/

“Caso muito raro”. Cientistas identificam dois gémeos de pais diferentes

14

Larry Jacobsen / Flickr

O caso extremamente raro, chamado de superfecundação heteropaternal, aconteceu na Colômbia. Depois de um teste de paternidade, a família ficou a saber que os dois gémeos eram filhos de pais diferentes. 

Segundo o canal russo RT, depois de ter comparado o ADN dos dois gémeos com o do suposto pai, o Grupo de Genética de Populações e Identificação da Universidade Nacional da Colômbia (UNAL) notou que ambos são, na verdade, filhos de pais diferentes.

A análise começou em 2018, quando o alegado progenitor quis fazer um teste de paternidade por ter dúvidas relativamente aos bebés. Para isso, os especialistas basearam-se no painel do cromossoma Y, já que as duas crianças eram do sexo masculino.

“O cromossoma Y segrega-se apenas pela linha paterna, e fá-lo em bloco de uma geração para outra, nunca muda”, explica em comunicado Lilián Andrea Casas Vargas, investigadora do departamento de Biologia da universidade colombiana.

Por não mudarem, é esperado que os marcadores desse cromossoma sejam completamente idênticos ao do pai. Neste caso, só um dos gémeos teve um perfil genético coincidente, enquanto que no outro foram identificadas 14 de 17 não coincidências, o que corroborou a exclusão.

Confrontados com esta estranha situação, os cientistas decidiram repetir os testes. “As pessoas foram novamente chamadas, foram recolhidas outras amostras, fizeram-se os mesmos procedimentos e o caso foi confirmado”.

A universidade definiu este caso, que na ciência se chama de superfecundação heteropaternal, como um “fenómeno extremamente raro”, tendo sido até publicado, em dezembro passado, um relatório na Revista Biomédica del Instituto Nacional de Salud.

A equipa explicou que isto acontece quando “um segundo óvulo, libertado durante o mesmo período menstrual, é fertilizado por um espermatozoide de um homem diferente em relações sexuais separadas”.

  ZAP //

14 Comments

  1. Também aconteceu cá, há talvez dez anos ou mais, segundo recordo na zona do Alentejo… e também houve intervenção de um tribunal… A causa foi a mesma a jovem tinha tido relações com dois homens diferentes num hiato de poucas horas.

  2. Contra o homem vale tudo!.. os teste parentais deveriam de ser como o teste do pezinho ou outros, apenas se o homem dissesse que não o queria e que não se fazia, mas em vez disso puseram se os testes mais caros e inacessíveis!.. uma mulher que engana um homem na parentalidade não devia ser um crime punido severamente?!.. ou só o que é contra a mulher é valorizado?!.. isto ofende a o homem em vários aspectos, mas é contra o homem não faz mal, no país misandrico!..

  3. A mãe tinha uma vida muito activa. Dois homens em tão curto espaço de tempo. E agora como é que se resolve esta situação ?

  4. Pode tratar-se apenas de promiscuidade espontânea, neste caso, mas não me admiraria que estas situações sejam, relativamente, mais prováveis quando há actividade de prostituição em que uma mulher se expõe à fertilização por vários parceiros num curto espaço de tempo (que pode ser de minutos :))
    Mas, antes de atacar a moral da mulher em questão, pensem na liberalidade da nossa atitude sobre a promiscuidade masculina em que um homem pode engravidar várias mulheres num período de algumas horas.
    O que é que chamamos a um bacano que descobre que num só dia engravidou 3 ou 4 mulheres?
    Um grande atrevido, para dizer o menos. É ou não é?
    Pois,…

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE