“Hormona da fome” pode influenciar memória e fazer com que se coma mais

Bruce Tuten / Flickr

Um novo estudo, liderado por investigadores da University of Southern California, sugere que as hormonas reguladoras da fome produzidas pelo estômago também podem influenciar a memória e a função cognitiva.

Em 2018, a equipa de especialistas da USC publicou um estudo na Nature Communications onde foram investigadas as repercussões cognitivas da comunicação entre o intestino e o cérebro. A pesquisa centrou-se no nervo vago – um nervo longo que medeia a comunicação entre o sistema digestivo e o cérebro.

A perturbação do nervo vago prejudicou a capacidade de um animal regular os seus comportamentos alimentares, mas o estudo também descobriu deficiências cognitivas inesperadas, descobrindo que animais com esta via de comunicação cortada, exibiam deficiências de memória operacional.

Seguindo estas conclusões, o novo estudo publicado na Current Biology em setembro, focou-se agora numa hormona chamada grelina. A grelina é também conhecida como a “hormona da fome” devido à sua função de regular os comportamentos alimentares. A hipótese que sustenta esta nova pesquisa é que a grelina pode estar a influenciar funções cognitivas mais amplas, para além dos comportamentos alimentares.

Quando o estômago fica vazio, intensifica a secreção da grelina, a hormona que atua no cérebro dando a sensação de fome. Quanto mais elevada for a sua produção, maior será a sensação de fome. Quando nos alimentamos, a secreção da grelina diminui e a secreção de leptina aumenta gerando saciedade.

Scott Kanoski, autor principal do novo estudo, explicou que o aumento de grelina nos intestinos dos ratos fez com que os animais comessem com mais frequência, sendo que desta forma os ratos ganharam peso.

Segundo Kanoski, “o aumento da frequência alimentar está relacionado com o comprometimento da memória. A memória da última vez que se comeu vai influenciar a próxima vez que se vai fazer uma refeição. Isso fez com que os ratos que participaram no estudo comessem mais vezes”.

Esse comprometimento da memória fez com que os animais se esquecessem rapidamente que tinham comido. “Os animais eram prejudicados por um tipo de memória, chamada memória episódica”, explica Elizabeth Davis, co-autora estudo.

“Este é o tipo de memória que o ajuda a lembrar de coisas básicas como o primeiro dia de aula, ou o que se comeu ao pequeno-almoço”, remata a especialista, justificando o porquê assim a relação de comunicação entre o intestino e o cérebro – e que nos pode levar a comer mais vezes.

Os especialistas adiantam ainda que esta relação entre os dois órgãos pode ser o principio de vários estudos que podem ajudar a perceber melhor a influencia que o intestino tem na cabeça, diz o New Atlas.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal com duas mortes, 1.556 casos e menos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas duas mortes associadas à covid-19, 1.556 novos casos de infeções confirmadas, a maioria em Lisboa e Vale do Tejo, uma diminuição nos internamentos em enfermaria e um aumento nos …

Cristiano sai? Juventus tem sete alternativas

Juventus já terá uma lista restrita de possíveis reforços, caso o português deixe Turim durante este verão. Cristiano Ronaldo pode não voltar a jogar pela Juventus e, por isso, o clube de Turim já estuda alternativas …

UNESCO recomenda incluir Veneza na lista de património mundial em perigo

A UNESCO publicou estas recomendações a um mês da próxima sessão do seu comité de património mundial, que se vai realizar na China, de 16 a 31 de julho. Em Veneza, o impacto do turismo de …

No One Britain One Nation Day, (quase) todas as crianças britânicas vão cantar uma canção patriótica

O Governo britânico está a encorajar todas as crianças em idade escolar a cantar uma música patriótica, muito criticada nas redes sociais. O Departamento de Educação do Reino Unido quer que as escolas participem no One …

Descoberta a causa da extinção em massa mais severa dos últimos 540 milhões de anos

A extinção em massa mais dramática nos últimos 540 milhões de anos eliminou mais de 90% das espécies marinhas e 75% das espécies terrestres da Terra. Mas qual foi a sua causa? Embora os cientistas tenham …

Este robô pode salvar agricultores de um inesperado assassino

O Grain Weevil é um robô criado por estudantes de engenharia que pode salvar a vida de de agricultores e dos seus familiares de um assassino inesperado: cereais. Se os agricultores não gerirem ativamente os seus …

Ferro Rodrigues arrasado por pedir deslocação "massiva" de portugueses a Sevilha para apoiar Selecção

Numa altura em que o Governo se prepara para anunciar um travão no desconfinamento devido ao aumento de casos de covid-19, Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, é duramente criticado por ter apelado à …

Certificado digital vai permitir livre circulação em todo o país

O Certificado digital Covid-19 da União Europeia vai também servir de "passaporte" em todo o país para cidadãos em determinadas situações, prevê o decreto-lei que o governo vai apresentar esta quinta-feira. Segundo apurou o jornal Público, …

covid, Lisboa

Travão no desconfinamento em todo o país. Porto à beira do alerta e Lisboa pode recuar 2 meses

Os números da pandemia de covid-19 "continuam a aumentar", reconhece Marta Temido numa altura em que o Governo deverá anunciar o travão no desconfinamento em todo o país. Mas a situação em Lisboa é mais …

Todos contra o Chega. Parlamento chumba projeto sobre enriquecimento injustificado

O Parlamento rejeitou projecto de lei de André Ventura sobre enriquecimento injustificado com os votos contra de todos os partidos, exceto do PAN, que se absteve, e da deputada Cristina Rodrigues. O projeto de lei de …