Uma pinça aqui, outra pinça ali. Fóssil finalmente desvenda como as trilobites acasalavam

Um fóssil raro com as patas das trilobites preservadas revela como estes artrópodes usavam umas pinças especiais para se reproduzirem.

Com o exoesqueleto típico dos artrópodes, as trilobites podem não parecer muito aconchegantes na hora do acasalmento, mas um novo estudo publicado na Geology finalmente descobriu como é que estes animais extintos se reproduziam.

A revelação foi feita através de um fóssil da espécie Olenoides serratus, que andou pela Terra há 508 milhões de anos, durante o período Cambriano. O fóssil mostrou um par de apêndices na parte inferior do meio dos animais que provavelmente era usado como umas pinças.

Os machos usavam as pinchas para se segurarem enquanto montavam as fêmeas que se prendiam ao fundo do mar — ambos na posição ideal para a libertação dos ovos e a sua fertilização, escreve o Live Science.

Os fósseis das trilobites raramente preservam as patas das criaturas e apenas 38 das 20 mil espécies conhecidas têm exemplares que ainda têm as patas, o que torna esta descoberta ainda mais notável.

Neste caso, o par de pinças é mais fino e pequeno do que os outros pares de patas à sua frente e atrás e também não tem uma espinha — que é essencial nas restantes patas por ajudar os animais a rasgar a comida.

A equipa tentou descobrir a razão para as características diferentes neste par de patas peculiar ao compará-lo com os artrópodes modernos, como as aranhas, as lagostas ou os caranguejos.

A análise revelou que o mais provável é que fossem pinças usadas para que o macho alinhasse sua cabeça com o tronco da fêmea e se “deslocasse mais para trás, mas ainda em cima dela”.

“Nesta posição no exoesqueleto, há espinhas que se projetam na cauda. As pinças do macho alinham-se bem com estas espinhas, que agarrariam um desses pares de espinhas”, revela Sarah Losso, autora principal do estudo.

Holly Sullivan

Ilustração mostra como as trilobites acasalavam

Outro fóssil bem preservado da mesma espécie não inclui estas pinças, o que levou a equipa a acreditar que se trata de uma fêmea. A estratégia de acasalamento ainda pode ser vista nos caranguejos-ferradura. Nesta animais, os machos entram numa competição feroz pelas fêmeas e muitas vezes até arrancam as pinças uns aos outros, mas ainda não há certezas sobre se o mesmo acontecia com as trilobites.

“Esta é a primeira vez em que estamos a ver uma especialização muito significativa dos apêndices das trilobites. É interessante ver que o comportamento de acasalamento complexo já tinha evoluído nos artrópodes em meados do período Cambriano”, remata Losso.

  Adriana Peixoto, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE