“Hormona da fome” pode influenciar memória e fazer com que se coma mais

Bruce Tuten / Flickr

Um novo estudo, liderado por investigadores da University of Southern California, sugere que as hormonas reguladoras da fome produzidas pelo estômago também podem influenciar a memória e a função cognitiva.

Em 2018, a equipa de especialistas da USC publicou um estudo na Nature Communications onde foram investigadas as repercussões cognitivas da comunicação entre o intestino e o cérebro. A pesquisa centrou-se no nervo vago – um nervo longo que medeia a comunicação entre o sistema digestivo e o cérebro.

A perturbação do nervo vago prejudicou a capacidade de um animal regular os seus comportamentos alimentares, mas o estudo também descobriu deficiências cognitivas inesperadas, descobrindo que animais com esta via de comunicação cortada, exibiam deficiências de memória operacional.

Seguindo estas conclusões, o novo estudo publicado na Current Biology em setembro, focou-se agora numa hormona chamada grelina. A grelina é também conhecida como a “hormona da fome” devido à sua função de regular os comportamentos alimentares. A hipótese que sustenta esta nova pesquisa é que a grelina pode estar a influenciar funções cognitivas mais amplas, para além dos comportamentos alimentares.

Quando o estômago fica vazio, intensifica a secreção da grelina, a hormona que atua no cérebro dando a sensação de fome. Quanto mais elevada for a sua produção, maior será a sensação de fome. Quando nos alimentamos, a secreção da grelina diminui e a secreção de leptina aumenta gerando saciedade.

Scott Kanoski, autor principal do novo estudo, explicou que o aumento de grelina nos intestinos dos ratos fez com que os animais comessem com mais frequência, sendo que desta forma os ratos ganharam peso.

Segundo Kanoski, “o aumento da frequência alimentar está relacionado com o comprometimento da memória. A memória da última vez que se comeu vai influenciar a próxima vez que se vai fazer uma refeição. Isso fez com que os ratos que participaram no estudo comessem mais vezes”.

Esse comprometimento da memória fez com que os animais se esquecessem rapidamente que tinham comido. “Os animais eram prejudicados por um tipo de memória, chamada memória episódica”, explica Elizabeth Davis, co-autora estudo.

“Este é o tipo de memória que o ajuda a lembrar de coisas básicas como o primeiro dia de aula, ou o que se comeu ao pequeno-almoço”, remata a especialista, justificando o porquê assim a relação de comunicação entre o intestino e o cérebro – e que nos pode levar a comer mais vezes.

Os especialistas adiantam ainda que esta relação entre os dois órgãos pode ser o principio de vários estudos que podem ajudar a perceber melhor a influencia que o intestino tem na cabeça, diz o New Atlas.

ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

Quão escuro é o Universo? Mais do que pensávamos, apurou a New Horizons

Novas medições levadas a cabo pela sonda espacial não tripulada da NASA New Horizons mostram que o Universo não é tão escuro como pensávamos. A escuridão do Universo é um fenómeno conhecido e estudado, sendo …

Listrada ou com manchas? Encontrados ventos e correntes na anã castanha mais próxima

Uma equipa de investigadores liderada pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, encontrou bandas e listras na anã castanha mais próxima da Terra. A descoberta sugere a existência de processos que agitam a atmosfera da …

Encontradas fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico

Investigadores encontraram fibras de poliéster em todo o Oceano Ártico. As evidências sugerem que lavar as nossas roupas está a contribuir para esta contaminação. Há muito tempo que o Ártico provou ser um barómetro da saúde …

Campus universitários nos Estados Unidos podem tornar-se super-propagadores da covid-19

Os campus universitários podem tornar-se super-propagadores do novo coronavírus, que causa a covid-19, para toda a sua área de abrangência, concluiu uma nova investigação levada a cabo nos Estados Unidos. Analisando os 30 campus universitários …

A "máscara mais inteligente do mundo" é recarregável, tem microfone e dá luz

A Razer afirma ter criado a máscara mais inteligente do mundo. O Projeto Hazel é um design com um revestimento externo feito de plástico reciclado à prova de água e é transparente para permitir a …

Novo tratamento permite que pessoas com lesões na espinal medula voltem a mexer mãos e braços

Uma equipa de investigadores da Universidade de Washington conseguiu ajudar seis participantes com lesões traumáticas da espinal medual a recuperar alguma mobilidade de mãos e braços. Muitas das pessoas que sofrem lesões traumáticas da espinal medula …

Ventiladores comprados à China custaram 1,3 milhões. Autarquias algarvias vão pedir devolução do dinheiro

Os 30 ventiladores comprados à China seriam usados nos hospitais do Algarve, mas os equipamentos não funcionam. Os autarcas vão agora exigir devolução do dinheiro. De acordo com a edição do jornal Público deste domingo, o …

EUA um passo atrás da China. Pequim leva avanço na Guerra Comercial (e as suas exportações estão em alta)

No ano em que a pandemia se expandiu em todo o mundo, muitos países viram-se em mãos com graves problemas financeiros e económicos. No caso da China, a situação foi mais positiva e o país …

Alexei Navalny detido no regresso à Rússia

O líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi detido este domingo no aeroporto em Moscovo quando regressava à Rússia. Os serviços prisionais russos (FSIN) detiveram o opositor russo Alexei Navalny, este domingo, à chegada a Moscovo, acusando-o …

Prazo para trocas ou devoluções suspenso durante confinamento

O prazo para efetuar trocas ou devoluções de bens ficará suspenso durante o atual confinamento e as garantias que terminem neste período ou nos 10 dias seguintes serão prorrogadas por 30 dias, segundo diploma publicado …