Físicos observam pela primeira vez o espectro luminoso da antimatéria

(dr) CERN

Experiência ALPHA no CERN

Experiência ALPHA no CERN

Depois de duas décadas de tentativa, os físicos da Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (CERN) observaram a primeira medida de luz emitida por um átomo de antimatéria.

O resultado confirma o que foi previsto pelas leis da física e abre uma nova forma de testar a teoria da relatividade especial de Einstein.

O estudo, publicado na revista Nature, pode ajudar os cientistas a responderem a um dos maiores mistérios da física moderna – porque é que existe mais matéria do que antimatéria no universo?

A lei da física prevê que, para cada partícula de matéria, há uma antipartícula. Assim, para cada eletrão com carga elétrica negativa, existe um positrão com carga positiva.

Isto significa que, para cada átomo de hidrogénio regular, há um átomo de anti-hidrogénio. E, tal como um átomo de hidrogénio é composto de um eletrão ligado a um protão, um átomo de anti-hidrogénio é composto de um anti-eletrão (ou positrão) ligado a um antiprotão.

Se uma antipartícula encontra uma partícula regular, ambas se aniquilam, libertando energia sob a forma de luz.

Uma possível solução

Este facto cria dois grandes problemas. O primeiro é que, como há tanta matéria regular no universo, é praticamente impossível encontrar antimatéria na natureza, uma vez que esta será aniquilada antes mesmo de eles terem qualquer hipótese de começar a procurá-la.

O segundo problema é: como é que há muito mais matéria regular do que antimatéria no universo, se os nossos modelos físicos atuais sugerem que o Big Bang produziu uma quantidade igual de partículas e anti-partículas? Não deveria ter sido tudo aniquilado?

“Algo aconteceu, alguma pequena assimetria, e ainda não temos uma boa ideia para explicar isto”, disse um dos membros do estudo, Jeffrey Hangst, da experiência ALPHA no CERN.

Pode estar tudo prestes a mudar, porque, pela primeira vez, os cientistas foram capazes de medir o tipo de luz emitida por um átomo de anti-hidrogénio quando atingido por um laser, e comparar o resultado com a luz emitida por um átomo de hidrogénio regular.

E, apesar de não parecer muito, é a primeira vez que os cientistas conseguem controlar um átomo de anti-hidrogénio durante tempo suficiente para medir diretamente o seu comportamento e compará-lo com o seu equivalente regular.

Como é impossível encontrar uma partícula de anti-hidrogénio na natureza, os especialistas terão de produzir os seus próprios átomos em laboratório. Ao longo dos últimos 20 anos, a equipa ALPHA descobriu como produzir a quantidade suficiente desses átomos para realmente ser possível trabalhar com eles.

Os físicos desenvolveram a uma técnica que lhes permite criar cerca de 25.000 átomos de anti-hidrogénio a cada 15 minutos, prendendo cerca de 14. Os métodos anteriores só conseguiram capturar 1,2 átomos durante 15 minutos.

Essas partículas presas são explodidas pela luz laser para forçar seus positrões a “saltar” de um nível de energia mais baixo para um nível mais alto. À medida que voltam ao nível de energia mais baixo, a quantidade de luz libertada por eles pode ser medida.

Perspetivas futuras

A equipa de cientistas descobriu que o átomo de anti-hidrogénio emite exatamente o mesmo espectro de luz que os átomos de hidrogénio regulares.

“Há muito tempo que existe a ideia que a antimatéria é um reflexo exato da matéria, e estamos a reunir provas que mostrem que isso é verdade”, disse Tim Tharp, outro membro da equipa ALPHA.

Este resultado é consistente com o Modelo Padrão de Física de Partículas, que prevê que hidrogénio e anti-hidrogénio terão características de emissão de luz idênticas. Agora, os físicos têm a oportunidade de testar ainda mais espectros usando diferentes tipos de lasers.

