Os genes indicam que há 7 mil anos, a maioria dos homens morreu

Os genes dos homens modernos indicam que algo peculiar aconteceu há 5.000 ou 7.000 anos: a maioria da população masculina na Ásia, Europa e África parece ter morrido, deixando apenas um homem para cada 17 mulheres.

Este “gargalo” populacional foi apresentado pela primeira vez em 2015 e, desde então, vários investigadores tentam descobrir o que poderá tê-lo causado. Uma das hipóteses afirmava que a queda da população masculina ocorreu devido a fatores ecológicos ou climáticos, que afetavam particularmente a descendência masculina.

Uma outra teoria sugeriu que a população estava a morrer naturalmente porque existiam homens com maior poder na sociedade e, por isso, reproduziam-se mais.

Agora, um novo estudo publicado na revista Nature Communications no passado dia 25 de Maio, dá outra explicação: as pessoas que vivem em clãs patrilineares – constituídos apenas por homens da mesma descendência – podem ter lutado entre si, acabando com todas as linhagens masculinas de uma só vez.

A proporção de 17 mulheres para cada homem “pareceu-nos muito extrema e deve haver outra explicação”, disse o autor principal do estudo, Marcus Feldman, geneticista populacional da Universidade de Stanford, na Califórnia.

De acordo com a nova explicação, a população masculina não caiu drasticamente. O que aconteceu foi que a diversidade do cromossoma Y diminuiu devido à forma como as pessoas viviam e lutavam na altura. Na verdade, não existiam menos homens, apenas havia menor diversidade genética entre os elementos do sexo masculino.

Os humanos têm 23 pares de cromossomas que carregam a maioria dos nossos genes. Destes, o 23º par é o responsável por determinar o nosso sexo: enquanto as mulheres têm dois cromossomas X, os homens têm um cromossoma X e um Y.

Como os descendentes herdam um cromossoma de cada progenitor, os genes são normalmente misturados, aumentando assim a diversidade entre as espécies. No entanto, o cromossoma Y, não tendo nenhuma outra “contraparte” feminina, acaba por não ser misturado.

Ou seja, o gene fica praticamente o mesmo quando é transmitido de avô para pai e de pai para filho – exceto nos casos onde ocorrem mutações genéticas, que explicam por que motivo o cromossoma Y difere entre os homens).

Guerra pode ter causado o gargalo do cromossoma Y

Para comprovar a sua teoria, os cientistas conduziram 18 simulações nas quais criaram diferentes cenários para justificar o gargalo, fatores como mutações no cromossoma Y, competição entre grupos e a morte.

As simulações demonstraram que a guerra entre clãs patrilineares pode ter causado o “gargalo do cromossoma Y”, porque os membros de cada clã teriam cromossomas Y muito semelhantes entre si. Ou seja, se um clã matasse o outro, reduziria também as hipóteses do cromossoma Y da família passar para a descendência.

No entanto, nas simulações dos investigadores nas quais não existiam clãs patrilineares o gargalo não se deu. Além do mais, o mesmo gargalo não incidia nas mulheres da época, como é demonstrado pelo ADN mitocondrial – um tipo de ADN que apenas é transmitido da mãe para o filho.

“Neste mesmo grupo, as mulheres poderiam ter vindo de qualquer lugar“, disse Feldman à Live Science. “As mulheres poderiam ter chegado ao grupo a partir das vitórias que clã alcançava sobre os outros grupos, ou poderiam também ter sido mulheres que já viviam naquela área.”

Por exemplo, se olharmos para a colonização ao longo da história, normalmente os grupos tendem a “matar todos os homens e manter as mulheres para si mesmos”, notou.

Monika Karmin, geneticista populacional da Universidade de Tartu, na Estónia, que não participou novo estudo, disse que a “beleza de seu estudo” está na forma como os pesquisadores estruturaram a sua hipótese e demonstraram que “os clãs de combate são realmente uma causa provável” para a queda drástica da diversidade genética masculina.

“No entanto, temos que ter em mente que há muito pouca informação sobre a organização social daquele tempo”, disse Karmin, a principal autora do estudo de 2015 que propôs o gargalo pela primeira vez. Ou seja, poderiam haver outras forças “socioculturais” em jogo, acrescentou.

