Filha de Fujimori lidera primeira volta das presidenciais no Peru

KeikoSofiaFujimoriHiguchi / Facebook

A candidata a presidente do Peru, Keiko Fujimori Higuchi, filha do ex-presidente Alberto Fujimori,

A candidata a presidente do Peru, Keiko Fujimori Higuchi, filha do ex-presidente Alberto Fujimori,

Keiko Fujimori, filha do controverso ex-Presidente do Peru Alberto Fujimori (1990-2000), venceu a primeira volta das presidenciais peruanas, que se realizaram este domingo.

Filha do ditador Alberto Fujimori, Keiko Fujimori enfrentará o economista Pedro Pablo Kuczynski na segunda ronda das eleições presidenciais no Peru, de acordo com os resultados parciais divulgados na madrugada desta segunda-feira.

Com 40% dos votos contados, Keiko Fujimori consegue 39% dos votos e o seu opositor centrista 24%, a uma distância considerável da terceira classificada Verónika Mendoza, que nos últimos dias parecia em posição de disputar o segundo lugar com a promessa de uma “mudança radical” às políticas económicas do Peru, mas esta madrugada contava apenas 17% nos resultados parciais.

Difundidas logo após o encerramento das assembleias de voto, às 16h (22h em Lisboa), as sondagens à boca das urnas dos institutos Ipsos e CPI atribuíram entre 37,8% e 39,1% dos votos a Keiko Fujimori.

Os primeiros resultados oficiais deverão ser conhecidos na segunda-feira de madrugada.

Quase 23 milhões de peruanos foram chamados a participar nestas eleições, após uma campanha marcada por acusações de compra de votos e ataques mortíferos atribuídos à ex-guerrilha maoísta do Sendeiro Luminoso.

Keiko Fujimori, de 40 anos, candidata pelo partido de direita Força Popular, era vista como a grande favorita do escrutínio, apesar da opinião divida sobre o pai Alberto Fujimori, que dirigiu o país durante 10 anos, antes de ser condenado a 25 anos de prisão por crimes contra a humanidade e corrupção.

A candidata promete um pendor económico mais liberal, mas as suas grandes promessas são o investimento em obras públicas e o combate ao crime, na figura dos grandes traficantes de cocaína e guerrilhas residuais do Sendero Luminoso.

O escrutínio realizou-se no dia seguinte a dois ataques contra o exército e atribuídos pelas autoridades a forças residuais do Sendero Luminoso. Pelo menos sete pessoas morreram no centro do país.

A campanha eleitoral foi também perturbada por uma nova lei que proíbe, sob pena de exclusão, a distribuição de dinheiro ou ofertas.

Dos 19 candidatos inscritos à partida, nove renunciaram à candidatura. Um deles, Gregorio Santos, foi detido por suspeita de corrupção, mas apresentou-se a partir da prisão.

A legislação, que permite desqualificar os candidatos até ao dia da votação, foi criticada por juristas e pelo secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, que afirmou recear “uma eleição semidemocrática”.

Os peruanos foram chamados a eleger o Presidente e dois vice-presidentes do Peru para o período 2016-2021, assim como 130 congressistas e 15 representantes para o parlamento.

O sistema político do Peru, onde o voto é obrigatório, tem por base um regime presidencialista com um mandato de cinco anos renovável, mas não de modo consecutivo, e um parlamento de câmara única.

É a segunda vez que Keiko Fujimori se apresenta a eleições, depois de ter perdido para o atual presidente Ollanta Humala, em 2011.

Reservas contra candidatura da filha de Fujimori

Na semana passada, milhares de pessoas manifestaram-se no Peru contra a candidatura de Keiko Fujimori à presidência e para condenar o golpe de Estado do pai, o ex-presidente Alberto Fujimori, a 5 de abril de 1992.

Representantes da Coordenadora Nacional de Direitos Humanos (CNDDHH) disseram à agência Efe que as manifestações, na terça-feira, em várias cidades do país, reuniram cerca de 50 mil pessoas, um número também avançado por membros do grupo civil “Keiko no va”.

O secretário-executivo da CNDDHH, Jorge Bracamonte, disse que a manifestação em Lima foi realizada com a intenção de recordar que a partir do golpe de 1992 “perverteram-se todas as instituições do país”.

