/

Taça de Portugal. Recusam-se favoritismos e Veríssimo fala quase em moeda ao ar

Hugo Delgado / Lusa

A final da Taça de Portugal joga-se este sábado, às 20h45, num jogo entre FC Porto e SL Benfica. Na antevisão ao encontro, ambos os treinadores recusaram favoritismos, embora se apresentem motivados para vencer a competição no derradeiro jogo da temporada.

Sérgio Conceição mantém a receita. O treinador portista diz que nada mudou na preparação para este jogo e garantiu que foi uma semana normal de trabalho. “Estamos prontos para um jogo importante no qual está em jogo um título”, disse o técnico em conferência de imprensa, realizada esta sexta-feira, no Olival.

O timoneiro dos campeões nacionais rejeita o favoritismo, salientando que as duas vitórias em dois jogos feitos contra o Benfica “fazem parte do passado”.

Conceição aproveitou ainda para relembrar o trabalho levado a cabo por Bruno Lage para desvalorizar uma eventual despreparação de Nélson Veríssimo.

“O Bruno Lage também não tinha muita experiência quando entrou na equipa no ano passado e fez um bom trabalho. Isso não interfere muito porque o Veríssimo já é treinador há alguns anos. Muitos deles têm trajetos longos na formação onde se aprende muito. Não vejo que haja alguma vantagem nisso”, explicou.

“Não faço ideia de qual foi o plano traçado pelo treinador do Benfica. Não posso controlar aquilo que é aquele lado estratégico. Controlamos o nosso trabalho e a nossa estratégia. O que adversário faz ou não depende daquilo que fizermos. Esta é uma final apaixonante porque é imprevisível. Não há favoritos para finais e quando estas finais são jogadas por dois clubes históricos”, acrescentou Conceição.

O capitão portista, Danilo Pereira, revela que a equipa tem estado a treinar bem e está confiante e com bom espírito para vencer a competição.

“Uma final da taça é sempre uma motivação extra para nós. Desde que o mister chegou que estamos a lutar por várias frentes. Aquilo que são as estatísticas são só história. Temos de jogar uma final e a as finais são para se ganhar”, disse o internacional português.

“Termos ganho os dois jogos contra o rival é sempre motivador mas uma final é um jogo diferente. O nível de motivação vai estar muito alto, não depende do momento das equipas mas só do jogo. Não acho que por temos ganho os dois encontros contra o Benfica que vamos estar numa melhor forma”, acrescentou.

Em relação à conquista do campeonato, Danilo diz que o segredo foi o espírito da equipa, que, mesmo em quarentena, nunca parou de trabalhar.

“Continuamos com o mesmo foco, sabíamos que depois da pandemia o campeonato ia regressar e quem estivesse com a mentalidade mais vencedora ia conseguir ganhar esse campeonato. Foi nesse intuito que trabalhámos sempre e continuamos a focar-nos no nossos objetivos”, explicou.

Nélson Veríssimo: “É um jogo de 50/50”

Embora a reta final do campeonato não tenha corrida da melhor forma aos ‘encarnados’, o técnico benfiquista mostra-se motivado para a final da Taça de Portugal. “O Benfica tem de se apresentar como nos últimos jogos“, disparou.

Veríssimo está a fazer a escala entre Bruno Lage e Jorge Jesus, que já tem acordo para ser o novo treinador do SL Benfica na próxima época. No entanto, o técnico interino diz que o seu futuro não é preocupação, preferindo focar-se apenas na conquista do troféu.

“Na minha opinião o FC Porto não chega em vantagem. Ganharam a liga num campeonato em que nós estivemos muito bem numa primeira fase e depois não estivemos tão bem. Mas nos últimos dias reerguemo-nos. O jogo de amanhã é de muita importância. O nosso maior foco era a liga portuguesa, mas nesta fase queremos é ganhar a final”, começou por dizer Veríssimo.

“Nós este ano não vencemos o FC Porto na liga, portanto volto a pôr a agulheta no facto de o jogo ter uma atmosfera diferente por ser uma final. É um jogo com 50/50 de probabilidade para cada equipa. Temos de esperar para saber se Taarabt e Nuno Tavares vão estar aptos”, acrescentou.

A ambição é partilhada pelo defesa central das ‘águias Rúben Dias. “É mais uma Taça para o clube e a motivação não poderia ser maior. Todos queremos muito ganhar, é mais uma Taça para o museu”, atirou.

Embora confesse que o grupo está a par das notícias da vinda de Jorge Jesus, Rúben Dias diz que o plantel mostra-se leal a Nélson Veríssimo: “O nosso mister é o mister Veríssimo. É assim que vamos disputar a final”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.