J. Marques"

Vítor Catão, diretor desportivo do S. Pedro da Cova, afirmou que o Benfica, através do seu presidente Luís Filipe Vieira, lhe deu 200 mil euros para colocar uma "lapa" no carro de Pinto da Costa, …

"Governo saudita deu a ordem" para matar Khashoggi

Em entrevista ao El Mundo, a namorada do jornalista saudita Jamal Khashoggi afirma que a ordem que determinou a sua morte foi dada pelo Governo da Arábia Saudita. Em entrevista ao diário espanhol El Mundo, a …

Já há água, eletricidade e estradas abertas na cidade da Beira

Começam a ver-se pequenos avanços na Beira, em Moçambique, que inicia o lento caminho da reconstrução, após a passagem do ciclone Idai, que matou pelo menos 446 pessoas e destruiu cerca de 90% dos edifícios …