Grupo de cientistas quer fim de “robôs assassinos”

Mark Gubrud / BBC

Mark Gubrud trabalha há 25 anos com organização que luta contra armas robóticas

Mark Gubrud trabalha há 25 anos com organização que luta contra armas robóticas

Há mais de duas décadas, Mark Gubrud, cientista do Programa sobre Ciência e Segurança Global da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, luta pela criação de regras para o controle de armas robóticas autónomas.

Membro do Comité Internacional para o Controle de Armas Robóticas (CICAR), Mark Gubrud e um grupo de activistas, académicos e intelectuais de todo o mundo tentam conseguir a proibição do uso de robôs capazes de matar sem qualquer interferência humana.

A última preocupação deste grupo, refere a BBC, trata-se do lançamento de uma companhia de armamentos britânica, a BAE Systems: o avião de combate autónomo Taranis.

Esta semana, a BAE Systems divulgou imagens dos primeiros voos do protótipo do Taranis, realizados em 2013. A aeronave não-tripulada é capaz de realizar missões intercontinentais, é difícil ser detectada e pode atacar alvos no ar e em terra.

O drone pode igualmente ser controlado a partir de qualquer local no planeta por um piloto em terra. No entanto, o Taranis também pode funcionar sozinho, sem intervenção humana.

O Ministério da Defesa britânico, que financiou parte do projecto, disse que não vai usar o Taranis no modo autónomo.

No entanto, esta questão continua a preocupar Gubrud, que vê o Taranis como um novo avanço no desenvolvimento de robôs e máquinas autónomas capazes de matar sem a intervenção de humanos.

Mark Gubrud / Facebook

Mark Gubrud considera que se tudo for automatizado, sem intervenção humana, deixa de haver controle

Mark Gubrud considera que se tudo for automatizado, sem intervenção humana, deixa de haver controle

“Não é clara a razão pela qual o Reino Unido precisa de um avião autónomo de combate furtivo no século XXI. Para que guerra seria ele é preciso? Que armas terá o inimigo?”, questiona.

Gubrud afirma que faz campanha contra o uso de armamento autónomo há 25 anos e que vê uma oposição generalizada à produção do que chama de “robôs assassinos”.

“Uma pesquisa efectuada em Março do ano passado (da consultoria YouGov) mostra que o público americano é maioritariamente contra a criação de armas autónomas e apoia esforços para as proibir. E o interessante é que esta é a opinião predominante entre membros, ex-membros e familiares de membros das Forças Armadas (dos Estados Unidos)”, disse Gubrud em entrevista à BBC Mundo.

 

Exterminador

Gubrud cita como exemplo de armamentos autónomos em uso, as minas antipessoais, que seriam um género de “robô extremamente simples, que pode estar activado, o que o faz explodir, ou aguardar para ser activado”.

Como exemplos mais avançados, o investigador indica robôs sentinelas sul-coreanos, capazes de identificar intrusos humanos de forma autónoma dentro de uma área determinada, de “disparar também de forma autónoma, ou de ser instruídos de forma remota para abrir fogo”.

BBC / Ministério da Defesa da Grã-Bertanha

Protótipo da aeronave Taranis

Protótipo da aeronave Taranis

Gubrud também cita mísseis, já existentes, que procuram um alvo específico fora do campo visual, mísseis terra-ar ou ar-mar que, segundo ele, têm uma tecnologia que permite distinguir o alvo real de outros falsos, um tipo de navio de outro tipo de navio.

Para Gubrud, não estamos muito distantes de um cenário em que um robô, como o da série de filmes Exterminador Implacável, é accionado para realizar missões específicas em situações de conflito.

“O ‘Exterminador’ era um robô assassino. E vemos o que está a acontecer hoje em dia: uma das mais importantes missões das aeronaves controladas de forma remota (drones) é matar”.

O cientista acredita que quanto maior for a automatização, maior será o risco de perda de controle.

“Se pensarmos num sistema de confronto automático, no qual exércitos de robôs se enfrentam, conseguimos imaginar como seria difícil para uma equipa de engenheiros desenvolver (a tecnologia necessária) e conseguir garantir sua estabilidade a longo prazo?”

 

Controle humano

Gubrud afirma que é preciso deter o desenvolvimento destes robôs autómos o mais rapidamente possível – antes que o desenvolvimento deste tipo de armamento avance.

O primeiro passo neste sentido seria divulgar sua existência. O seguinte, seria lutar pela criação de regras e protocolos que regulamentem o desenvolvimento da tecnologia.

“Acho que os princípios mais fortes para sustentar uma proibição de armas autónomas são os da humanidade: os humanos devem ter sempre o controle e a responsabilidade do uso de uma força letal”, disse.

“É uma ofensa à dignidade humana que existam pessoas submetidas à violência por decisão de uma máquina, ou que estejam sujeitos à ameaça do uso da força por parte de uma máquina, ou que um conflito entre humanos seja iniciado por uma máquina de forma involuntária.”

“É um direito humano não ser morto por uma decisão de uma máquina. Este é um princípio moral muito forte, com uma atracção universal. E esta deve ser a base para proibir as armas autónomas.”

Para o cientista, é preciso definir um regime de controle de armas “que implica que os estados aceitem estes princípios e que os ensinem nas academias militares e que não possuam armas autónomas”.

Mas, Gubrud também é realista e acredita que as principais potências mundiais resistirão a qualquer tentativa de proibir as armas autónomas.

“Certamente os Estados Unidos são os mais importantes; têm uma política declarada a favor do seu desenvolvimento. A China vê uma oportunidade também e já têm sistemas que seriam preocupantes. O mesmo se passa com a Rússia e o Reino Unido.”

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …