Físicos quânticos conseguem “driblar” a velocidade da luz

Pelo que sabíamos até agora, existia uma regra estabelecida no universo: as informações, assim como todas as outras coisas, só conseguem viajar através do espaço-tempo dentro de um limite de velocidade.

A física quântica volta a provar que o que sabemos não significa quase nada: um grupo de físicos quânticos acabou de descobrir como dobrar o limite da velocidade da luz.

Em circunstâncias normais, o limite máximo de transferência de informação – algo como a largura de banda do universo – é um bit por partícula fundamental, movendo-se não mais rápido do que a velocidade da luz. Isso no “universo clássico”.

Se deseja enviar uma mensagem composta pelos bits 1 ou 0 para um amigo que acabou de se mudar para um lugar que fica a um ano-luz de distância e tudo o que tem é um único fotão, é possível codificar esse único número binário no fotão e enviá-lo à velocidade da luz, seguindo as regras clássicas da física, e esse amigo receberá a mensagem um ano depois.

Se o seu amigo quiser usar esse fotão para enviar uma resposta, terá que esperar mais um ano, e se quiser enviar mais informações nesse tempo, precisaria de mais fotões.

Mas num novo artigo publicado a 8 de fevereiro no Physical Review Letters, dois físicos quânticos mostraram que é teoricamente possível dobrar essa largura de banda. A técnica descrita no artigo, intitulada “Comunicação bidireccional com uma única partícula quântica”, de certa forma “dribla” a velocidade da luz.

É impossível que qualquer coisa viaje mais rápido do que a velocidade da luz. Porém, graças ao entrelaçamento quântico, é possível que as duas pessoas que tentam comunicar enviem um pouco mais de informação usando a mesma partícula ao mesmo tempo.

Se as duas pessoas quiserem fazer isso, os cientistas dizem que teriam que colocar a partícula numa “superposição de diferentes locais espaciais“.

“Isso geralmente é descrito como estar em dois lugares ao mesmo tempo”, simplifica o co-autor Flavio Del Santo, da Universidade de Viena, na Áustria. A realidade é um pouco mais complicada, mas imaginar a partícula em dois lugares ao mesmo tempo é um atalho útil para entender o que está a acontecer aqui.

Del Santo e o co-autor, Borivoje Dakić, do Instituto de Ótica Quântica e Informação Quântica na Áustria, chamam aos seus comunicadores quânticos Alice e Bob. Digamos que Alice e Bob têm a mesma partícula no início da comunicação. Cada um pode codificar um único bit de informação, um 1 ou um zero, na partícula.

A comunicação continua limitada pela velocidade da luz, mas os dois comunicadores conseguem ver a informação enviada pelo outro em metade do tempo. Quando Alice codifica um “1” na partícula, Bob não vê imediatamente.

Alice ainda tem que enviar a partícula. Mas nesta situação especial, Alice e Bob podem codificar um pouco de informação na partícula e enviá-la um ao outro ao mesmo tempo.

A mensagem que cada um deles vê quando a partícula chega é o resultado da sua própria informação, e a informação do seu interlocutor será então adicionda. Se Alice codificou um zero e Bob um 1, cada um deles verá um 1, que é o resultado da codificação. Como Alice sabe que colocou um zero, ela sabe então que Bob colocou um 1. E como Bob sabe que colocou um 1, saberá que Alice colocou um zero. Se ambos colocaram um 1, ou ambos colocaram zero, o resultado será zero.

Em cada situação, ambos os recetores saberão o que o outro enviou – e terão cortado pela metade o tempo que geralmente demora para que duas pessoas enviem bits de informação usando uma única partícula.

O artigo é puramente teórico, mas Del Santo e Dakić associaram-se a uma equipa de experimentalistas da Universidade de Viena para mostrar que o método pode funcionar no mundo real.

É importante relembrar, no entanto, que esta parcela de resultados ainda não passou por revisão e publicação de pares numa revista científica.

