Há estranhas nuvens que brilham à noite (e já sabe o que são)

Zayn Roohi / Poker Flat Research Range / NASA’s Wallops Flight Facility

Uma equipa de cientistas usou um pequeno foguete lançado pela NASA para estudar a natureza de um tipo indescritível de nuvens que brilham no escuro, criando uma artificialmente.

Desde o final dos anos 1800 que os observadores têm analisado os céus polares em busca de nuvens altas e elusivas que brilham na escuridão. Estas nuvens mesosféricas polares (PMC), são pequenos enxames de cristais de gelo que se formam no final da primavera e no verão nos polos norte e sul.

As nuvens são avistadas nas horas do crepúsculo, quando o Sol as ilumina além do horizonte contra o céu escuro. Mais do que uma visão bonita, contêm pistas do que está a acontecer na atmosfera da Terra.

“O que atraiu muito interesse nessas nuvens é a sua sensibilidade – ocorrem no limite da viabilidade na alta atmosfera, onde é incrivelmente seco e frio”, disse Richard Collins, físico espacial da Universidade do Alasca, nos Estados Unidos, em comunicado. “São um indicador muito sensível de mudanças na alta atmosfera – mudanças na temperatura e/ou mudanças no vapor de água.”

Collins e os seus colegas suspeitaram que as PMCs pudessem estar associadas ao arrefecimento na alta atmosfera e começaram a tentar entender a microfísica do processo.

Com a missão Super Soaker da NASA, um pequeno foguete suborbital lançado no Alasca, mostrou que o vapor de água na atmosfera superior pode baixar precipitadamente a temperatura ambiente e criar uma desses nuvens.

Para testar essa teoria, os investigadores decidiram libertar uma pequena quantidade de água e criar a sua próprio PMC. O lançamento foi feito, em janeiro, no Ártico – que é tipicamente inóspito para a formação de PMCs -, esperando conseguir catalisar uma.

“Queríamos evitar a mistura de PMCs criadas artificialmente e de ocorrência natural”, explicou Irfan Azeem, físico espacial da Astra LLC e principal investigador da missão. “Dessa forma, poderíamos ter certeza de que qualquer PMC que observássemos fosse atribuível à experiência Super Soaker.”

O foguete foi lançado nas primeiras horas da manhã de 26 de janeiro de 2018 e atingiu uma altitude de cerca de 85 quilómetros quando a equipa detonou a explosão do seu canhão com cerca de 383 quilogramas de água. Dezoito segundos depois, o feixe de um radar a laser terrestre detetou o eco fraco de uma PMC.

Os investigadores ligaram estas medições num modelo que simulava a produção de uma PMC e queriam saber como é que o ar onde a água era libertada teria de mudar para criar uma PMC como a que observaram.

“Não temos medições diretas de temperatura da nuvem, mas podemos inferir essa mudança de temperatura com base no que pensamos ser necessário para a formação dela”, disse Collins.

O modelo mostrou que deve ter acontecido um arrefecimento significativo. “Com a quantidade de água presente, a única forma de obter a forma de uma nuvem era dizer que, no corpo da nuvem, houve uma queda de temperatura – cerca de 25ºC”, afirmou.

Os resultados sugeriram que a simples introdução de água na região levou a uma queda significativa da temperatura local.

“Esta é a primeira vez que alguém demonstra experimentalmente que a formação de PMC na mesosfera está diretamente ligada ao arrefecimento pelo próprio vapor de água”, disse Azeem.

Estes resultados também se podem associar à realidade do tráfego espacial, uma vez que o vapor de água é um subproduto comum de satélites e lançamentos de foguetes.

Porém, mais vapor de água não significa uma queda sem limites da temperatura, segundo Collins. As PMC agem como um termostato. Conforme o vapor de água congela, transforma-se em cristais de gelo, que absorvem o calor ainda melhor do que a água na forma de vapor. À medida que os cristais de gelo aquecem, sublimam-se outra vez em vapor e o ciclo repete-se.

Há um ioiô para a frente e para trás, regulando a temperatura da mudança produzida pelo vapor de água injetado”, disse Collins.

Este estudo foi publicado este mês na revista científica Journal of Geophysical Research.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Já pode "adotar" um pedaço de Notre-Dame para ajudar na sua reconstrução

Uma organização está a dar a oportunidade de o público ajudar na reconstrução de artefactos específicos da catedral de Notre-Dame, em França, que foi parcialmente destruída por um incêndio em 2019. De acordo com a cadeia …

Proporção divina identificada na gerbera

Descobrir como se formam os padrões distintos e omnipresentes das cabeças das flores tem intrigado os cientistas há séculos. Quando se pede a alguém que desenhe um girassol, quase todas as pessoas desenham um grande círculo …

Audi apresenta o novo Q4 e-tron que traz uma autonomia até 520 km

Ainda antes do verão, a Audi vai colocar no mercado o seu primeiro SUV elétrico concebido de raiz e não adaptado a partir de uma plataforma concebida para motores a combustão. O Q4 e-tron destaca-se pela …

Vanuatu em alerta depois de um corpo com covid-19 ter dado à costa

Vanuatu proibiu viagens de e para a sua principal ilha três dias depois de ter dado à costa um corpo de um pescador filipino, que testou positivo à covid-19. De acordo com a Radio New Zealand, …

Cientistas russos querem criar a primeira vacina comestível contra a covid-19

O Instituto de Medicina Experimental de São Petersburgo, na Rússia, anunciou o seu plano de concluir dentro de um ano os testes pré-clínicos da primeira vacina comestível do mundo contra o novo coronavírus. Em entrevista à …

Em plena crise política, o país mais pobre das Américas ainda não recebeu nenhuma vacina

Numa altura em que a maior parte dos países já têm o processo de vacinação a decorrer, o governo do Haiti ainda não garantiu uma única dose da vacina contra o coronavírus. O país mais pobre …

Afinal, Leonardo da Vinci não esculpiu o busto de Flora

Está terminada a controvérsia que durou mais de cem anos após a aquisição do Busto de Flora em 1909, por Wilhelm von Bode. A datação por radiocarbono revelou, recentemente, que a obra não foi …

Crise climática "implacável" intensificou-se em 2020, diz relatório da ONU

Houve uma intensificação "implacável" da crise climática em 2020, com a queda temporária nas emissões de carbono devido ao confinamento a ter um impacto pouco significativo nas concentrações de gases de efeito de estufa, revelou …

Já se sabe o que causou a misteriosa "tempestade de asma", que vitimou dez pessoas em 2016

Em 2016, na cidade de Melbourne, aconteceu o evento de "tempestade de asma" mais grave do mundo. Os cientistas descobriram agora o culpado. No dia 21 de novembro de 2016, as urgências de um hospital em …

Carlos César reivindica papel do PS na construção da democracia e no combate à corrupção

O presidente do PS defendeu, esta segunda-feira, que se deveu ao seu partido o aprofundamento da democracia e os avanços no combate à corrupção, embora admitindo desvios", "erros" e "omissões num ou outro momento da …