Freira ganhou primeiro round na batalha por património de 5 milhões (mas a guerra ainda não acabou)

Paulo Cunha / Lusa

Na disputa entre uma freira de quase 90 anos e a diocese de Leiria-Fátima que dura há mais de uma década, a religiosa venceu uma primeira batalha com uma decisão favorável do Supremo Tribunal de Justiça. Mas o caso que tem no centro um património imobiliário avaliado em 5 milhões de euros ainda não terminou.

Após várias decisões divergentes em tribunais de primeira e segunda instância, uns dando razão à freira, outros à Diocese Leiria-Fátima, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) deu razão à causa da religiosa, reconhecendo como válida a doação de uma casa com três andares e uma capela ao seu sobrinho que foi feita pela Pia União das Escravas do Divino Coração de Jesus, instituição de caridade a que pertence.

É esta instituição religiosa que está no centro do caso. Fundada nos Açores, a Pia União das Escravas do Divino Coração de Jesus foi “formada por mulheres licenciadas, várias delas com ligações ao ensino e originárias de famílias de posses” que “fizeram votos privados de pobreza, castidade e obediência”, como reporta o Público.

As Escravas do Divino Coração de Jesus acumularam um património imobiliário avaliado em 5 milhões de euros, fruto das doações que receberam das suas próprias famílias. Nunca receberam qualquer apoio financeiro da Igreja Católica. E em 2004, com apenas quatro freiras vivas, decidiram criar uma Fundação à qual foi doado o património que se encontra repartido entre os Açores, Coimbra e Fátima.

Nessa altura, doaram também um terreno ao Santuário de Fátima e uma casa localizada na Horta, nos Açores, ao sobrinho de uma das freiras, Gabriela Prieto Ferreira que agora responde pelo nome religioso Madalena de Jesus e que é a única das quatro que ainda está viva, continuando a lutar pelo património da instituição de caridade. É esse mesmo sobrinho que lidera a Fundação criada pelas irmãs.

O Supremo Tribunal de Justiça reconheceu, agora, a validade da doação da casa ao sobrinho de Madalena de Jesus, considerando os estatutos da instituição e argumentando que esta “gozava de autonomia no que concerne à administração do seu património”, como cita o Público. “A alienação dos seus bens, fosse por venda ou doação, não estava dependente nem de licença episcopal nem de autorização prévia de qualquer entidade consultiva diocesana”, refere ainda o acórdão transcrito pelo jornal.

A decisão reporta apenas à casa da Horta, mas pode vir a ter efeitos para o restante património, já que na base do caso está determinar se a instituição teria autonomia para dispor do seu património, enquanto associação privada de fiéis, ou se teria que responder perante a Igreja, o que transformaria o património em bens eclesiásticos.

O advogado Ricardo Sá Fernandes que representa a causa da freira refere ao Público que “era muito importante que o assunto se resolvesse com a irmã Madalena de Jesus ainda viva” e “que tudo isto termine em concórdia”. “É com certeza com esse esforço com que Deus conta”, conclui.

A Diocese Leiria-Fátima não se pronunciou sobre o acórdão do Supremo, mas em 2010, comentando o caso num comunicado, sublinhou que se apresenta no processo movida pelos “interesses” de “zelar para que os bens da Pia União sejam usados para as finalidades próprias, religiosas e caritativas, para as quais foram doados”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Iniciativa Liberal pede audição urgente de Costa e Silva

O deputado único João Cotrim Figueiredo solicitou, na quarta-feira, com caráter de urgência, uma audição de António Costa Silva, defendendo que cabe aos partidos “questionar previamente” o conselheiro sobre o plano de recuperação económica. A Iniciativa …

"O vírus não existe". Em Itália, os "coletes laranja" exigem a queda do Governo (e que o país saia da UE)

Inspirados nos Coletes Amarelos franceses, nasceram os "coletes laranjas" em Itália, um movimento de contestação contra o Governo que acredita que "o vírus não existe". Apesar de ainda não ser um movimento muito grande, há já …

Época balnear arranca no sábado, mas começa mais tarde no Norte

A época balnear arranca no próximo sábado, 6 de junho, mas não em todo o país. No Norte de Portugal só começa a 27 de junho. Segundo o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, …

Um terço das empresas de restauração não reabriu

Cerca de um terço das empresas de restauração não retomou a atividade e quase metade tem registado uma faturação média inferior a 10%, revelou a associação representativa do setor. A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares …

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está morta

O procuradores do Ministério Público alemão acreditam que Madeleine McCann foi assassinada. O investigador Christian Hoppe, do Bundeskriminalamt, revelou que a criança pode ter sido alvejada quando o suspeito assaltava o apartamento da família. O procuradores do …

Nadadores-salvadores devem privilegiar salvamento "sem entrar na água"

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores divulgou hoje alguns dos procedimentos que os vigilantes devem adotar na época balnear face à pandemia, como privilegiar o salvamento “sem entrar na água” ou abordar o náufrago pelas costas. “Ainda …

Confederação do Turismo propõe Lay-off simplificado, banco de horas e horário concentrado

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) propôs ao Governo 99 medidas para mitigar as consequências "gigantescas" que a pandemia está a ter no sector, apontando um cenário de "eclipse total e asfixia". Segundo noticiou esta …

Coreia do Norte ameaça romper acordo militar com Seul

A Coreia do Norte ameaçou hoje romper o acordo militar com a Coreia do Sul e fechar o gabinete de ligação transfronteiriça, se Seul não impedir que ativistas continuem a enviar panfletos através da fronteira. A …

Moratórias no crédito prolongadas até 31 de março de 2021

O Governo decidiu estender a moratória nos empréstimos dos bancos às famílias e empresas afetadas pela crise. As prestações e juros só voltarão a ser pagos depois de 31 de março de 2021, apurou o …

Santana Lopes deixou funções executivas no Aliança. Mas não "deserta"

O fundador do partido Aliança deixou, recentemente, as suas funções executivas por "motivos profissionais", mas promete "não desertar", "muito menos em alturas difíceis". No passado dia 15 de maio, Pedro Santana Lopes pediu a suspensão das …