FC Porto 7-0 Portimonense | Dragão insaciável garante milhões da Champions

José Coelho / Lusa

UM, dois, três… conte até sete. Naquela que foi a sua maior goleada da temporada até ao momento, o FC Porto festejou neste sábado a presença na fase de grupos da próxima edição da Liga dos Campeões, com uma rajada de golos, que desde já vale a entrada de 37 milhões de euros nos cofres do clube.

Taremi, com um “hat-trick”, Evanilson, com um bis, Pepê e Grujic foram os marcadores de serviço neste embate da 30ª jornada da Liga Bwin. Os “dragões” vencem o emblema de Portimão há 15 partidas consecutivas.

A equipa de Paulo Sérgio, que tinha quebrado um ciclo de 14 partidas sem triunfar na última ronda, surgiu com inúmeras alterações no “onze” habitualmente mais utilizado e pouco ameaçou o reduto defendido por Diogo Costa.

No espaço de 20 minutos, o FC Porto praticamente sentenciou o encontro. Quando Taremi inaugurou o marcador, já os homens da Invicta tinham o Portimonense controlado e, a partir daí, o “rolo compressor” fez-se sentir e que de maneira.

Fruto de uma pressão feroz e eficaz, que conseguia reagir à perda da posse em poucos segundos e de muita mobilidade, principalmente entre Fábio Vieira, Vitinha e Otávio, que fomentam constantes trocas posicionais e iam baralhando a defesa improvisada por Paulo Sérgio, o “score” foi-se avolumando a uma velocidade supersónica.

Grujic carimbou o segundo, Taremi, da marca dos 11 metros, assinou o terceiro e o Evanilson fez o 4-0 com que chegou o intervalo.

Os algarvios pouco fizeram – olhando para o encontro na última jornada frente ao Famalicão, Paulo Sérgio riscou sete jogadores, apenas Moufi, Jocú, Carlinhos e Fabrício mantiveram a titularidade.

Não havia nenhum defesa-central de raiz nestas escolhas e o guarda-redes Payam Niazmad e o lateral-esquerdo Achraf Lazaar estrearam-se a titulares no campeonato – e só ameaçaram quando um corte de Pepe travou um remate perigoso de Aponza.

Autor de três remates, dois golos, uma assistência e quatro acções na área adversária, Taremi era o elemento em destaque com um GoalPoint Rating de 7.6.

Com uma almofada de quatro golos para gerir, Sérgio Conceição começou a pensar na segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, agendada para a próxima quinta-feira frente ao Sporting.

Ao intervalo deu descanso a Zaidu e Otávio e apostou em Wendel e Francisco Conceição, mas a equipa não tirou o pé do acelerador e continuou a marcar quase sem parar.

Foram três tentos, mas poderiam ter sido mais, face à diferença avassaladora entre os dois conjuntos no que diz respeito à intensidade, organização, velocidade, qualidade.

Decorria o minuto 73 quando os reflexos de Diogo Costa foram pela primeira vez testados por Aponza. Houve festa rija no Dragão e a equipa irá assistir “de cadeirinha” ao dérbi deste domingo entre Sporting e Benfica, que com este resultado ficou matematicamente fora da luta pelo título.

Melhor em Campo

Dezoito golos em 28 jornadas. Taremi está “on fire” e este sábado voltou a ser determinante em mais um triunfo do FC Porto. Em 63 minutos, o iraniano carimbou cinco remates e, em três “tiros” enquadrados, apontou três tentos.

Além disso, fez a assistência – a 13ª assistência na prova – para o 2-0 de Grujic e ainda teve arte e engenho para completar seis acções com a bola na área do Portimonense, acertar os dois dribles que arriscou, recuperar a posse em quatro ocasiões e levar para casa o título de MVP com um GoalPoint Rating de 9.5.

Como se escreve “bravo” em persa?

Destaques do Porto

Fábio Vieira 7.6Não marcou mas fez marcar e foi um dos motores da vitória. Assinou duas assistências, criou duas ocasiões flagrantes e deixou a defensiva contrária com a cabeça à roda com movimentos de qualidade. Ainda arriscou três remates, o máximo de dez passes valiosos, quatro passes super aproximativos e cinco acções com a bola na área contrária. Não tivessem sido os dois desarmes sofridos e os dois maus controlos de bola e a nota teria sido ainda mais elevada.

Grujic 7.5 – Boa exibição do sérvio, que aproveitou a ausência do lesionado Uribe para gritar presente. Sem muita trabalho em termos defensivos, fez a diferença no ataque com três remates, um golo, quatro passes valiosos, três conduções aproximativas e quatro duelos aéreos defensivos ganhos em outros tantos em que participou.

Evanilson 7.3 – Não marcava há cerca de um mês, mas esta noite foi um dos responsáveis pela goleada. Bisou e atingiu a marca de 20 golos esta temporada em todas as competições, voltando a entender-se às mil maravilhas com Taremi. Destacou-se ainda com as 12 acções com a bola na área adversária que contabilizou.

Pepe 7.1 – Aos nove minutos, foi corajoso e deteve um remate que levava perigo de Aponza. Marcou pela primeira vez esta temporada, tendo ainda amealhado 60 acções com a bola.

Pêpe 6.8 – Na ausência de João Mário, recuou no terreno e no papel de lateral-direito ofereceu uma assistência que Evanilson finalizou a preceito, acumulou sete passes valiosos, nove passes aproximativos e 91 acções com o “esférico”.

Otávio 6.6 – Em 45′, sofreu a falta que resultou no 3-0, quatro passes aproximativos, oito acções com a bola na área do Portimonense e três acções defensivas no meio-campo adversário.

Eustáquio 6.5 – Lançado nos últimos 27′, tentou manter a equipa ligada à corrente com dois passes para finalização, seis passes valiosos, quatro passes aproximativos e três recuperações de bola.

Vitinha 6.4 – Formou com Otávio e Fábio Vieira um trio que controlou o ritmo da partida. Em todo o lado, sai de cena com quatro remates, quatro passes valiosos e oito recuperações de bola.

Francisco Conceição 6.4 – Boa exibição do extremo, que imprimiu velocidade ao ataque e foi a tempo de rubricar uma assistência, três passes valiosos e quatro acções na área do Portimonense. Pecou nos dribles, tento “fechado” com sucesso apenas dois dos seis tentados.

Diogo Costa 5.9 – Face à quase total inoperância ofensiva do Portimonense, foi apenas testado verdadeiramente já na recta final quando travou um remate de Aponza. Acabou o duelo com duas defesas.

Destaques do Portimonense

Não há o que destacar no desempenho individual dos algarvios. O Portimonense terminou o jogo com apenas quatro jogadores com rating superior a 5.0, todos eles com menos de 30 minutos do jogo, facto que acaba por influenciar mais essas notas do que propriamente o desempenho dos elementos que escapam (por décimas) a um naufrágio estatístico como não nos recordamos ter visto antes nas nossas análises.

Resumo

PUBLICIDADE

  // GoalPoint

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.