Há vestígios no Brasil do asteróide que dizimou os dinossauros

Há 65 milhões de anos, um asteróide terá chocado com a Terra, sendo responsável pelo fim da era dos dinossauros no nosso planeta e abrindo caminho ao desenvolvimento dos pequenos mamíferos, marcando a transição entre os períodos Cretáceo e Paleógeno.

E, apesar de o asteróide ter caído na península de Yucatán, no México, há um pedaço do Brasil que guarda registos do acontecimento que mudou a vida terrestre para sempre.

Esse lugar fica em Pernambuco, especificamente no município de Paulista. Ali, a Mina Poty exibe nas suas rochas algumas microesféculas, que são grãos de vidro microscópicos, juntamente com fragmentos de quartzo do impacto, que são produzidos pelo calor gerado no momento da colisão com o asteróide.

Estes objectos foram lançados para a atmosfera, caindo em algumas partes do planeta — e uma delas é a cidade de Paulista.

A área traz marcas geológicas desse período histórico da Terra e também apresenta resquícios do mega-tsunami causado pelo impacto do asteróide que provocou ondas de 20 metros de altura a 112 km/h, que alcançaram o Nordeste brasileiro.

Dada a relevância histórica da região, o sítio será preservado e será aberto a visitas a partir de Novembro de 2017.

A descoberta

O responsável por descobrir a preciosa região pernambucana foi o geólogo brasileiro Gilberto Albertão, lá no início dos anos 1990, quando estava a fazer pesquisas para o seu mestrado na Universidade Federal de Ouro Preto. Ele pretendia verificar se nalguma bacia sedimentar brasileira havia evidências físicas ou biológicas das extinções do período Cretáceo — e conseguiu.

Além de descobrir fósseis vertebrados marinhos, o geólogo também localizou anomalias químicas e físicas mostrando os resquícios do asteróide em questão.

“O primeiro efeito do impacto foi um grande incêndio global, em função da chegada desse corpo. O atrito do asteróide gerou um super-aquecimento. E em todas as áreas desse limite que são continentais existem evidências de anomalia de carbono”, explicou.

Gilberto Albertão continuou a estudar a região até mesmo mais de duas décadas depois da conclusão do seu mestrado. Agora, a manutenção do local ficará a cargo da Votorantim, em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco que, por sua vez, será responsável por novos estudos que serão conduzidos por lá.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Há três datas prováveis para o Apocalipse. Duas das quais ainda este século

A humanidade corre o risco de ser extinta devido à colisão da Terra com um corpo celeste, a uma catástrofe natural ou até tecnológica. Este cenário não é uma fantasia saída dos filmes de Hollywood, …

Tondela vs Porto | Dragões garantem vantagem para o Clássico

O FC Porto fez o que lhe competia para garantir que chegava ao “clássico” do próximo sábado, com o Benfica, no primeiro lugar do campeonato. Na visita ao Tondela, os “dragões” não deram grandes veleidades …

Enfermeiras suspeitas de sabotar hospital com baratas. Queriam emprego melhor

Enfermeiras das emergências de um hospital italiano terão, alegadamente, libertado baratas no seu departamento. O objetivo era conseguirem uma transferência para outro hospital. As autoridades sanitárias da região de Nápoles abriram uma investigação a um caso …

Cancro do colo do útero pode ser extinto até 2100

Todos os anos, o cancro do colo do útero é a causa de morte de mais de 300 mil mulheres em todo o mundo - mas pode ser extinto até 2100. No ano passado, o diretor-geral …

Fortnite retira anúncios do YouTube para fugir aos predadores sexuais

A produtora de videojogos que criou o Fortnite, muito popular entre jovens e crianças, decidiu retirar os anúncios publicitários do YouTube por temer que estes apareçam ao lado de comentários publicados por pedófilos. A empresa norte-americana …

O alpinista sem pernas que chegou ao cume do Everest foi premiado com o "Momento do Ano"

Um alpinista chinês de 69 anos, que tem ambas as pernas amputadas, conseguiu chegar ao topo do Evereste em maio de 2018. A perseverança de Xia Boyu valeu-lhe nesta semana um prémio.  Em 1975, Xia Boyu …

Numa empresa neozelandesa só se trabalham quatro dias por semana (mas a produtividade aumentou)

Em março e abril do ano passado, uma empresa neozelandesa implementou um novo modelo laboral: trabalhar apenas quatro dias por semana. O estudo final foi publicado esta terça-feira e as conclusões mostram resultados animadores. Quase um …

Portugueses não sabem fazer queixa contra discriminação (e acham que não vale a pena)

Quase toda a gente já ouviu falar de discriminação ou crimes de ódio, mas a maioria tem dificuldade em distinguir os conceitos, desconhece o que fazer perante um caso ou a quem recorrer para fazer …

Imigrantes que entraram ilegais em Portugal terão visto desde que tenham um ano de descontos

Os imigrantes que se encontram em Portugal a trabalhar e a descontar para a Segurança Social há pelo menos 12 meses vão poder ter a autorização de residência mesmo que não tenham entrado no país …

Estudantes no Porto até aos 15 anos vão andar gratuitamente de metro e autocarro

A Câmara do Porto vai garantir passes gratuitos para residentes estudantes na cidade até aos 15 anos, complementando a medida do Governo que prevê a gratuitidade do título de transporte até aos 12 anos. O anúncio …