Os genes indicam que há 7 mil anos, a maioria dos homens morreu

Os genes dos homens modernos indicam que algo peculiar aconteceu há 5.000 ou 7.000 anos: a maioria da população masculina na Ásia, Europa e África parece ter morrido, deixando apenas um homem para cada 17 mulheres.

Este “gargalo” populacional foi apresentado pela primeira vez em 2015 e, desde então, vários investigadores tentam descobrir o que poderá tê-lo causado. Uma das hipóteses afirmava que a queda da população masculina ocorreu devido a fatores ecológicos ou climáticos, que afetavam particularmente a descendência masculina.

Uma outra teoria sugeriu que a população estava a morrer naturalmente porque existiam homens com maior poder na sociedade e, por isso, reproduziam-se mais.

Agora, um novo estudo publicado na revista Nature Communications no passado dia 25 de Maio, dá outra explicação: as pessoas que vivem em clãs patrilineares – constituídos apenas por homens da mesma descendência – podem ter lutado entre si, acabando com todas as linhagens masculinas de uma só vez.

A proporção de 17 mulheres para cada homem “pareceu-nos muito extrema e deve haver outra explicação”, disse o autor principal do estudo, Marcus Feldman, geneticista populacional da Universidade de Stanford, na Califórnia.

De acordo com a nova explicação, a população masculina não caiu drasticamente. O que aconteceu foi que a diversidade do cromossoma Y diminuiu devido à forma como as pessoas viviam e lutavam na altura. Na verdade, não existiam menos homens, apenas havia menor diversidade genética entre os elementos do sexo masculino.

Os humanos têm 23 pares de cromossomas que carregam a maioria dos nossos genes. Destes, o 23º par é o responsável por determinar o nosso sexo: enquanto as mulheres têm dois cromossomas X, os homens têm um cromossoma X e um Y.

Como os descendentes herdam um cromossoma de cada progenitor, os genes são normalmente misturados, aumentando assim a diversidade entre as espécies. No entanto, o cromossoma Y, não tendo nenhuma outra “contraparte” feminina, acaba por não ser misturado.

Ou seja, o gene fica praticamente o mesmo quando é transmitido de avô para pai e de pai para filho – exceto nos casos onde ocorrem mutações genéticas, que explicam por que motivo o cromossoma Y difere entre os homens).

Guerra pode ter causado o gargalo do cromossoma Y

Para comprovar a sua teoria, os cientistas conduziram 18 simulações nas quais criaram diferentes cenários para justificar o gargalo, fatores como mutações no cromossoma Y, competição entre grupos e a morte.

As simulações demonstraram que a guerra entre clãs patrilineares pode ter causado o “gargalo do cromossoma Y”, porque os membros de cada clã teriam cromossomas Y muito semelhantes entre si. Ou seja, se um clã matasse o outro, reduziria também as hipóteses do cromossoma Y da família passar para a descendência.

No entanto, nas simulações dos investigadores nas quais não existiam clãs patrilineares o gargalo não se deu. Além do mais, o mesmo gargalo não incidia nas mulheres da época, como é demonstrado pelo ADN mitocondrial – um tipo de ADN que apenas é transmitido da mãe para o filho.

“Neste mesmo grupo, as mulheres poderiam ter vindo de qualquer lugar“, disse Feldman à Live Science. “As mulheres poderiam ter chegado ao grupo a partir das vitórias que clã alcançava sobre os outros grupos, ou poderiam também ter sido mulheres que já viviam naquela área.”

Por exemplo, se olharmos para a colonização ao longo da história, normalmente os grupos tendem a “matar todos os homens e manter as mulheres para si mesmos”, notou.

Monika Karmin, geneticista populacional da Universidade de Tartu, na Estónia, que não participou novo estudo, disse que a “beleza de seu estudo” está na forma como os pesquisadores estruturaram a sua hipótese e demonstraram que “os clãs de combate são realmente uma causa provável” para a queda drástica da diversidade genética masculina.

“No entanto, temos que ter em mente que há muito pouca informação sobre a organização social daquele tempo”, disse Karmin, a principal autora do estudo de 2015 que propôs o gargalo pela primeira vez. Ou seja, poderiam haver outras forças “socioculturais” em jogo, acrescentou.

