Hamilton vence GP de Portugal e alarga recorde de triunfos

José Sena Goulão / Lusa

O britânico Lewis Hamilton (Mercedes) venceu hoje o Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1 e alargou o recorde de triunfos na modalidade, que é seu desde a edição de 2020, com 97 vitórias.

Hamilton, que partiu do segundo lugar da grelha, deixou o holandês Max Verstappen (Red Bull) a 29,197 segundos e o companheiro de equipa, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), em terceiro, a 35,530 segundos.

Com estes resultados, o piloto britânico tem, agora, 69 pontos e alargou a liderança do campeonato face ao holandês, que tem agora 61.

Hamilton admitiu que se divertiu “muito” numa “corrida fantástica”. “Foi uma corrida tão dura… fisicamente e mentalmente. Havia muito vento, era fácil cometer um erro”, começou por explicar o campeão mundial.

Hamilton contou que se sentiu “um idiota” quando foi passado por Verstappen no retomar da corrida após a entrada do ‘safety car’, à sétima volta.

“Estava concentrado no Valtteri [Bottas] e, por uma fração de segundo, olhei para o lado para ver onde estava o Max [Verstappen] e foi nessa altura em que o Bottas arrancou. Depois ia no cone de ar do Bottas e dei-o ao Max. Senti-me um idiota”, admitiu o piloto da Mercedes.

Hamilton alargou a vantagem na liderança do Mundial de Fórmula 1 para oito pontos. Por isso, o sentimento de alívio com que se apresentou na conferência de imprensa após a corrida.

“Do ponto de vista de um piloto, esta pista foi incrível. Foi uma corrida fantástica, muito divertida. Fisicamente também é exigente, mas há curvas largas em que podes estar perto dos outros carros”, disse.

Hamilton alerta que “o campeonato está muito apertado”, pois trava-se “uma grande luta entre Mercedes e Red Bull”, pelo que é necessário “continuar a puxar até à última corrida”.

“Estamos entusiasmados por estarmos na luta com a Red Bull. Acho que eles pioraram um pouco aqui, porque nós não melhorámos. Mas é para isto que vivemos”, frisou. Hamilton revelou ainda que sentiu alguma falta de concentração no início da prova.

“Precisava de estar mais perto [de Verstappen], mas não estava no DRS dele. Tive de arrumar os meus pensamentos, dar uns toques à forma como estava a pilotar. Ele fez um erro na curva cinco e aproximei-me, precisava de manter essa distância o resto da volta para passar e consegui”, contou, sobre a manobra que lhe deu o segundo lugar, antes de chegar à liderança da corrida.

Sobre os pneus, muito criticados por vários pilotos pela falta de aderência ao longo de todo o fim de semana, Lewis Hamilton foi pouco expansivo.

“Os pneus? Não quero falar muito. Consegui um bom equilíbrio [no carro], melhor na corrida do que para a qualificação”, começou por dizer, frisando que “os pneus são diferentes este ano”, pelo que “a abordagem é diferente, mas não há uma grande diferença”.

“Com os mais duros sabemos que duram toda a corrida e que podemos puxar todas as voltas”, disse. O campeão mundial frisou ainda que a “pressão este ano é imensa”.

“Há grande respeito entre nós. É sempre bom quando temos uma corrida como a de hoje em que ultrapassamos e capitalizamos as pequenas diferenças. Mas o Max deu tudo com a Red Bull. Acho que vai ser assim todas as semanas. Corridas justas e isso é que faz as corridas incríveis”, concluiu.

Verstappen tentou “tudo” o que pôde

Max Verstappen admitiu ter tentado tudo o que pôde para conquistar a vitória no Grande Prémio de Portugal, mas sem sucesso.

“Tentei tudo o que pude, sobretudo no reatamento. Nunca me conseguia aproximar nas últimas duas curvas para passar na reta”, começou por explicar Verstappen.

O piloto holandês admite que foi “uma corrida decente”, mas voltou a queixar-se de “falta de aderência”.

“Senti que foi não uma corrida de prego a fundo, mas de poupança de pneus. É difícil dizer [onde é que os Mercedes são melhores do que os Red Bull] quando estamos tão perto, porque perdemos aderência”, explicou.

Por isso, agora espera “para ver em Barcelona a progressão” do carro, pois há nova corrida no próximo domingo, no circuito catalão.

“Temos de melhorar porque devemos ser os mais rápidos em todas as pistas sob todas as condições, porque a pista é igual para todos”, disse.

O piloto holandês está a fazer o melhor arranque de temporada da sua carreira, situando-se a oito pontos do líder Lewis Hamilton após três corridas disputadas.

“Oito pontos é perto, mas gostava que fosse ainda mais perto. A época é longa. Não queremos desistências nem erros estúpidos”, sublinhou Verstappen.

Bottas fala em corrida “desapontante”

O finlandês Valtteri Bottas disse que o seu terceiro lugar no Grande Prémio de Portugal é “desapontante” por ter saído da ‘pole position’.

