Há uma dieta certa para os micróbios que vivem no seu organismo

Cada vez que come, está a alimentar uma série de micróbios. E o que eles comem faz uma enorme diferença na saúde humana.

Segundo a Discover, há mais micróbios no nosso corpo (cerca de 38 biliões), do que células humanas (cerca de 30 biliões).

A composição particular da comunidade microbiana pessoal, conhecida como microbioma, é importante para a saúde em geral.

A cada dentada que damos, estamos a alimentar as micro criaturas que compõem o microbioma do intestino.

Segundo Chris Damman, gastroenterologista da Universidade de Washington que passou os últimos 20 anos a estudar o microbioma e os seus efeitos na saúde, um microbioma saudável pode proteger contra perturbações metabólicas e doenças inflamatórias intestinais.

Damman descobriu o que é que os micróbios nas nossas entranhas precisam para manter o organismo saudáve, e não está satisfeito com o estado da nutrição da população geral.

“É muito menos que ideal, precisamente porque limitámos a nossa atenção aos macro e micro-nutrientes de que o nosso corpo necessita, mas ignorámos as necessidades desta comunidade invisível no interior.”

A comunidade de micróbios nos nossos intestinos poderia comparar-se aos cidadãos de uma grande e diversificada cidade. Uma rede de trabalhadores que fazem trabalhos importantes para manter o corpo, como uma grande metrópole, a funcionar sem problemas.

Estes “trabalhadores” estão altamente interligados, e quando são capazes de fazer o seu trabalho corretamente, fornecem ao nosso organismo (“cidade”) as coisas de que ele precisa para prosperar: transporte (sistema músculo-esquelético), comunicação (sistema endócrino), defesa (sistema imunitário), explica Damman.

Como em qualquer cidade, existem alguns jogadores maus, mas num corpo saudável, as coisas geralmente mantêm-se em equilíbrio. Os bons fazem o seu trabalho e os maus são, na sua maioria, mantidos sob controlo.

A manutenção desse equilíbrio é crucial, porque esses micróbios fazem algum trabalho importante. Criam vitaminas e proteínas essenciais. Dividem as toxinas. E desempenham um papel importante no sistema imunitário.

Os micróbios intestinais bem alimentados também ocupam espaço que bactérias perigosas poderiam ocupar de outra forma, tais como as más estirpes de E.coli.

A investigação de Damman mostra que um microbioma mal regulado pode contribuir para a doença inflamatória do intestino e para a Diabetes.

Os investigadores têm mesmo ligado as perturbações da saúde mental ao equilíbrio errado das bactérias intestinais, tais como a depressão e a demência.

Alguns cancros, e talvez até doenças auto-imunes, tais como lúpos, esclerose múltipla, e diabetes tipo 1, estão ligados a um microbioma fora de controlo.

Para que o organismo funcione com o máximo desempenho e haja então este equilíbrio, os micróbios precisam das matérias-primas para fazer o seu trabalho. Ou seja, comer as coisas certas.

O médico fornece uma mnemónica útil: “Os quatro F”, que incluem fibras, fenóis, alimentos fermentados e gorduras (saudáveis).

Grãos inteiros e feijões têm fibra. A aveia em pedaços é especialmente benéfica, diz Damman.

Os fenóis dão às frutas e vegetais as suas cores. E para obter muitos destes fenóis, temos de ingerir muitos alimentos coloridos — ou, como Damman diz, “coma o arco-íris”. Nos alimentos fermentados estão incluidos Kimchi, sauerkraut e Kefir.

Quando se trata de gorduras, o melhor é omega-3s. Damman sugere óleos de frutas em vez de grãos, tais como azeite e óleo de abacate. As nozes e o peixe gordo também contêm gorduras ómega-3.

Se Damman tivesse de recomendar apenas dois alimentos que deviam ser mais consumidos, seriam aveia e feijões de todo o tipo — fontes de fibra.

A fibra e os outros três F’s são o alimento perfeito para aqueles bichinhos subvalorizados que mantêm o nosso corpo a funcionar sem problemas.

Se quer permanecer saudável, preste atenção ao que alimenta os seus micróbios.

  Inês Costa Macedo, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.