O glifosato pode estar a matar (também) as abelhas

O polémico glifosato, conhecido pela suspeita de que provoca cancro, pode também estar a prejudicar e a matar abelhas. Uma nova investigação aponta um novo efeito colateral do mais famoso herbicida da Monsanto.

De acordo com um novo estudo, publicado nesta semana na Proceedings of the National Academy of Sciences, os cientistas investigaram o efeito deste composto sobre as abelhas e concluíram que o glifosato não só é perigoso para estes insetos como pode ser fatal.

A Bayer, que comprou a Monsanto – empresa que desenvolveu o glifosato – disse que o estudo é baseado num número muito pequeno de abelhas – cerca de 30 – e, por isso, as conclusões não podem ser generalizadas.

Para a investigação, os cientistas estudaram dois grupos de abelhas. O primeiro, foi alimentado com uma solução de açúcar misturada com glifosato. Por sua vez, o segundo grupo recebeu apenas uma solução com açúcar.

De forma a conseguir identificar posteriormente quais os insetos que pertencem a cada grupo, os cientistas pintaram as costas das abelhas com pontos de cores diferentes.

Três dias depois, as abelhas foram novamente recolhidas e examinadas. Os cientistas constatam que as abelhas alimentadas com a mistura de glifosato tinham perdido algumas das suas bactérias benéficas no intestino sendo, por isso, mais suscetíveis a infeções e mortes causadas por bactérias malignas.

Os investigadores concluíram que, alterando a microbiota intestinal das abelhas, o glifosato enfraquece o sistema imunológico destes insetos e pode estar a contribuir para o declínio das populações de abelhas em todo o mundo.

Os herbicidas produzidos à base de glifosato, como o Roundup, da Monsanto, são utilizados em produções agrícolas em todo o mundo há mais de quatro décadas. O glifosato é o herbicida mais usado em todo o mundo, com uma produção anual de 700 mil toneladas.

A notícia de que o glifosato pode também ser prejudicial às abelhas é particularmente assustadora, tendo em conta que as populações de abelhas domésticas e silvestres têm diminuído drasticamente em muitas regiões do mundo. Na China, por exemplo, várias macieiras e pereiras tiveram que ser polinizadas à mão porque não havia abelhas suficientes para o fazer.

Provavelmente, o declínio das populações de abelhas deve-se a um conjunto de fatores, como pragas, uso de herbicidas e inseticidas. O novo estudo vem acrescentar um novo elemento a esta lista.

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …