Uma estrela ajudou a perceber quando é que a Via Láctea devorou outra galáxia

(dr) ESO / Digitised Sky Survey

A estrela Nu Indi (HD 211998)

Recentemente, astrónomos descobriram que uma colisão com uma galáxia satélite encheu a Via Láctea de estrelas. Agora, graças a uma única estrela, já é possível perceber quando é que isso aconteceu.

A galáxia satélite Gaia-Enceladus foi, até onde sabemos, a maior já devorada pela Via Láctea e foi descoberta em dados da missão Gaia, que criou o mapa 3D mais preciso das estrelas da nossa galáxia.

Esses dados incluíam o movimento adequado das estrelas enquanto giravam — revelando uma população de estrelas a mover-se juntas impulsionadas pela colisão. Análises posteriores sugeriram que a colisão ocorreu entre oito e 11 mil milhões de anos (sendo que o Universo tem cerca de 13,8 mil milhões de anos).

É aqui que entra a Nu Indi (HD 211998), uma velha estrela pobre em metal, com cerca de três vezes o tamanho do Sol, mas apenas 85% da sua massa, que está localizada a apenas 94 anos-luz de distância, na constelação Indus.

Segundo o Science Alert, a análise espetroscópica da sua composição química indica que nasceu mesmo na Via Láctea mas, de acordo com os dados da Gaia, o seu movimento através da galáxia foi alterado pela colisão com a Gaia-Enceladus.

“Como o movimento da Nu Indi foi afetado pela colisão, essa mesma colisão deve ter acontecido depois de a estrela se ter formado”, explicou o astrofísico Bill Chaplin, da Universidade de Birmingham, no Reino Unido.

Logo, se for possível determinar a idade desta estrela, é também possível perceber quando é que a colisão ocorreu.

De acordo com este site, a metalicidade é uma pista, uma vez que os cientistas sabem que os metais não existiam até que algumas estrelas já tivessem vivido e morrido, criando elementos pesados à medida que explodiam em supernovas. Esses elementos foram então incorporados nas gerações subsequentes. O fato da Nu Indi ter apenas cerca de 3% da abundância de ferro do Sol indica que é bastante antiga.

Por outro lado, a asterosismologia pode revelar detalhes precisos sobre as propriedades de uma estrela. O método baseia-se nas frequências de oscilação das estrelas ou pulsações na sua intensidade. Essas oscilações estão intimamente ligadas com as propriedades do interior da estrela, como, por exemplo, a sua densidade e perfil acústico. Por sua vez, estão relacionados com a massa e idade da estrela.

Os dados do TESS (Transiting Exoplanet Survey Satellite), um projeto de telescópio espacial da NASA lançado em 2018, indicam que a Nu Indi tem cerca de 11 mil milhões de anos. Logo, de acordo com os investigadores, cujo estudo foi publicado na revista científica Nature Astronomy, ao permitir que a fusão se propaga pela galáxia, isso significa que a colisão deveria ter começado entre 11,6 e 13,2 mil milhões de anos.

Com esta descoberta, a equipa conseguiu restringir no tempo um dos principais eventos da história da nossa galáxia, ajudando a entender melhor a evolução da Via Láctea. E tudo graças a uma única estrela.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Marte está vivo". Sonda InSight regista mais de 170 eventos sísmicos no Planeta Vermelho

Resultados dos primeiros dez meses de exploração da sonda InSight da NASA revelaram que o Planeta Vermelho é um mundo com atividade sísmica ativa. "Marte está vivo e a cada diz que passa começo a ter …

Um planeta pode ter sido "roubado" do Sistema Solar

Uma nova análise de astrónomos da Universidade Stony Brook, em Nova Iorque, revelou que as estrelas "roubam" planetas umas às outras - e isso também poderá ter acontecido no nosso próprio Sistema Solar. Quase tudo o …

Netflix passa a mostrar "top 10" diário de séries e filmes

A Netflix disponibiliza, desde esta segunda-feira (24), uma nova feature para os utilizadores do serviço de streaming: uma lista com os 10 filmes e as 10 séries mais vistas no país em cada dia. Esta nova …

A Realidade Virtual pode ser a próxima terapia para tratar pânico, fobias e distúrbios

A Oxford VR, empresa britânica de realidade virtual, acaba de acumular mais de 13 milhões de euros para investir na terapia com a tecnologia do futuro. A companhia surgiu a partir do departamento de psiquiatria da …

Apple não deixa que vilões de filmes usem iPhones

A Apple não deixa que os vilões dos filmes de Hollywood usem os telemóveis iPhone no grande ecrã. Esta é apenas uma das empresas que não permite este tipo de coisa. Os filmes podem ter uma …

O coronavírus pode ser a "doença X" temida pelos especialistas

O coronavírus, que já matou 2.700 pessoas e infetou mais de 80 mil desde dezembro, está a tornar-se "rapidamente" no primeiro grande desafio pandémico do mundo, enquadrando-se nos moldes da "doença X" temida por especialistas. O …

Media Capital passou de lucros a prejuízos de 54,7 milhões

A Media Capital registou prejuízos de 54,7 milhões de euros no ano passado, contra lucros de 21,6 milhões de euros um ano antes, anunciou hoje a dona da TVI, que está em processo de compra …

Camas na classe económica dos aviões podem vir a tornar-se uma realidade

A companhia aérea neozelandesa Air New Zealand está a pensar incluir camas na classe económica de alguns dos seus voos mais longos. A ideia deverá avançar dentro de um ano. A companhia aérea neozelandesa Air New …

Temperatura do planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões de anos

A temperatura no planeta pode estabilizar nos valores de há três milhões a cinco milhões de anos, caso a humanidade consiga estancar as emissões de gases com efeito de estufa até 2030, diz a especialista …

Operação Lex. Juiz Vaz das Neves arguido por corrupção e abuso de poder

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa Vaz das Neves é arguido na Operação Lex por suspeitas de corrupção e abuso de poder relacionadas com a distribuição eletrónica de processos, disse à Lusa fonte …