Hackers podem “roubar” satélites e fazê-los colidir, alerta cientista

Um especialista da Universidade de Denver, nos Estados Unidos, alertou recentemente que eventuais vulnerabilidades em satélites artificiais em órbita podem vir a ser exploradas por piratas informáticos (hackers).

Mais de 50 anos depois do lançamento do primeiro satélite artificial (Sputnik-1), existem agora outros tantos em órbita: meteorológicos, militares, de comunicações.

Todos estes são operados a partir da Terra e é este facto que pode fazer destes objetos “vítimas” de piratas informáticos. De acordo com o cientista William Akoto, vulnerabilidades nos softwares de controlo dos satélites artificias podem ser aproveitadas por hackers.

“Se o hackers se infiltrarem nestes computadores, poderiam enviar comandos maliciosos para os satélites e apoderarem-se deles”, afirmou o cientista, num artigo de opinião publicado recentemente no portal The Conversation.

Akoto alerta que as vulnerabilidades de software, aliadas à falta de normas e regulamentos de segurança cibernética para satélites comerciais, quer nos Estados Unidos como noutros país, podem deixar os satélites muito vulneráveis a ataques cibernéticos.

Estas fragilidades, defende, são ainda maiores se tivermos em conta que muito dos componentes utilizados nos satélites recorrem a tecnologia de código aberto. “Estes ataques poderiam traduzir-se no bloqueio do funcionamento dos satélites, negando assim o acesso aos seus serviços”, sustenta o especialista.

Os hackers poderiam também bloquear ou falsificar os sinais oriundos do satélites, gerando assim o caos em, por exemplo, redes elétrica, de água ou sistemas de transporte.

Por outro lado, alerta ainda, “os satélites têm têm propulsores que lhes permitem acelerar, desacelerar e mudar de direção no Espaço (…) E se o hackers assumissem o controlo destes satélites poderiam alterar as suas órbitas e fazê-los colidir com outros satélites ou até mesmo com a Estação Espacial Internacional”.

Por tudo isto, o cientista da universidade norte-americana considera fundamental que os países trabalhem em prol de uma regulamentação de segurança cibernética espacial, notando que os esforços nesta área têm corrido a um ritmo lento.

“Qualquer que sejam os passos dados pelo Governo [dos Estados Unidos] e pela indústria, é imperativo agir agora. Seria um erro profundo esperar que os piratas informáticos ganhassem o controlo de um satélite antes desta questão [da segurança cibernética] ser abordada”, rematou William Akoto.

 

PARTILHAR

RESPONDER

Contratos de associação dos colégios privados. Ministério da Educação vence todos os 55 processos judiciais

Em todos os 55 processos judiciais que os colégios privados moveram contra o Ministério da Educação em 2016, na sequência da polémica dos contratos de associação, todas as 55 decisões foram favoráveis ao Governo. O jornal …

Famílias numerosas podem pedir desconto no IVA da luz a partir de março

As famílias com cinco ou mais elementos só poderão usufruir da redução do IVA da eletricidade a partir de 1 de março e terão de o requerer junto do seu fornecedor, segundo uma portaria esta …

Vacina da gripe disponível para mais grupos. Farmácias temem não ter stock suficiente

A vacina da gripe está, a partir desta segunda-feira, disponível para mais grupos populacionais com o início da segunda fase da campanha, que estende a vacinação a pessoas com 65 ou mais anos e pessoas …

Franceses em protesto para homenagear professor decapitado. Autoridades procuram radicais islâmicos

Milhares de pessoas reuniram-se no domingo no centro de Paris numa demonstração de repúdio pela decapitação do professor que mostrou aos seus alunos desenhos do Profeta Maomé. Os manifestantes da Praça da República ergueram cartazes onde …

Proud Boys acreditam na vitória de Trump: "Vamos Ganhar". Voto antecipado começa hoje na Florida

O líder do grupo Proud Boys disse à Lusa, durante uma manifestação em Miami, que Donald Trump vai vencer as eleições presidenciais norte-americanas, e rejeitou a acusação de que é dirigente de uma organização extremista. …

Projeto desenvolve testes rápidos de baixo custo para detetar imunidade

Um consórcio de universidades e uma empresa querem desenvolver "testes rápidos e de baixo custo" para detetar a resposta imunitária ao vírus SARS-CoV-2. O projecto TecniCov, que "obteve um financiamento de 450 mil euros da Agência …

"Medo constante". Human Rights Watch denuncia tortura na Coreia do Norte

Uma organização não-governamental denunciou esta segunda-feira que o sistema norte-coreano de detenção pré-julgamento e de investigação é cruel e arbitrário, com ex-detidos a descreverem tortura sistemática, corrupção e trabalhos forçados não-remunerado. No relatório de 88 páginas, …

"Cibermáfia". Rede de criminosos "lavou" milhões de euros em Bancos portugueses

Uma rede de criminosos com origem na Europa de Leste montou um esquema de lavagem de dinheiro roubado em ataques informáticos através de Bancos de países como Portugal. Esta "cibermáfia", como é apelidada pelo Jornal de …

Diplomatas chineses e taiwaneses entram em confronto físico nas ilhas Fiji

Diplomatas da China e funcionários do Governo de Taiwan entraram em confronto físico durante uma receção nas ilhas Fiji, que marcou o dia nacional de Taiwan, ilustrando a crescente tensão entre Pequim e Taipé. A luta …

Mais 1.949 infetados, 17 mortes e 966 recuperados. Portugal passa barreira dos 100 mil casos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 1.949 casos de covid-19, 17 mortes associadas à doença e 966 recuperados, de acordo com o boletim da Direção-Geral da Saúde publicado esta segunda-feira. O número total de infeções …