Nesta segunda etapa, os cientistas usaram divisores de feixe para separar fotões em superposição espacial, o que significava que  estavam, de certa forma, em dois lugares ao mesmo tempo.

Ao fazer isso, conseguiram realizar exatamente o que o primeiro artigo descreveu, a codificação de bits em fotões divididos, o seu agrupamento e a interpretação dos resultados.

Os cientistas também mostraram que, com uma leve modificação, esta técnica poderia ser usada para realizar uma comunicação perfeitamente segura.

Se um dos comunicadores, Alice, insere uma sequência aleatória de bits e Bob codifica a mensagem verdadeira e coerente, nenhum espião poderia descobrir o que Bob estava a falr com Alice sem saber o que Alice tinha enviado. Esta segurança dos dados é uma das principais promessas da internet quântica.

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting está no pódio dos melhores clubes de formação (com Benfica na iminência)

O Ajax é o clube com mais jogadores da sua formação a atuar nas 31 principais divisões europeias. O Sporting surge no terceiro posto, Benfica no oitavo e FC Porto no 16.º. O Observatório do Futebol …

Ministro alemão diz que "é legítimo" proteger fronteiras com muros

O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, considerou que "é legítimo" querer proteger as fronteiras, numa altura em que Estados europeus exigem a ajuda da UE para erguer muros que evitem a entrada de migrantes. A …

Pintor da corte tentou impedir Henrique VIII de casar com Ana de Cleves. O rei ignorou - e arrependeu-se

A aristocrata alemã Ana de Cleves foi a quarta das seis esposas de Henrique VIII, casando-se com o rei inglês a 6 de janeiro de 1540. Depois de mais um divórcio, e de estar dois anos …

Com guerra de palavras à esquerda, Costa recebe apoio de Marcelo. "É o ano com mais alterações"

Estalou o verniz entre Bloco de Esquerda e Governo, pelo que a última esperança para António Costa é a de que os comunistas reconsideram os sinais que têm vindo a dar num passado recente. Marcelo …

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Graça Freitas não fecha a porta a novos confinamentos. "Está tudo em aberto"

Em entrevista ao Diário de Notícias, a diretora-geral da Saúde fez um balanço da pandemia no país. Além de falar sobre o que se pode esperar no inverno, Graça Freitas não afastou a hipótese de …

A extinção dos mamutes-lanosos não foi culpa dos humanos

Durante várias décadas, os cientistas acreditaram que os ancestrais dos atuais elefantes se extinguiram porque eram constantemente caçados pelos humanos. No entanto, a análise de ADN dos antigos campos de pasto dos mamutes-lanosos revela uma …

O candidato à liderança do Partido Social Democrata (PSD), Paulo Rangel, durante um encontro com militantes

Rio não "pica" Rangel. "O que me pica é a fraca governação do PS"

O primeiro objetivo de Paulo Rangel é vencer a Rui Rio e liderar o Partido Social Democrata. O segundo é vencer a António Costa e liderar o país. O comício que marcou o arranque da …

A ministra da Saúde, Marta Temido

Carreira de técnico auxiliar de saúde avança já em 2022 (como reivindicava o BE)

A ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou este domingo que a carreira de técnico auxiliar de saúde vai avançar em 2022, numa antecipação reivindicada pelo Bloco de Esquerda. A criação da carreira de técnico auxiliar de …

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

"Não houve proibição nenhuma" de cânticos no Dia do Exército, foi recomendação sanitária

O Presidente da República foi questionado sobre o incidente que levou a que, nas celebrações do Dia do Exército, o ministro da Defesa tenha sido vaiado e pedida a sua demissão por centenas de ex-paraquedistas. …

Até 2030, o plástico irá emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão

Um novo relatório mostra que, até 2030, os plásticos irão emitir mais gases de efeito de estufa do que o carvão, caso a indústria norte-americana mantenha os planos futuros. O aumento contínuo da produção de plástico …