Grupo de cientistas quer fim de “robôs assassinos”

Mark Gubrud / BBC

Mark Gubrud trabalha há 25 anos com organização que luta contra armas robóticas

Mark Gubrud trabalha há 25 anos com organização que luta contra armas robóticas

Há mais de duas décadas, Mark Gubrud, cientista do Programa sobre Ciência e Segurança Global da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, luta pela criação de regras para o controle de armas robóticas autónomas.

Membro do Comité Internacional para o Controle de Armas Robóticas (CICAR), Mark Gubrud e um grupo de activistas, académicos e intelectuais de todo o mundo tentam conseguir a proibição do uso de robôs capazes de matar sem qualquer interferência humana.

A última preocupação deste grupo, refere a BBC, trata-se do lançamento de uma companhia de armamentos britânica, a BAE Systems: o avião de combate autónomo Taranis.

Esta semana, a BAE Systems divulgou imagens dos primeiros voos do protótipo do Taranis, realizados em 2013. A aeronave não-tripulada é capaz de realizar missões intercontinentais, é difícil ser detectada e pode atacar alvos no ar e em terra.

O drone pode igualmente ser controlado a partir de qualquer local no planeta por um piloto em terra. No entanto, o Taranis também pode funcionar sozinho, sem intervenção humana.

O Ministério da Defesa britânico, que financiou parte do projecto, disse que não vai usar o Taranis no modo autónomo.

No entanto, esta questão continua a preocupar Gubrud, que vê o Taranis como um novo avanço no desenvolvimento de robôs e máquinas autónomas capazes de matar sem a intervenção de humanos.

Mark Gubrud / Facebook

Mark Gubrud considera que se tudo for automatizado, sem intervenção humana, deixa de haver controle

Mark Gubrud considera que se tudo for automatizado, sem intervenção humana, deixa de haver controle

“Não é clara a razão pela qual o Reino Unido precisa de um avião autónomo de combate furtivo no século XXI. Para que guerra seria ele é preciso? Que armas terá o inimigo?”, questiona.

Gubrud afirma que faz campanha contra o uso de armamento autónomo há 25 anos e que vê uma oposição generalizada à produção do que chama de “robôs assassinos”.

“Uma pesquisa efectuada em Março do ano passado (da consultoria YouGov) mostra que o público americano é maioritariamente contra a criação de armas autónomas e apoia esforços para as proibir. E o interessante é que esta é a opinião predominante entre membros, ex-membros e familiares de membros das Forças Armadas (dos Estados Unidos)”, disse Gubrud em entrevista à BBC Mundo.

 

Exterminador

Gubrud cita como exemplo de armamentos autónomos em uso, as minas antipessoais, que seriam um género de “robô extremamente simples, que pode estar activado, o que o faz explodir, ou aguardar para ser activado”.

Como exemplos mais avançados, o investigador indica robôs sentinelas sul-coreanos, capazes de identificar intrusos humanos de forma autónoma dentro de uma área determinada, de “disparar também de forma autónoma, ou de ser instruídos de forma remota para abrir fogo”.

BBC / Ministério da Defesa da Grã-Bertanha

Protótipo da aeronave Taranis

Protótipo da aeronave Taranis

Gubrud também cita mísseis, já existentes, que procuram um alvo específico fora do campo visual, mísseis terra-ar ou ar-mar que, segundo ele, têm uma tecnologia que permite distinguir o alvo real de outros falsos, um tipo de navio de outro tipo de navio.

Para Gubrud, não estamos muito distantes de um cenário em que um robô, como o da série de filmes Exterminador Implacável, é accionado para realizar missões específicas em situações de conflito.

“O ‘Exterminador’ era um robô assassino. E vemos o que está a acontecer hoje em dia: uma das mais importantes missões das aeronaves controladas de forma remota (drones) é matar”.

O cientista acredita que quanto maior for a automatização, maior será o risco de perda de controle.

“Se pensarmos num sistema de confronto automático, no qual exércitos de robôs se enfrentam, conseguimos imaginar como seria difícil para uma equipa de engenheiros desenvolver (a tecnologia necessária) e conseguir garantir sua estabilidade a longo prazo?”

 

Controle humano

Gubrud afirma que é preciso deter o desenvolvimento destes robôs autómos o mais rapidamente possível – antes que o desenvolvimento deste tipo de armamento avance.

O primeiro passo neste sentido seria divulgar sua existência. O seguinte, seria lutar pela criação de regras e protocolos que regulamentem o desenvolvimento da tecnologia.

“Acho que os princípios mais fortes para sustentar uma proibição de armas autónomas são os da humanidade: os humanos devem ter sempre o controle e a responsabilidade do uso de uma força letal”, disse.

“É uma ofensa à dignidade humana que existam pessoas submetidas à violência por decisão de uma máquina, ou que estejam sujeitos à ameaça do uso da força por parte de uma máquina, ou que um conflito entre humanos seja iniciado por uma máquina de forma involuntária.”

“É um direito humano não ser morto por uma decisão de uma máquina. Este é um princípio moral muito forte, com uma atracção universal. E esta deve ser a base para proibir as armas autónomas.”

Para o cientista, é preciso definir um regime de controle de armas “que implica que os estados aceitem estes princípios e que os ensinem nas academias militares e que não possuam armas autónomas”.

Mas, Gubrud também é realista e acredita que as principais potências mundiais resistirão a qualquer tentativa de proibir as armas autónomas.

“Certamente os Estados Unidos são os mais importantes; têm uma política declarada a favor do seu desenvolvimento. A China vê uma oportunidade também e já têm sistemas que seriam preocupantes. O mesmo se passa com a Rússia e o Reino Unido.”

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Governo do Brasil aponta início da vacinação entre janeiro e fevereiro

O ministro da Saúde do Brasil, Eduardo Pazuello, disse que o país vai começar a receber 15 milhões de doses de vacinas para a covid-19 entre janeiro e fevereiro de 2021, com mais cem milhões …

Solução para Novo Banco pode não passar por um OE retificativo, diz João Leão

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, disse que a alternativa à anulação da transferência de 476 milhões de euros para o Novo Banco não tem "necessariamente que passar" por um orçamento retificativo …

Plano de vacinação arranca em janeiro com três fases. 950 mil pessoas no primeiro grupo prioritário

Pessoas com mais de 50 anos com uma patologia frequente nos casos graves de covid-19, residentes e/ou internados em lares e profissionais de saúde integram o primeiro grupo prioritário para a administração da vacina de …

Segunda vaga de moratórias autorizada pela Autoridade Bancária Europeia

A Autoridade Bancária Europeia (EBA) autorizou a reabertura de moratórias de crédito, com efeitos a partir de 01 de outubro até 31 de março de 2021, dois meses após ter suspendido novas adesões. Num comunicado publicado …

Turquia alvo de críticas duras em reunião da NATO e em risco de sanções

A Turquia esteve esta quarta-feira sob um fogo de críticas na reunião virtual dos Ministros dos Negócios Estrangeiros (MNE) da NATO e, com a deceção manifestada pelos Estados Unidos, deve preparar-se para sanções económicas americanas …

O que Neymar mais quer é voltar a jogar com Messi. Só se vier a custo zero, diz o Barça

O internacional brasileiro Neymar, que alinha pelo PSG, confessou esta quarta-feira que o mais deseja é voltar a jogar com o astro argentino Lionel Messi, com quem partilhou balneário entre 2013 e 2017 no Barcelona. …

Ministro da Administração Interna e procuradora-geral da República vão ser ouvidos no Parlamento

Eduardo Cabrita será ouvido sobre o caso do cidadão ucraniano assassinado nas instalações do SEF e Lucília Gago sobre a "recente diretiva sobre os poderes hierárquicos" na magistratura do Ministério Público. A comissão de Assuntos Constitucionais …

Portugal regista mais 79 mortos e 3.772 novos casos de covid-19

Portugal contabiliza esta quinta-feira mais 79 mortos relacionados com o novo coronavírus, que provoca a covid-19, e 3.772 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Desde o início da …

França investiga 76 mesquitas por suspeita de radicalização islâmica

A França vai investigar nos próximos dias 76 mesquitas por suspeitas de radicalização islâmica, anunciou esta quarta-feira o ministro do Interior do país, Gerald Darmanin. Trata-se de 16 templos na região de Paris e 60 no …

Medidas estão a dar resultados. Novas regras apresentadas sábado vão vigorar até 7 de janeiro

O primeiro-ministro afirmou que as medidas adotadas estão a produzir resultados, havendo uma trajetória descendente de novos casos de covid-19, mas advertiu que janeiro é mês de risco e as restrições não podem ser aliviadas. Esta …