Exoplaneta gigante pode ter as condições ideais para abrigar vida

Amanda Smith

Uma equipa de cientistas da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, descobriu que o enorme exoplaneta K2-18b – tem duas vezes o tamanho da Terra – pode reunir as condições ideais para abrigar vida.

Depois de analisar a massa, o raio e os dados atmosféricos deste mundo, a equipa de especialistas concluiu que é possível que este mundo aloje água líquida em condições habitáveis debaixo da sua atmosfera rica em hidrogénio, escreve o portal Science Alert.

Tal como frisa a agência espanhola Europa Press, este planeta extrassolar pode ter as características ideias para suportar vida.

O K2-18b tem 2,6 vezes o raio e 8,6 vezes a massa da Terra, e orbita a sua estrela dentro da zona habitável, onde as temperaturas podem permitir a existência de água líquida.

Este exoplaneta, que está a 124 anos-luz da Terra, era já conhecido pela comunidade científica. No fim de 2019, duas equipas de cientistas distintas reportaram a existência de vapor de água na sua atmosfera rica em hidrogénio. No entanto, a extensão da sua atmosfera e as condições sob a mesma eram até agora desconhecidas.

“Foi detetado vapor de água numa série de planetas mas, mesmo que o planeta esteja na zona habitável, não significa necessariamente que existam condições habitáveis à superfície”, explicou Nikku Madhusudhan, o cientista que liderou a investigação.

“Para estabelecer as perspetivas de habitabilidade, é importante obter uma compreensão unificada das condições interiores e atmosféricas do planeta e, em particular, se a água líquida pode existir sob a atmosfera”, explicou em comunicado, dando conta que foram estas características que o novo estudo analisou no K2-18b.

Analisando estes critérios, os cientistas sugerem agora que este exoplaneta pode reunir as condições ideias para albergar vida, estando mais perto de uma versão mais pequena de Neptuno do que uma versão maior da Terra.

“Observações futuras, por exemplo, com o Telescópio Espacial James Webb, poderão vir a refinar as nossas descobertas”, escreveram os cientistas no novo artigo, cujos resultados  foram recentemente publicados na revista científica The Astrophysical Journal Letters.

“Argumentamos que planetas como o K2-18b podem, de facto, abrigar condições habitáveis e a procura por bioassinaturas não deve ser necessariamente restrita a planetas rochosos menores”, concluíram.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

    • A questão fundamental não é se os planetas são capazes de abrigar vida como a conhecemos na Terra mas se são capazes de abrigar vida. Ponto.

      A descoberta de vida, fora da Terra, será seguramente a maior descoberta de sempre dos nós humanos enquanto espécie.

  1. Tantos problemas no planeta à serem resolvidos e o homem explorando o espaço, gastando milhões. Que tal pesquisarem sobre o Corona virus, câncer etc.

    • A sua afirmação e as questões que coloca, são algo que tem sido usado há décadas nas mais diversas áreas em que alguém, isoladamente ou em grupo, entende que existe um melhor destino a dar aos fundos utilizados na investigação.

      O que diz é absolutamente compreensível mas representa um caminho que, a ser seguido, representaria um retrocesso em todas as áreas da investigação cientifica…. mesmo naquelas em que o Sr. apresenta como prioritárias. Pense nisto:
      1. A investigação cientifica e os resultados que produz, apesar de estarem inicialmente centrados num determinado campo, podem não se limitar a esse campo inicial e terem aplicabilidade em diversas áreas.
      2. Permitir que se faça pesquisa em todas as áreas simultaneamente, permite ter os indivíduos mais talentosos numa determinada área, a fazer pesquisa sobre ESSA área e não noutra qualquer que alguém entende como prioritária.
      3. Se tivermos como politica, o direcionamento total dos fundos disponíveis para as áreas que alguém entende como prioritárias, “alguém” pode então dizer que pesquisa sobre cancro (por exemplo) que o Sr. Armando (e bem) entende como prioritária pode esperar, porque existem pessoas a passar fome e sem acesso a algo tão básico como água potável, em África. E podemos passar depois a resolver todos os problemas tidos como mais altos em termos de ranking, até chegarmos finalmente à pesquisa sobre cancro… daqui a 200 anos 🙂 quando tudo, e MESMO TUDO! tiver resolvido e isto, se não tivermos que voltar ao inicio porque, entretanto, temos outra vez pessoas a passar fome em algum sitio.

      Apesar de nem sempre a investigação avançar tão rapidamente quanto aquilo que seria desejável, é possível e em última análise, mais produtivo, fazer tudo ao mesmo tempo.

      Boa semana.

RESPONDER

Na II Guerra Mundial, um erro "humilhante" destruiu dois imponentes navios de guerra da Marinha Real

No dia 10 de dezembro de 1941, os japoneses afundaram os imponentes Prince of Wales e Repulse. A culpa foi do almirante Thomas Phillips que, na sequência de um "erro humilhante", acabou também por falecer. Winston …

O robô Atlas, da Boston Dynamics, faz parkour (e até dá um mortal para trás)

O Atlas é, sobretudo, um projeto de investigação: um robô que ajuda os engenheiros da Boston Dynamics a trabalhar em melhores sistemas de controlo e perceção. O parkour é um verdadeiro desafio para os seres humanos, …

Na Tailândia, um "cemitério" de táxis foi transformado numa horta sobre rodas

Desde pimentos a pepinos, beringelas e até mangericão. Num parque de estacionamento ao ar livre em Banguecoque, os táxis abandonados transformam-se em hortas para alimentar os trabalhadores. A pandemia de covid-19 obrigou os táxis de Banguecoque …

Morreu o "último nazi" canadiano, aos 97 anos

Um ucraniano que serviu como tradutor no regime nazi morreu na quinta-feira na sua casa, em Ontário, no Canadá, encerrando uma luta de décadas para deportá-lo e acusá-lo de cúmplice no assassinato de dezenas de …

No Sri Lanka, elefantes traficados foram resgatados. Mas voltaram às pessoas que os compraram ilegalmente

Um tribunal do Sri Lanka devolveu elefantes resgatados a pessoas influentes que foram acusadas de os terem comprado ilegalmente. Durante alguns anos, elefantes selvagens permaneceram na corda bamba de uma intensa batalha de custódia judicial entre …

Sporting 1-0 Marítimo | Porro volta a decidir de penálti

Que sofrimento! É normal ver os “grandes” dominarem por completo os seus adversários, mas nesta partida entre Sporting e Marítimo, em Alvalade, praticamente só houve uma equipa a atacar e a procurar o golo. Ainda assim, …

A falhar pagamentos e com 260 mil milhões de dívida - como é que a Evergrande chegou até aqui?

A situação da imobiliária chinesa Evergrande, que tem uma dívida maior do que a economia portuguesa, está a deixar o mundo ansioso sobre uma eventual repetição da história da crise de 2008, que começou com …

A lava do vulcão de Las Palmas já destruiu mais de 200 casas, mas uma permanece intacta na devastação

Como se protegida por um manto de invencibilidade, a construção escapou à força da lava que a serpenteou para felicidade dos seus proprietários, um casal de reformados dinamarquês que escolheu fixar-se naquele território precisamente pela …

Talibãs retomam execuções e amputação de mãos como punição

Os Talibãs voltarão às execuções e à amputação de mãos como forma de punição, avançou um dos fundadores do grupo, Nooruddin Turabi, indicando que as represálias nem sempre ocorrerão em público. À Associated Press, Turabi alertou …

EUA e UE precisam "enfrentar juntos" a crise climática, diz Timmermans

O vice-presidente executivo da Comissão, Frans Timmermans, encarregado de supervisionar a acordo, pediu na segunda-feira uma atuação conjunta dos Estados Unidos (EUA) e da União Europeia (UE) para lidar com a crise climática e outras …