“Queria ganhar, mas não aconteceu. Ainda não sei porque no início não tive o ritmo com pneus médios que tiveram o Lewis [Hamilton] e o Max [Verstappen]”, começou por dizer o piloto da Mercedes aos jornalistas, na conferência de imprensa após a corrida.

Bottas ainda liderou as primeiras 20 voltas, mas acabou ultrapassado, primeiro por Hamilton e, depois, por Max Verstappen, terminando na terceira posição, a 33,530 segundos do vencedor.

“O início e reinício foram bons para mim, mas rapidamente vi que não tinha o mesmo ritmo que eles com os médios. Depois tive um problema com um sensor e perdi cinco segundos para o Max. E pronto, foi isso”, sublinhou.

Bottas disse que agora “há muitas coisas para analisar nos próximos dois dias”, antes da próxima corrida, o Grande Prémio da Catalunha, que se realiza no próximo domingo, em Barcelona.

O piloto finlandês foi ainda inquirido sobre o apoio via rádio dado pelo diretor da equipa, o austríaco Toto Wolff, durante a prova lusa. “Acontece muitas vezes, abrir a rádio e dizer coisas. O apoio nunca prejudica”, concluiu.

Ainda assim, Bottas ficou satisfeito com os 16 pontos hoje amealhados (15 pelo terceiro lugar e um pela volta mais rápida da corrida), pois “são mais do que na prova anterior”, em que desistiu devido a um acidente com o britânico George Russell (Williams).

Com este resultado, o piloto finlandês está na quarta posição do campeonato, com 32 pontos, a 37 do líder, o seu companheiro de equipa, Lewis Hamilton.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

China suspende "diálogo económico" com a Austrália e denuncia "mentalidade de Guerra Fria"

Esta quinta-feira, o Governo chinês anunciou a suspensão "por tempo indefinido" de todas as atividades realizadas no âmbito da iniciativa "Diálogo Económico Estratégico China-Austrália". As relações entra a China e o ocidente estão cada vez mais …

Bolsonaro diz ter tido sintomas de reinfeção. China acusa-o de "politizar" novo coronavírus

O Presidente do Brasil admitiu na quinta-feira que teve sintomas de reinfeção pelo novo coronavírus "há poucos dias" e afirmou que tomou ivermectina, fármaco sem comprovação científica contra a covid-19. As declarações de Jair Bolsonaro foram …

"É fácil despedir". PCP quer mudar regime de despedimento coletivo e extinção de postos de trabalho

O PCP vai entregar na Assembleia da República esta sexta-feira um projeto de lei que visa limitar os despedimentos coletivos e a extinção de postos de trabalho, eliminando o despedimento por inadaptação. O objetivo do partido …

Páginas ocultas do PRR revelam "reedição da troika" na reforma aos hospitais

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) prevê uma concentração das urgências da Grande Lisboa e Grande Porto, cortes nos gastos e uma gestão dos hospitais mais vigiada com imposição de objetivos financeiros. O jornal Expresso …

Já há uma explicação científica para as "dunas" do céu do Norte

Um ano depois da sua observação, as auroras de dunas, ou auroras boreais em forma de duna, já possuem confirmação e explicação científica. A aurora boreal nasce quando as partículas carregadas expelidas pelo Sol, como eletrões, …

Praia. Desporto e equipamentos de lazer vão ter regras novas

O Governo aprovou esta quinta-feira as regras de acesso e ocupação das praias durante a época balnear, com alterações em relação ao ano passado ao nível da atividade desportiva no areal e da utilização de …

Bastião trabalhista derrotado. Conservadores conseguem vitória na "muralha vermelha" britânica

Os conservadores conseguiram derrubar o domínio trabalhista do círculo de Hartlepool. Jill Mortimer venceu com mais de 50% dos votos e ajudou a reforçar a maioria de Boris Johnson, primeiro-ministro britânico. O antigo deputado trabalhista Mike …

Curso de Medicina na Católica vai custar 100 mil euros. Candidaturas terminam este mês

A Universidade Católica Portuguesa (UCP) anunciou, em setembro do ano passado, ter recebido luz verde da Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) para o curso de Medicina. Agora, sabe-se que vai custar …

Ivo Rosa deixa colegas "estupefactos" com violação de regra sagrada do Direito

O Conselho Superior da Magistratura recebeu várias queixas de juízes desembargadores contra Ivo Rosa. Em causa estão decisões do juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal, especialmente no âmbito do processo Operação Marquês, que vão …

Presidente do Atlético diz que "Félix será um dos melhores da Europa"

O presidente do Atlético de Madrid garantiu que, "dentro de meses", o jovem português "será um dos melhores jogadores da Europa". Numa entrevista à Cadena Cope e Rádio Marca, Enrique Cerezo abordou vários assuntos sobre o …