Keiko Fujimori, antiga deputada, procurou distanciar-se das políticas do pai, a cumprir uma pena de 25 anos por violação dos direitos humanos e corrupção durante o seu mandato entre 1990 e 2000.

Alberto Fujimori governou o país com mão de ferro: mal foi eleito, dissolveu o Congresso, fechou o Poder Judiciário, o Ministério Público, o Tribunal Constitucional e o Conselho da Magistratura, e aliou-se aos militares.

Encurralado por inúmeros escândalos, Fujimori acabou por fugir do país em 2000, durante uma viagem presidencial, tendo pedido asilo político no Japão.

O Tribunal Constitucional do Peru ratificou, em janeiro de 2015, a condenação a 25 anos de cadeia aplicada em 2009 ao antigo Presidente Alberto Fujimori por crimes contra a Humanidade.

Agência Brasil

PARTILHAR

RESPONDER

Livros pró-democracia desapareceram das bibliotecas de Hong Kong

Livros escritos por importantes ativistas da democracia de Hong Kong começaram a desaparecer das bibliotecas da cidade, avança a agência noticiosa francesa AFP, citando registos online destes espaços. Os livros pró-democracia desapareceram das prateleiras da …

Lito Vidigal é o novo treinador do Vitória de Setúbal

Lito Vidigal é o novo treinador do Vitória de Setúbal. O ex-treinador do Boavista, que já tinha passado pelo Bonfim em 2018/2019, vai suceder a Júlio Velázquez no comando técnico dos sadinos. Esta segunda-feira, Lito Vidigal, …

Estados Unidos confirmam rara infeção provocada por parasita que destrói o cérebro

Foi detetada, no cérebro de uma pessoa no condado de Hillsborough, uma ameba rara que destrói o cérebro. O parasita chama-se Naegleria Fowleri. Uma ameba rara que destrói o cérebro, conhecida como Naegleria Fowleri, foi detetada numa …

IKEA devolve a Portugal 500 mil euros em apoios do lay-off

A IKEA já reuniu com o Governo e diz estar a estudar a melhor forma de proceder à devolução do montante recebido pelo Estado.  Segundo o Dinheiro Vivo, a IKEA Portugal vai devolver cerca de 500 …

Isabel dos Santos diz-se "contactável e disponível" para colaborar com a justiça

Isabel dos Santos negou, esta segunda-feira, que a justiça desconheça o seu paradeiro e que não a consiga contactar, depois de o procurador-geral de Angola ter vindo a público denunciar a ausência de respostas da …

"Não estamos a dar a resposta suficientemente eficaz nesta fase", diz bastonário dos médicos

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM), Miguel Guimarães, defendeu esta segunda-feira que enquanto faltar uma "resposta suficientemente eficaz" à covid-19 na fase de desconfinamento, a recuperação económica também será mais lenta. O responsável falava aos …

Bolsonaro alarga veto para uso de máscaras no Brasil

Jair Bolsonaro vetou, esta segunda-feira, a obrigatoriedade do uso de máscaras em prisões durante a pandemia, segundo informações divulgadas no Diário Oficial da União. A decisão do Presidente brasileiro incluiu também o fim da obrigatoriedade de …

Carruagens compradas pela CP à espanhola Renfe vão ter espaço para bicicletas

As 51 carruagens que a CP - Comboios de Portugal vai comprar à espanhola Renfe por 1,6 milhões de euros permitirão o transporte de bicicletas, revelou o ministro Pedro Nuno Santos, garantindo que serão gastos …

Crescimento "preocupante" de casos de covid-19 no Luxemburgo (e a "culpa" pode ser de portugueses e cabo-verdianos)

O Luxemburgo está a assistir, nas últimas semanas, a um crescimento significativo no número de novas infecções por covid-19. A ministra da Saúde fala numa subida "preocupante". Muitas destas novas infecções são entre portugueses e …

Conselho das Finanças Públicas "muito preocupado" com impacto de despesas como a TAP

Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho das Finanças Públicas, está convicta de que a recuperação "não vai permitir ter nos próximos anos o que tínhamos em 2019". A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral, …