Os investigadores realizaram “cuidadosas simulações computorizadas, enquanto que os estudos anteriores não o fizeram”, disse Chris Tyler-Smith, um outro geneticista evolucionário do Instituto Sanger, no Reino Unido, que não esteve envolvido no estudo.

“A hipótese de que a causa do gargalo foi uma guerra é razoável“, especialmente se considerarmos o período de tempo, reiterou.

Há 5.000 ou 7.000 anos, as pessoas ainda viviam em pequenos clãs e produziam agricultura em pequena escala, um pouco antes dos grupos começarem a mudar-se para sociedades maiores e construirem grandes cidades. Esta foi uma grande “transição entre o início da atividade agrícola, onde se usavam ferramentas de pedra, para a agricultura em sociedades que já usavam ferramentas de metal”, disse Tyler-Smith.

Mas depois deste gargalo “vemos o começo das organizações sociais e a mudança das sociedades de pequena escala para cidades e organizações de pessoas que não estavam interessadas em manter a linhagem do cromossoma Y”, disse Feldman acrescentando que, durante este período, a população masculina foi recuperada.

Por norma, os pesquisadores concentram-se nos comportamentos que podem ter uma base genética e não no comportamento que influencia os genes, considerou Feldman. Esta nova descoberta é “um exemplo do que uma preferência cultural pode fazer para mudar o nível de variação genética“.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Queda de avioneta na Alemanha fez três mortos e vários feridos

Um pequeno avião Cessna caiu este domingo sobre um grupo de pessoas num aeródromo no centro da Alemanha fazendo pelo menos três mortos e oito feridos, anunciou a polícia. A avioneta atingiu as três vítimas mortais – …

Vacina da gripe já está disponível. SNS tem 1,4 milhões de doses

A vacina da gripe começa esta segunda-feira a estar disponível, sendo gratuita e sem necessidade de receita médica no Serviço Nacional de Saúde para pessoas a partir dos 65 anos, residente em lares e para …

Encontrado raro caracol fossilizado em âmbar com 99 milhões de anos

Uma equipa internacional de paleontólogos descobriu em Mianmar um caracol incrivelmente fossilizado em âmbar datado de há cerca de 100 milhões de anos - sendo, por isso, contemporâneo dos dinossauros.  Ao contrário da maioria dos …

Se não pararmos de comer carne, vamos acabar com o planeta

Cada cidadão deverá reduzir em 75% o seu consumo de carne de vaca, 90% de carne de porco, comer metade da quantidade de ovos e triplicar o consumo de sementes e frutos secos. Segundo um estudo …

Encontrado o mais antigo registo sobre Jerusalém

Especialistas da Autoridade de Arqueologia de Israel (AAI) encontraram uma pedra com uma inscrição de dois mil anos de idade na qual se lê "Jerusalém" em hebraico. Encontrada numa escavação subterrânea por baixo do Centro de …

NASA tem esperança que os ventos de Marte reanimem a Opportunity

Os ventos fortes, que se fazem sentir em Marte num determinado período do ano, poderão ajudar a limpar a poeira dos painéis solares do rover Opportunity, que está adormecido desde junho. De acordo com a …

Dormir muito é tão prejudicial como dormir pouco

Um novo estudo descobriu que dormir muito pode ter consequências tão prejudiciais para a saúde como dormir pouco, reduzindo igualmente as capacidades cognitivas.  Um grupo de cientistas da Universidade norte-americana de Ontario conduziu em junho de 2017 …

Cientistas desenvolveram uma retina humana em laboratório

Cientistas da Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, desenvolveram a partir do zero tecido da retina humana para aprender como é que são compostas as células que nos permitem ver o mundo a cores. Os cientistas …

Asteróide deixa cientistas perplexos com a sua superfície incomum

Cientistas receberam os primeiros dados e fotos do rover MASCOT, que pousou recentemente na superfície do asteroide Ryugu, e ficaram completamente perplexos. Os dados obtidos apontam para uma quantidade extremamente baixa de poeira na superfície do …

Ossadas contam história de criança neandertal devorada por pássaro gigante da Idade do Gelo

Arqueólogos descobriram os restos humanos mais antigos já encontrados na Polónia. Análises posteriores revelaram pertencerem a uma criança neandertal que terá sido devorada por um pássaro gigante. Apesar de as ossadas terem sido recuperadas há já …