Se todos forem idênticos, a teoria de Einstein sobrevive mais um dia. A relatividade especial pressupõe que o espaço-tempo se divide de forma diferente no espaço e no tempo para os observadores, com um movimento uniforme em relação ao outro.

Mas tal teoria não pode estar exatamente certa se a matéria e a antimatéria não se espelharem. De acordo com os especialistas, investigações futuras poderão vir a comprovar se Einstein estava ou não correto.

No caso de a antimatéria não obedecer às mesmas leis da física que a matéria regular, então são os nossos modelos do Big Bang que estão errados – e teremos que repensá-los e descobrir de uma vez por todas porque é que a matéria escapou à aniquilação total no Universo e permitiu a existência de tudo o que está à nossa volta.

ZAP / Hypescience

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. sugeria ao jornalista que escreveu esta notícia que tentasse fazer alguma investigação sobre este assunto especialmente no que à assimetria diz respeito, porque aparentemente ou traduziu mal algum bom artigo ou traduziu bem um mau artigo …

RESPONDER

Os Simpsons podem ter previsto o surto do novo coronavírus da China

A série de televisão animada "Os Simpsons" é conhecida por ter feito profecias que, com o passar do tempo, se tornaram mesmo realidade. Agora, os fãs do programa parecem ter encontrado um episódio que prediz …

Identificada nova espécie de dinossauro que viveu há mais de 150 milhões de anos

Paleontólogos identificaram, nos Estados Unidos, uma nova espécie de dinossauro do género dos alossauros, que viveu há mais de 150 milhões de anos. A espécie, que tem o nome de Allosaurus jimmadseni, foi identificada a partir …

Escorpião com 436 milhões de anos foi dos primeiros animais a pisar a Terra

Cientistas descobriram um escorpião com 436 milhões de anos que terá sido um dos primeiros animais da Terra a migrar dos habitats aquáticos para os terrestres. Foram encontrados dois fósseis da espécie num antigo mar tropical …

Bruno de Carvalho disposto a liderar SAD do Sporting com Varandas

O ex-presidente do Sporting admitiu, esta sexta-feira, estar disposto a liderar a SAD do clube, mesmo com Frederico Varandas como presidente. No seu comentário semanal na Rádio Estádio, Bruno de Carvalho disse estar disposto a regressar …

A Inteligência Artificial teria resolvido o mistério da fuga de Alcatraz

Um programa de Inteligência Artificial (IA) poderia ter resolvido o mistério da fuga dos irmãos irmãos John e Clarence Anglin e Frank Morris da prisão de Alcatraz, que foi considerada uma das mais seguras dos …

Mais de 30 militares dos EUA ficaram com lesões cerebrais após ataque iraniano

Mais de 30 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque iraniano na base militar de Ain al-Assad, no Iraque. 34 militares norte-americanos ficaram com lesões cerebrais traumáticas na sequência do ataque levado …

Homem que torturou suspeitos de planear o 11 de setembro diz que o voltaria a fazer

James Mitchell torturou os cinco suspeitos de terem planeado o ataque de 11 de setembro de 2001. Em tribunal, disse que não tem remorsos e que o voltaria a fazer. James Mitchell foi o psicólogo responsável …

Belenenses e Belenenses SAD chegam a acordo para suspender ações judiciais

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) anunciou, esta sexta-feira, que foi alcançada uma suspensão das ações judiciais entre o Belenenses e a Belenenses SAD. Em comunicado publicado na sua página oficial, a FPF informou que o …

Amazon quer que os clientes paguem com as mãos

A gigante tecnológica Amazon quer que os  clientes comprem e efetuem o pagamento com um aceno da mão em vez de passar um cartão numa máquina. De acordo com o Wall Street Journal, que cita fontes …

59 autarcas constituídos arguidos na Operação Éter

O Ministério Público constituiu 74 arguidos, 59 dos quais autarcas e ex-autarcas de 47 câmaras do Norte e Centro, no processo da investigação às Lojas Interativas da Turismo do Porto e Norte, realizada no âmbito …