Os investigadores realizaram “cuidadosas simulações computorizadas, enquanto que os estudos anteriores não o fizeram”, disse Chris Tyler-Smith, um outro geneticista evolucionário do Instituto Sanger, no Reino Unido, que não esteve envolvido no estudo.

“A hipótese de que a causa do gargalo foi uma guerra é razoável“, especialmente se considerarmos o período de tempo, reiterou.

Há 5.000 ou 7.000 anos, as pessoas ainda viviam em pequenos clãs e produziam agricultura em pequena escala, um pouco antes dos grupos começarem a mudar-se para sociedades maiores e construirem grandes cidades. Esta foi uma grande “transição entre o início da atividade agrícola, onde se usavam ferramentas de pedra, para a agricultura em sociedades que já usavam ferramentas de metal”, disse Tyler-Smith.

Mas depois deste gargalo “vemos o começo das organizações sociais e a mudança das sociedades de pequena escala para cidades e organizações de pessoas que não estavam interessadas em manter a linhagem do cromossoma Y”, disse Feldman acrescentando que, durante este período, a população masculina foi recuperada.

Por norma, os pesquisadores concentram-se nos comportamentos que podem ter uma base genética e não no comportamento que influencia os genes, considerou Feldman. Esta nova descoberta é “um exemplo do que uma preferência cultural pode fazer para mudar o nível de variação genética“.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting vai avançar com ação de despejo das claques

A SAD leonina vai avançar com uma ação de despejo para que as claques Juventude Leonina e Directivo Ultras XXI deixem os espaços que ocupam no Estádio José Alvalade, avança A Bola esta quarta-feira. De …

"Ninguém quer trabalhar" na Casa Pia. Pais em protesto devido à falta de pessoal

Os pais e encarregados de educação do Centro Educativo e Desenvolvimento D. Maria Pia, em Lisboa, vão entregar na segunda-feira um abaixo-assinado à tutela para pedir a abertura de concursos externos para reforço de pessoal …

Trump elogiou Erdogan, depois de uma reunião que descreveu como "maravilhosa e produtiva"

O Presidente norte-americano, Donald Trump, elogiou na quarta-feira o seu relacionamento com o homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan. Os dois líderes encontraram-se para tentar superar várias diferenças, incluindo a situação na Síria e a compra …

MH17. Novas provas revelam contactos frequentes entre a Rússia e separatistas ucranianos

A equipa internacional que conduziu a investigação sobre a queda do voo MH17 em 2014 no leste da Ucrânia divulgou novas provas que apontam para contactos muito frequentes entre a Rússia e os rebeldes separatistas …

Imunidade diplomática deixa em liberdade suspeito de tentar matar com ácido sulfúrico

O suspeito de homicídio, na forma tentada, ficou em liberdade depois de ter apresentado o passaporte diplomático às autoridades, que impede que seja detido ou constituído arguido. De acordo com a TVI24, um alto responsável da …

Zivkovic quer rescindir contrato com o Benfica

O extremo sérvio quer chegar a acordo com o Benfica para ficar livre a ano e meio do final do seu contrato mas, pelos vistos, a SAD encarnada nem quer ouvir falar dessa hipótese. De acordo …

Cigarros eletrónicos. Primeiro duplo transplante de pulmões feito em jovem de 17 anos em situação de "morte iminente"

Em risco de "morte iminente" por lesões causadas pelo uso de cigarros eletrónicos, um jovem de 17 anos foi submetido a um duplo transplante de pulmões, no estado norte-americano do Michigan. Este caso é considerado …

Parlamento Europeu levanta imunidade do eurodeputado José Manuel Fernandes

O Parlamento Europeu decidiu levantar a imunidade ao eurodeputado do PSD José Manuel Fernandes, após um pedido feito pela justiça e pelo próprio, relativo a uma eventual ação judicial por um alegado crime de prevaricação. Em …

"Agiu de forma premeditada". Mãe que deixou bebé no lixo vai continuar presa

O Supremo Tribunal de Justiça rejeitou esta quinta-feira o pedido de habeas corpus para a libertação da jovem de 22 anos que terá deixado o seu filho recém-nascido num caixote do lixo em Lisboa. A …

Mau tempo nas próximas 48h. Proteção Civil alerta para cheias e quedas de árvores

A Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil alertou para a possibilidade de lençóis de água e de gelo nas estradas, cheias rápidas e queda de árvores, devido ao mau tempo nas próximas 48 horas …