Para os hackers norte-coreanos, roubar criptomoedas é fácil. Difícil é pôr as mãos no dinheiro

KCNA / EPA

Os especialistas estimam que até 15% da receita da Coreia do Norte dependa de atividades criminosas, sendo que uma parte significativa é impulsionada por ataques informáticos.

Do tráfico de droga à falsificação de dinheiro: a dinastia de Kim Jong-un amealhou dinheiro através de vários esquemas criminosos. Na última década, Pyongyang voltou-se para o crime cibernético, com equipas de piratas informáticos a conduzir roubos de milhares de milhões de dólares contra bancos e bolsas de criptomoedas.

No entanto, há uma grande diferença entre hackear uma entidade e conseguir colocar as mãos no dinheiro. “Eu diria que a lavagem é mais sofisticada do que os próprios hacks“, admitiu Christopher Janczewski, especialista em criptomoedas, ao Technology Review.

Para o fazer, é necessário mover a criptomoeda roubada, lavá-la para ser impossível rastreá-la e trocá-la por dólares, euros ou yuans, moedas que podem comprar bens de luxo e necessidades que nem as bitcoins são capazes de pagar.

As táticas de Lazarus, uma equipa de hackers norte-coreana, estão em constante evolução. Assim que assume o controlo do dinheiro, o grupo tenta encobrir e despistar os investigadores, com um conjunto de técnicas que, normalmente, envolvem a movimentação de grandes montantes para carteiras e moedas diferentes.

A mais recente tática, conhecida como peel chain, baseia-se na movimentação de dinheiro em transações rápidas e automatizadas de uma carteira bitcoin para novos endereços através de centenas – ou até milhares – de transações que escondem a origem do dinheiro.

Uma outra abordagem, chamada chain hopping, move o dinheiro através de diferentes criptomoedas e blockchains de modo a retirá-lo da bitcoin para outras moedas mais privadas.

No fundo, a operação deste grupo de piratas informáticos envolve a criação de centenas de contas e identidades falsas, a um nível de sofisticação que destaca a importância deste tipo de operações para Pyongyang.

É verdade que roubar criptomoedas está longe de ser o crime perfeito, mas continua a resultar no caso particular da Coreia do Norte. Contudo, não há como esconder o facto de a polícia e os reguladores estarem cada vez mais capacitados para lidar com este crime e de a soma dos anos de experiência os dotar de ferramentas importantes na investigação deste tipo de esquemas.

Além disso, há um nível cada vez maior de cooperação com as bolsas, que enfrentam pressões do Governo e lutam por maior legitimidade. Hoje, as ferramentas de vigilância da blockchain são poderosas e cada vez mais difundidas, uma prova de que a criptomoeda não é tão anónima quanto o mito popular apregoava.

Ainda assim, o Estado tem bastante poder, mesmo neste mundo cypherpunk.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Adiem a Liga dos Campeões", pede o Borussia Dortmund

Sorteio está marcado para esta quinta-feira mas Michael Zorc avisa: "Faltam requisitos legais para a fase de grupos arrancar". A fase de grupos da Liga dos Campeões vai começar, pela primeira vez, em outubro. A primeira …

Artista "ressuscita" 54 Imperadores Romanos com ajuda da Inteligência Artificial

Artista canadiano usou um ramo da Inteligência Artificial para criar retratos ultra-realistas de antigos Imperadores Romanos como, por exemplo, Calígula, Nero e Adriano. A aparência física destes antigos Imperadores Romanos foi preservada em centenas de esculturas …

Cantar pode ser uma má ideia durante a pandemia

Uma nova pesquisa revelou que cantar em grupo pode ser perigoso em termos de propagação de patógenos. Esta é só mais uma prova de que 2020 chegou para pôr um travão na diversão. A Universidade de …

Emirados Árabes Unidos anunciam missão espacial à Lua para 2024

Um alto responsável dos Emirados Árabes Unidos disse hoje que o país tenciona enviar para a Lua uma nave com um veículo não tripulado em 2024. O desejo de pisar a lua é uma ambição de …

Exército norte-americano quer ter acesso à rede de satélites da SpaceX

O exército dos Estados Unidos está de olho na Starlink, a constelação de satélites da SpaceX, cujo CEO é o multimilionário Elon Musk e que tem como objetivo levar Internet de banda larga a todos …

Portugal tem cada vez menos água disponível

Portugal tem cada vez menos água disponível e nos próximos cem anos a precipitação em certas regiões do país, como o Algarve, pode sofrer uma redução de até 30%, alertou esta terça-feira a Associação Natureza …

Tel Aviv vai ter estradas elétricas que recarregam autocarros em movimento

Tel Aviv, em Israel, está a trabalhar na criação de estradas elétricas sem fios para carregar e fornecer energia aos transportes públicos da cidade. As estradas elétricas são parte de um programa piloto liderado pelo município …

Suicídio entre militares norte-americanos aumenta 20% em época de covid-19

Os suicídios entre os militares subiram 20% este ano em comparação com o mesmo período de 2019, registando-se um aumento nos incidentes de comportamento violento à medida que as tropas lutam contra a covid-19 e …

Turista apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma. Arrisca ser condenado a prisão

Um turista foi apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma, em Itália, e arrisca ser punido com um até um ano de prisão. De acordo com o diário italiano La Repubblica, o turista, …

Função Pública. Fesap exige subida de remuneração mínima para 693 euros

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) exige que a primeira posição da Tabela Remuneratória Única avance para 693,13 euros em 2021 e uma atualização do subsídio de refeição para seis euros. Estas duas medidas …