A Liberdade Iluminando o Mundo chegou a Nova Iorque há 134 anos. Vinha em 214 caixas

A 17 de junho de 1885, a fragata Isere aportava em Nova Iorque levando a bordo 350 peças, que seguiam em 214 caixas. Depois de montado, este gigante puzzle daria forma a um dos monumentos mais conhecidos do mundo.

A Estátua da Liberdade, a que foi dado o nome oficial de A Liberdade Iluminando o Mundo, chegou em caixotes e fez um longo caminho até se tornar um ícone de Nova Iorque e dos Estados Unidos.

A estátua de cobre – que oxidou com o passar dos anos – foi projetada pelo escultor Frédéric-Auguste Bartholdi – que se inspirou na mãe para desenhar o rosto -, com a colaboração de Eugène-Emmanuel Viollet-le-Duc e Alexandre-Gustave Eiffel, de acordo com o Diário de Notícias.

A estátua foi oferecida por França para comemorar o centenário da independência dos EUA (1776-1876). Mas antes de todas as peças chegarem a Nova Iorque para serem montadas, andou a ser mostrada: a tocha foi exibida em Filadélfia, na Feira Mundial de 1876, para o escultor conseguir dinheiro para fazer a cabeça com a coroa de sete pontas. Depois de construída, a cabeça foi exibida na Exposição Universal de Paris, em 1878.

Os franceses ofereceram a estátua, mas era necessário colocá-la num pedestal que deveria ser construído pelos americanos. Ao todo o monumento mede 92,99 metros, 46,5 são a figura da mulher a empunhar a tocha.

A angariação de fundos para a construção do pedestal não foi fácil e foi Joseph Pulitzer a empreender uma verdadeira campanha para conseguir o dinheiro. Muita gente deu menos de um dólar para esse fundo, mas a estátua seria inaugurada a 28 de outubro de 1886 pelo então presidente americano, Stephen Grover Cleveland.

A estátua – que se ergue na ilha da Liberdade e representa a deusa romana da liberdade Libertas – é Património Mundial da UNESCO e foi considerada uma das Sete Maravilhas do Mundo a partir de 2007. As sete pontas da coroa representam os sete continentes e os sete mares, mas são-lhe atribuídos várias símbolos maçónicos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …