Para os hackers norte-coreanos, roubar criptomoedas é fácil. Difícil é pôr as mãos no dinheiro

KCNA / EPA

Os especialistas estimam que até 15% da receita da Coreia do Norte dependa de atividades criminosas, sendo que uma parte significativa é impulsionada por ataques informáticos.

Do tráfico de droga à falsificação de dinheiro: a dinastia de Kim Jong-un amealhou dinheiro através de vários esquemas criminosos. Na última década, Pyongyang voltou-se para o crime cibernético, com equipas de piratas informáticos a conduzir roubos de milhares de milhões de dólares contra bancos e bolsas de criptomoedas.

No entanto, há uma grande diferença entre hackear uma entidade e conseguir colocar as mãos no dinheiro. “Eu diria que a lavagem é mais sofisticada do que os próprios hacks“, admitiu Christopher Janczewski, especialista em criptomoedas, ao Technology Review.

Para o fazer, é necessário mover a criptomoeda roubada, lavá-la para ser impossível rastreá-la e trocá-la por dólares, euros ou yuans, moedas que podem comprar bens de luxo e necessidades que nem as bitcoins são capazes de pagar.

As táticas de Lazarus, uma equipa de hackers norte-coreana, estão em constante evolução. Assim que assume o controlo do dinheiro, o grupo tenta encobrir e despistar os investigadores, com um conjunto de técnicas que, normalmente, envolvem a movimentação de grandes montantes para carteiras e moedas diferentes.

A mais recente tática, conhecida como peel chain, baseia-se na movimentação de dinheiro em transações rápidas e automatizadas de uma carteira bitcoin para novos endereços através de centenas – ou até milhares – de transações que escondem a origem do dinheiro.

Uma outra abordagem, chamada chain hopping, move o dinheiro através de diferentes criptomoedas e blockchains de modo a retirá-lo da bitcoin para outras moedas mais privadas.

No fundo, a operação deste grupo de piratas informáticos envolve a criação de centenas de contas e identidades falsas, a um nível de sofisticação que destaca a importância deste tipo de operações para Pyongyang.

É verdade que roubar criptomoedas está longe de ser o crime perfeito, mas continua a resultar no caso particular da Coreia do Norte. Contudo, não há como esconder o facto de a polícia e os reguladores estarem cada vez mais capacitados para lidar com este crime e de a soma dos anos de experiência os dotar de ferramentas importantes na investigação deste tipo de esquemas.

Além disso, há um nível cada vez maior de cooperação com as bolsas, que enfrentam pressões do Governo e lutam por maior legitimidade. Hoje, as ferramentas de vigilância da blockchain são poderosas e cada vez mais difundidas, uma prova de que a criptomoeda não é tão anónima quanto o mito popular apregoava.

Ainda assim, o Estado tem bastante poder, mesmo neste mundo cypherpunk.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Vulcão, La Palma

O Cumbre Vieja também tem negacionistas. "É tudo orquestrado"

Nos últimos dias, as redes sociais têm-se tornado o palco dos "negacionistas dos vulcões" que defendem que, por trás da erupção do Cumbre Vieja, há mão humana. Nas redes sociais já há negacionistas do vulcão Cumbre …

Selecção da Lituânia falhou os Mundiais porque...chegou atrasada

Per Strand venceu, António Morgado ficou em sexto, mas os ciclistas da Lituânia acabaram por marcar a prova de estrada de juniores, nos Mundiais em Flandres. Per Strand Hagenes é o novo campeão mundial júnior de …

Gil Vicente 1-2 Porto | Dragão canta de galo com dois golaços

Foi sofrer até ao fim. Sérgio Conceição tinha alertado que não seria fácil bater o Gil Vicente e foi isso que ocorreu na noite desta sexta-feira em Barcelos. O FC Porto apenas a um minuto dos …

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …