Homem disfarçado de polícia mata 16 pessoas no Canadá

Pelo menos 16 pessoas morreram no domingo de madrugada, em Nova Escócia, no leste do Canadá, quando um homem armado abriu fogo em vários locais por motivos ainda desconhecidos, disse a polícia.

O atirador, de 51 anos, morreu durante a detenção, no final de uma vasta caça ao homem durante cerca de 12 horas, por toda a província, no leste do Canadá, indicou.

Gabriel Wortman, um técnico em próteses dentárias, de acordo com a imprensa, circulava a bordo de um veículo idêntico aos da polícia, envergando pelo menos parte de um uniforme policial.

O homem abriu fogo em diferentes locais, em circunstâncias e por motivos ainda por esclarecer, num ataque que chocou o país, onde os tiroteios são raros.

Inicialmente, a comissária da Real Polícia Montada do Canadá (polícia federal), Brenda Lucki, indicou que 13 pessoas tinham morrido, mas posteriormente disse que o balanço dos ataques era de pelo menos 16 mortos, incluindo o atirador, de acordo com a cadeia pública CBC.

“É demasiado cedo para falar de motivações”, declarou, em conferência de imprensa, o responsável pelos inquéritos criminais da polícia federal de Nova Escócia Chris Leather, que tinha anunciado inicialmente “mais de dez mortos”.

Várias vítimas “parecem não ter qualquer ligação com o atirador”, mas “o facto deste indivíduo ter um uniforme e um veículo da polícia leva a crer que não se tratou de um ato espontâneo”, acrescentou.

O ataque começou no sábado à noite na pequena localidade rural de Portapique, a cerca de 100 quilómetros da capital provincial de Halifax. Várias vítimas foram encontradas à frente e no interior de uma casa, para onde a polícia foi chamada depois de terem sido ouvidos tiros.

O presumível autor fugiu à chegada da polícia, desencadeando uma vasta caça ao homem, durante uma dezena de horas por toda a província, com as autoridades a pedirem aos residentes para se manterem em casa. Uma agente policial morreu no domingo e um polícia ficou ferido, indicou a corporação.

Gabriel Wortman foi detido no domingo de manhã, em circunstâncias que a polícia ainda não esclareceu. “A perseguição terminou esta manhã [hora local] e o suspeito foi localizado. Posso confirmar que está morto”, indicou Leather.

Este massacre é considerado o pior alguma vez registado no Canadá.

“Nunca imaginei, quando me deitei na noite passada, que fosse acordar com estas notícias horríveis de que um atirador ativo estava à solta na Nova Escócia. Este é um dos atos de violência mais absurdos na história da nossa região”, disse Stephen McNeil, autarca da província canadiana.

Também Justin Trudeau, o primeiro-ministro do Canadá, já reagiu ao episódio, que considerou ser uma “situação terrível”.

Em 6 de dezembro de 1989, um homem matou a tiro 14 mulheres, no Instituto Politécnico de Montreal, antes de se suicidar. Em 2018, em 23 de abril, um motorista de um camião atropelou deliberadamente oito mulheres e dois homens no centro de Montreal.

Com menos de um milhão de habitantes, que vivem sobretudo da exploração da madeira e da pesca, Nova Escócia é uma das províncias menos povoadas do país.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE