Para os hackers norte-coreanos, roubar criptomoedas é fácil. Difícil é pôr as mãos no dinheiro

KCNA / EPA

Os especialistas estimam que até 15% da receita da Coreia do Norte dependa de atividades criminosas, sendo que uma parte significativa é impulsionada por ataques informáticos.

Do tráfico de droga à falsificação de dinheiro: a dinastia de Kim Jong-un amealhou dinheiro através de vários esquemas criminosos. Na última década, Pyongyang voltou-se para o crime cibernético, com equipas de piratas informáticos a conduzir roubos de milhares de milhões de dólares contra bancos e bolsas de criptomoedas.

No entanto, há uma grande diferença entre hackear uma entidade e conseguir colocar as mãos no dinheiro. “Eu diria que a lavagem é mais sofisticada do que os próprios hacks“, admitiu Christopher Janczewski, especialista em criptomoedas, ao Technology Review.

Para o fazer, é necessário mover a criptomoeda roubada, lavá-la para ser impossível rastreá-la e trocá-la por dólares, euros ou yuans, moedas que podem comprar bens de luxo e necessidades que nem as bitcoins são capazes de pagar.

As táticas de Lazarus, uma equipa de hackers norte-coreana, estão em constante evolução. Assim que assume o controlo do dinheiro, o grupo tenta encobrir e despistar os investigadores, com um conjunto de técnicas que, normalmente, envolvem a movimentação de grandes montantes para carteiras e moedas diferentes.

A mais recente tática, conhecida como peel chain, baseia-se na movimentação de dinheiro em transações rápidas e automatizadas de uma carteira bitcoin para novos endereços através de centenas – ou até milhares – de transações que escondem a origem do dinheiro.

Uma outra abordagem, chamada chain hopping, move o dinheiro através de diferentes criptomoedas e blockchains de modo a retirá-lo da bitcoin para outras moedas mais privadas.

No fundo, a operação deste grupo de piratas informáticos envolve a criação de centenas de contas e identidades falsas, a um nível de sofisticação que destaca a importância deste tipo de operações para Pyongyang.

É verdade que roubar criptomoedas está longe de ser o crime perfeito, mas continua a resultar no caso particular da Coreia do Norte. Contudo, não há como esconder o facto de a polícia e os reguladores estarem cada vez mais capacitados para lidar com este crime e de a soma dos anos de experiência os dotar de ferramentas importantes na investigação deste tipo de esquemas.

Além disso, há um nível cada vez maior de cooperação com as bolsas, que enfrentam pressões do Governo e lutam por maior legitimidade. Hoje, as ferramentas de vigilância da blockchain são poderosas e cada vez mais difundidas, uma prova de que a criptomoeda não é tão anónima quanto o mito popular apregoava.

Ainda assim, o Estado tem bastante poder, mesmo neste mundo cypherpunk.

LM, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Nélson Semedo está a caminho do Wolverhampton

Há mais um português a caminho do Wolverhampton. Nélson Semedo deverá ser oficializado esta semana, voltando a aumentar o contingente português na equipa de Nuno Espírito Santo. Nélson Semedo está muito perto de ser anunciado como …

Plano Costa e Silva. Costa procura consensos, partidos apresentam lista de preocupações

António Costa vai receber hoje e amanhã os partidos para falar sobre o programa de recuperação da economia, com o plano de Costa Silva como ponto de partida do encontro. Os partidos já deixaram algumas pistas …

Pirlo tem plano para gerir cansaço de Cristiano Ronaldo

O novo treinador da Juventus, Andrea Pirlo, tem um plano para gerir a forma física de Cristiano Ronaldo ao longo da temporada. O internacional português tem 35 anos e cumpre a sua 19.ª temporada como …

Entre lágrimas e após três tentativas, lista dirigente de Ventura foi aprovada

O presidente do Chega conseguiu, este domingo, à terceira tentativa, a maioria de dois terços dos votos exigida para eleger a sua direção na II Convenção Nacional, em Évora. Apenas às 20h02 foram proclamados os resultados …

Marcelo é o único que resiste ao desgaste da pandemia. Governo e oposição em queda

O único que está a conseguir resistir ao desgaste político provocado pela pandemia de covid-19 é o Presidente da República, numa altura em que o PS e o PSD surgem em queda nas intenções de …

Três camisolas e uma vitória histórica. Tadej Pogacar é o vencedor do Tour

O ciclista esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates) venceu a 107.ª Volta a França, ao cortar a meta, nos Campos Elísios, integrado no pelotão, no final da 21.ª e última etapa conquistada pelo irlandês Sam Bennett …

Afinal, os vikings não eram loiros nem tinham olhos azuis (e também não eram da Escandinávia)

Um estudo revelou que os Vikings afinal não eram loiros nem provenientes da Escandinávia. O estudo, realizado através da análise de ADN, conclui ainda que indivíduos que não eram vikings foram enterrados como tal. Normalmente, a …

Emmys 2020: "Succession" é a série do ano, "Schitt’s Creek" e "Watchmen" em destaque

A segunda temporada de “Succession”, da HBO, venceu esta madrugada o prémio de Melhor Série Dramática na 72.ª cerimónia dos prémios Emmy, que decorreu em Los Angeles, EUA, sem público por causa da pandemia. Centrada em …

Aulas do 1.º ciclo em escola de Lisboa suspensas. Escola em Viseu fecha portas

As aulas do 1.º ciclo na escola pública das Laranjeiras, em Lisboa, foram suspensas, devido à falta de funcionários em número suficiente, já que um destes testou positivo para a covid-19. De acordo com o Agrupamento …

PCP de "espírito aberto" para conversações sobre OE, mas recusa "chantagens"

O PCP encara as conversações sobre o Orçamento do Estado de 2021 com “espírito aberto”, sem “linhas vermelhas ou azuis”, mas recusa “chantagens” e “pressões” do primeiro-ministro, disse este domingo o secretário-geral dos comunistas. Numa conferência …