/

Genética da população portuguesa pode explicar deficiência de vitamina D

1

bacalao / photoxpress

Investigadores concluíram que a população portuguesa tem uma prevalência superior à média europeia de algumas alterações genéticas que levam a uma predisposição para o défice de vitamina D.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Este estudo, coordenado pelo Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa e que envolveu investigadores da Nova Medical School, da Faculdade de Medicina do Porto e do Instituto Gulbenkian da Ciência, mostrou que as pessoas com níveis muito baixos de vitamina D apresentam uma resposta demasiado agressiva à covid-19, o que leva a formas mais graves da doença.

“Muitos outros estudos internacionais vieram reforçar que, de facto, a população quando tem deficiência de vitamina D e apanha o coronavírus – como outros vírus respiratórios e outras infeções respiratórias – a capacidade de resposta [do sistema imunitário] é diferente e o risco de severidade é maior”, explicou à agência Lusa Conceição Calhau, da Nova Medical School.

O projeto VITACOV, cujos dados vão ser divulgados esta sexta-feira, avaliou, entre agosto de 2020 e janeiro deste ano, 517 doentes admitidos nas urgências dos Hospitais de Santa Maria, em Lisboa, e São João, no Porto.

Os resultados podem ajudar a compreender outros dados científicos obtidos no ano passado noutras investigações que demonstraram que cerca de 60% da população portuguesa apresenta níveis de vitamina D muito baixos, quando comparado com cerca de 20% da população finlandesa, por exemplo, para a mesma época do ano.

“Já existia um histórico de caracterização genética da população portuguesa em que já havia a ideia de que a prevalência destes polimorfismos que afetam as vias da vitamina D é superior na população portuguesa, quando comparada com outros países da Europa, e nós confirmámos que isto estaria associado depois à severidade [da covid-19]”, explicou.

Estes novos dados, segundo os investigadores, provam que não é correto supor que os países com mais exposição solar, como Portugal, não apresentam problemas com a deficiência de vitamina D.

Defenderam ainda, face a estes resultados, a importância da caracterização genética, da monitorização da vitamina D e a adoção de outras recomendações ao nível populacional.

“Não é verdade a ideia de que somos um país de sol, que basta apanhar sol e que não vale a pena suplementar”, insistiu Conceição Calhau, que é coordenadora da licenciatura em Ciências da Nutrição na NOVA Medical School – Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

A especialista explicou ainda que aquilo a que se chama ‘doses diárias recomendadas’ para as vitaminas em geral já têm muitas décadas, vêm da altura das grandes guerras, em que se racionava alimentos, e que estes valores eram o mínimo para não ter doença.

“Estávamos em tempo de racionar os alimentos, em concreto a vitamina D, associada ao raquitismo nas crianças e às doenças ósseas do adulto”, afirmou, acrescentando: “Mas quando sabemos que a vitamina D está relacionada com a regulação da pressão arterial, por exemplo, com o sistema imunitário, com a divisão celular (….) percebemos que aquilo que é o macro nós não estamos a ver porque estamos a falar de alguma patologias com alguma cronicidade”.

Adiantou ainda que a vitamina D é ativada pelo organismo e transformada numa hormona, como o cortisol ou a insulina ou as hormonas da tiroide, e que “tem funções tão importantes que vão muito para além do metabolismo do osso”.

“Se doseamos a vitamina D e ela está baixa, pelo menos temos aqui um dado que nos leva a ter a atitude da prescrição de um suplemento de vitamina D”, considera a especialista, insistindo: “Em Portugal nós não temos uma incidência solar capaz [de outubro a maio]. Não temos a incidência da radiação para poder catalisar no fundo aquilo que temos na pele para se produzir a vitamina D”.

Por outro lado, recordou, “temos uma população que cada vez foge mais da gordura” e a vitamina D encontra-se nos alimentos “na fase lipídica”. “Como principalmente nos laticínios as pessoas ou já não comem ou comem só light, também não temos na alimentação grandes fontes de vitamina D”, acrescentou.

A investigadora indicou igualmente que em Portugal ainda há muito preconceito relativamente à suplementação da vitamina D e que a questão da covid-19 acabou por voltar a levantar a questão.

“Se calhar não devemos tanto trabalhar com recomendações populacionais, mas individualizar, o que significa que as pessoas deveriam não só dosear os seus níveis de vitamina D, como fazem com a glicose e o colesterol, mas também fazer uma avaliação do seu padrão genético para saber se de facto têm este erro genético”, concluiu.

O projeto VITACOV, financiado Fundação para a Ciência e Tecnologia, foi coordenado pelo Centro Cardiovascular da Universidade de Lisboa, em parceria com a empresa HeartGenetics, uma ‘start-up’ que nasceu no Instituto Superior Técnico.

  // Lusa

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.