/

Estátuas, túmulos e telas. À medida que as escavações continuam na Notre Dame, as descobertas sucedem-se

1

Stephane De Sakutin / AFP

Arqueólogos também descobriram um o sarcófago de chumbo que pode conter o corpo de um alto funcionário da igreja, talvez datado do século XIV.

Uma escavação arqueológica nos solos da Catedral de Notre Dame expôs um tesouro constituído por estátuas, esculturas, túmulos e peças de uma tela original que remontam ao século XIII. A descoberta inclui também vários túmulos antigos da Idade Média e um sarcófago de chumbo em forma de corpo enterrado no centro do icónico monumento – devastado, em 2019, pelo fogo na zona do transepto.

Os investigadores franceses descreveram a descoberta como “extraordinária e emocional“. “Descobrimos todas estas riquezas apenas 10 a 15 centímetros abaixo das lajes do chão. Foi totalmente  inesperado. Havia peças excepcionais que documentavam a história do monumento”, explicou Christophe Besnier, que liderou a equipa científica para a escavação.

“Foi um momento emocionante. De repente, tivemos várias centenas de peças, desde pequenos fragmentos a grandes blocos, incluindo mãos esculpidas, pés, rostos, decorações arquitectónicas e plantas. Algumas das peças ainda eram coloridas”.

A descoberta foi dada a conhecer pelo instituto arqueológico nacional francês, Inrap, na quinta-feira. Uma equipa do instituto foi chamada para realizar uma “escavação preventiva” sob uma secção do chão da catedral entre fevereiro e abril, antes da construção de um andaime de 30 metros altura de 600 toneladas para reconstruir a espiral do monumento.

Até agora, apenas haviam sido encontradas algumas peças da tela original da Notre Dame, uma divisão ornamentada entre a capela-mor e a nave que separava o clero e o coro da congregação. Algumas delas encontram-se em salas da catedral, ao passo que outras estão em exposição no Louvre.  O resto da torre de Notre Dame parece ter sido cuidadosamente enterrado debaixo do chão da catedral durante a restauração do edifício supervisionada por Eugène Viollet-le-Duc.

Uma das peças mais extraordinárias descobertas foi uma escultura intacta da cabeça de um homem, que se crê ser uma representação de Jesus, esculpida em pedra. Outro bloco da tela da torre, que se acredita datar do século XIII, mostra um monumento de estilo gótico.

A equipa da Inrap recebeu também um calendário rigoroso e apenas uma área específica para a realização da escavação. Em setembro último, o General Jean-Louis Georgelin, nomeado para supervisionar a restauração, disse que a segurança da estrutura da catedral tinha sido estabelecida, o que significava que a restauração e reconstrução das secções destruídas pelo fogo poderiam avançar. O responsável disse ainda que a catedral estaria aberta para serviços e visitas públicas, tal como prometido em 2024.

O líder da equipa disse que tinham identificado outras lajes da tela de torre sob o chão, no entanto, estas estavam fora do limite especificado da escavação. “Sabemos que elas estão lá e não serão danificadas. Esperamos poder descobri-las numa data posterior”, disse Besnier, citado pelo The Guardian. A escavação também revelou uma rede de tubos de aquecimento de alvenaria instalados por baixo do chão no século XIX.

Os especialistas acreditam que o sarcófago de chumbo pode conter o corpo de um alto funcionário da igreja, talvez datado do século XIV. Uma câmara introduzida no caixão revelou restos de plantas sob a cabeça do falecido ao lado de cabelo, assim como fragmentos de pano. Não havia, no entanto, uma placa que identificasse o ocupante.

Dominique Garcia, dirigente do Inrap, adiantou que serão realizados mais exames, incluindo análises de ADN, mas acrescentou: “Um sarcófago contendo um corpo humano não é um objecto arqueológico. Estes são restos humanos, e enquanto examinamos o sarcófago e analisamos o corpo e outros objetos no seu interior, temos de o fazer com respeito”.

O responsável esclareceu ainda que não tinha sido tomada qualquer decisão quanto ao local onde o corpo seria enterrado uma vez que os testes tivessem sido concluídos. “É demasiado cedo para dizer. É possível que seja enterrado de novo algures na catedral”.

  ZAP //

1 Comment

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.